Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 2.378.254 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 MATÉRIA COMPLETA SOBRE A AHT Online - Revista Foco - A

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Ver Opinião - Ver Opinião - Participação
3398
Segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010 - 15:06:41
189.63.209.111

MATÉRIA COMPLETA SOBRE A AHT Online - Revista Foco - A Revista do RN 

 

 

FOTO: Capa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

 

A autohemoterapia resgatou a vitalidade de milhares de pessoas em diversas partes do país. No RN há dezenas de casos de pacientes que sofriam com doenças graves e que após o tratamento viram os sintomas simplesmente desaparecer.O resultado é algo impressionante e os depoimentos de quem se submete ao tratamento são inacreditáveis. O fato é que a Autohemoterapia tem mostrado ao longo dos anos que realmente cura e previne uma infinidade de doenças graves: de alergias, a artrites e o próprio câncer. O assunto é alvo de muita polêmica e é condenado por grande parte da classe médica, mas dentro do rol de pessoas que se submetem a experiência, a técnica é milagrosa. 

 

FONTE: http://www.revistafoco-rn.com/ 

 

 

 

A “cura” através do próprio sangue 

 

A autohemoterapia resgatou a vitalidade de milhares de pessoas em diversas partes do país. No RN há dezenas de casos de pacientes que sofriam com doenças graves e que após o tratamento viram os sintomas simplesmente desaparecer 

 

 

Micheline Borges 

 

 

O resultado é algo impressionante e os depoimentos de quem se submete ao tratamento são inacreditáveis. O fato é que a Autohemoterapia tem mostrado ao longo dos anos que realmente cura e previne uma infinidade de doenças graves: de alergias, a artrites e o próprio câncer. O assunto é alvo de muita polêmica e é condenado por grande parte da classe médica, mas dentro do rol de pessoas que se submetem a experiência, a técnica é milagrosa. O jornalista, ex-vereador e deputado estadual Eugênio Neto (80), recuperou o vigor depois de anos sofrendo de um Mal de Parkinson e tantos outros males que o impedia, por exemplo, de levantar-se ou deitar-se numa rede sem ajuda das pessoas. Ele não precisou de duas séries da Autohemoterapia para sentir sensíveis melhoras. “A Autohemoterapia é muito válida. Recomendo pra todo mundo. Minha capacidade de locomoção após o tratamento eu comparo quando eu tinha 50 anos”, conta. 

 

A técnica é simples: retira-se sangue do paciente, numa quantidade que pode variar entre 5 e 10 ml. Na mesma hora o sangue é injetado no músculo, mas precisamente no glúteo – área de maior absorção. Isso é feito uma vez por semana, durante três meses (tempo de um ciclo), seguidos de um intervalo de 30 dias, de forma que o corpo do indivíduo crie mecanismos de defesa elevando os níveis de macrófagos de 5% para 22% (os macrófagos fazem a “limpeza” do nosso corpo, eliminando a fibrina, bactérias e vírus do organismo. Eles são produzidos pela medula óssea. Esses níveis elevados de defesa, criados pelo próprio organismo, atingem o pico após oito horas de aplicada a injeção e duram por até cinco dias, quando então começam a diminuir até atingirem os valores normais de uma pessoa sadia (5%). Logicamente que, aumentando a defesa do próprio organismo, este está menos sujeito a uma série de enfermidades 

 

Os defensores da Autohemoterapia alegam que o organismo enxerga o sangue reinjetado como um corpo estranho, o que estimularia o sistema imunológico (nossa defesa contra doenças). A técnica surgiu no início do século passado na França e foi estudada na década de 30 nos Estados Unidos e no Brasil. Por aqui, ela foi disseminada pelo médico Luis Moura (84). Num vídeo distribuído a milhares de pessoas no Brasil inteiro, o especialista em Autohemoterapia há 29 anos reconhece que não há nenhum estudo científico sobre o tema, mas ao mesmo tempo não dá crédito algum aos padrões que se dizem científicos, mas aquele que comprova a cura do paciente: “Eu não respeito os padrões chamados científicos. Do tipo: isso eu não posso fazer porque não é comprovado pela ciência. Pra mim o que comprova qualquer coisa é o efeito do tratamento”. 

 

FOTO: Felinto Rodrigues Neto foi apresentado ao tratamento por acaso e hoje é usuário. “Meu objetivo é a prevenção” 

 

O DVD diz que o método aumenta a imunidade do organismo. O sangue injetado faria crescer a quantidade de glóbulos brancos que defendem o corpo de infecções. Até hoje a Anvisa – a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – e o Conselho Federal de Medicina não receberam relatos de danos provocados pela Autohemoterapia, ainda assim condenam a prática. 

 

O fato é que o assunto chegou ao Rio Grande do Norte e já conquistou dezenas de adeptos. Felinto Rodrigues Neto (73), empresário, jornalista e apresentador do programa Repórter 98, foi apresentado ao tratamento por acaso, através de um amigo, o empresário Célio Capistrano, vítima de um câncer no intestino. Felinto lembra que todas as vezes que saía da casa de Célio a impressão que tinha é que não iria vê-lo mais. “Pra você ter um ideia ele precisava de ajuda até para se deslocar do quarto para o banheiro. Nós só esperávamos pela notícia da morte dele”. Quatro meses depois eis o inesperado. Célio Capistrano aparece no escritório do jornalista praticamente recuperado. Parecia um novo homem. “Quem viu ele quase morto como eu vi não demorou a acreditar naquela recuperação”, recorda Felinto. O fato é que o empresário relatou a experiência bem sucedida que teve com a Autohemoterapia e o assunto virou pauta para entrevista na rádio. 

 

Movido pela curiosidade e ciente da responsabilidade como formador de opinião, o jornalista foi até ao Rio de Janeiro conhecer pessoalmente a pessoa responsável pela técnica no Brasil. Só quando constatou com os próprios olhos a virilidade do médico de 84 anos não pôde mais duvidar da eficácia do tratamento. Todas as desconfianças de que aquilo poderia ser uma farça ou mais um golpe de um charlatão foram ladeira abaixo. Segundo o clínico geral fluminense, a Autohemoterapia não caiu no gosto da classe médica porque a técnica poderia levar a falência os laboratórios e acabar com a farra dos “doutores” nas viagens gratuitas e nos congressos espetaculares proporcionados pelas poderosas multinacionais. 

 

Concordando ou não com esse raciocínio – Felinto prefere não fazer juízo de valor – o fato é que o jornalista já caminha para a terceira série do ciclo da Autohemoterapia. Dentro do rol de amizades, pelo menos, 60 pessoas fazem a Autohemoterapia. “No meu caso a razão é preventiva. Sempre tive uma saúde de ferro, mas desde que passei a aceitar a Autohemoterapia não tenho nem resfriado”, conta. 

 

A partir daí tomou conhecimento de inúmeros casos de cura, inclusive de pessoas famosas, que fazem uso da Autohemoterapia. O ex-futebolista alemão, Beckenbauer, é um exemplo dentro do esporte. Outros casos mais próximos e de pessoas mais comuns, é o do funcionário da Rádio 98 Fm. Gilvan contraiu um cisto no joelho jogando futebol. Ele era o tipo de atleta de final de semana que não podia ver uma bola que voltava pra casa contundido. Depois de algumas sessões da Autohemoterapia ganhou uma resistência fora do comum. 

 

A técnica de enfermagem há dez anos, aluna concluinte do curso superior de Enfermagem, A.S, concorda em conceder uma entrevista exclusiva à Revista Foco, desde que sua identidade seja mantida em sigilo. Como a Autohemoterapia é condenada pelo Coren – Conselho Regional de Enfermagem – ela teme que seu registro seja cassado por aplicar a técnica há pelo menos quatro anos em, aproximadamente, 50 pessoas. 

 

Vítima do câncer na tireóide, A.S teve o diagnóstico confirmado em 2006. No ano seguinte, ocorreu a metástase no mediastino. Na época desempregada, sem condições de bancar o tratamento convencional, foi apresentada a Autohemoterapia por um médico e desde então não deixou mais. Resultado: em menos de seis meses o câncer simplesmente desapareceu. Há quase quatro anos não tem mais notícia dele. “Eu me considero uma pessoa curada”, afirma. 

 

FOTO: Eugênio Neto recuperou o vigor físico depois de anos refém do Mal de Parkinson 

 

Casos dessa natureza são comuns de encontrar entre os pacientes que se submetem a Autohemoterapia. A auxiliar relata diversos exemplos vivenciados no seu dia-a-dia de aplicações. Um deles, dentro de casa. O filho de 16 anos tinha problema de pele que alergologista nenhum conseguia resolver. O menino vivia cheio de restrições. Depois da Autohemoterapia passou a ter uma vida normal. “Tenho ainda um cliente que há cinco anos foi desenganado pelos médicos. Deram a ele vinte dias de vida. O câncer era generalizado e não havia mais tratamento que surtisse efeito. Acredite: hoje o tumor tem menos de um centímetro. Isso graças a Autohemoterapia e ao tratamento convencional da doença”, relata emocionada. 

 

Outro exemplo é de um paciente com câncer no globo ocular, residente em Parnamirim, que ela começou a tratar com Autohemoterapia há cinco meses. Nas sessões iniciais, a técnica em enfermagem conta que sofreu muito com a situação do homem aparentemente jovem. O câncer já tinha dado metástase no cérebro e necrosado em toda parte do olho. “Fiquei cinco dias sem me alimentar direito por causa do mau cheiro que exalava”. Graças a eficácia da Autohemoterapia e da permissão do paciente em me deixar aplicá-la, em menos de um mês a parte necrosada sumiu. Recentemente ele refez a tomografia e o tumor no cérebro não foi mais encontrado. “É algo inacreditável, mas é a realidade. Os médicos condenam a técnica e não apóiam os profissionais que a aplicam porque sabem que isso vai mexer com a indústria farmacêutica”, denuncia. 

 

Em casos graves assim, a profissional que prefere não ter o nome revelado, conta que as sessões são mais freqüentes. Enquanto em alergias ou qualquer outro mal de pouca gravidade o sangue é retirado da veia e reaplicado no músculo a cada sete dias, no câncer o intervalo é de apenas cinco dias e não há a interrupção mensal após o ciclo de três meses. Isso ajuda a manter a imunidade em alta do paciente. 

 

O tratamento é indicado em todos os casos, com exceção da Anemia Falciforme, já que a própria genética da célula apresenta defeito. Em crianças, claro, as sessões devem ser menores e o intervalo maior. O valor do tratamento é acessível a todas as classes sociais. Cada aplicação custa R$ 10,00. 

 

FOTO: Doutor Luiz Moura, disseminador da autohemoterapia no Brasil 

 

 

Revista Foco - A Revista do RN http://www.revistafoco-rn.com/edicao159/capa.htm 

 

 

Marcelo Fetha (fetha@ibest.com.br)    

[ocultar participação]  [voltar]

Comentários


Quero comentar Total de 3 comentários  -  3 nesta página
[primeira < anterior   Página de 1     próxima >  [última]

 Sexta-feira, 20 de maio de 2016 - 14:21:01 
191.204.56.137

NOTA: 

 

Pelas publicações das matérias sobre a Auto-hemoterapia, A Revista FOCO, foi processada pelo Conselho Regional de Medicina, do Rio Grande do Norte. 

 

A Justiça Federal do Rio Grande do Norte, publicou em seu site a sentença do Juiz da 5ª Vara da Seção Judiciária do Rio Grande do Norte. O  ... (total de 1308 caracteres)

Fetha    

 Segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010 - 23:39:53 
189.63.209.111

A REVISTA FOCO - NATAL RN 

redacao@revistafoco-rn.com, leitor@revistafoco.rn.com 

 

Boa noite, 

 

Recebi do amigo Walter Medeiros, um exemplar (159) de sua revista.  

 

Na intenção de pedir autorização de V.Sas. para escanear a entrevista sobre Auto-hemoterapia e disponibiliza-la na internet,  ... (total de 7562 caracteres)

Marcelo Fetha (fetha@ibest.com.br)    

 Segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010 - 15:22:55 
189.63.209.111

AUTO-HEMOTERAPIA NA 98 FM (REPÓRTER 98 – 12.02.2009). 

 

Um dos entrevistados foi o amigo jornalista Walter Medeiros, e também o Sr. Célio que curou um cancer de intestino com a autohemoterapia. O link com a transcrição da entrevista é:  ... (total de 466 caracteres)

Marcelo Fetha (fetha@ibest.com.br)    



envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a lista que contém esta participação]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2017)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org