Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 4.046.650 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 Marcelo, leia o email recebido do Grupo Otimismo

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Ver Opinião - Ver Opinião - Participação
2180
Terça-feira, 21 de abril de 2009 - 17:16:52

Marcelo, leia o email recebido do Grupo Otimismo qualificando as pessoas que participarão das 

audiências. Boa tarde, Joel 

 

 

Em 21/04/2009 13:18, Grupo Otimismo < hepato@hepato.com > escreveu: 

 

 

Grupo Otimismo de Apoio ao Portador de Hepatite 

ONG - Registro n°.: 176.655 - RCPJ-RJ - CNPJ: 06.294.240/0001-22 - Rio de Janeiro - RJ 

Rio de Janeiro (21) 4063.4567 - São Paulo (11) 3522.3154 (das 11.00 às 15.00 horas) 

e-mail: hepato@hepato.com - Internet: www.hepato.com  

 

World Hepatitis 

Alliance 

 

 

 

 

 

Audiência Pública sobre Judicialização da saúde no Superior Tribunal Federal 

 

 

Acontece nos dias 27, 28 e 29 de abril e nos dias 4, 6 e 7 de maio a audiência Pública sobre Judicialização da saúde no Superior Tribunal Federal. O Grupo Otimismo foi uma das 132 instituições que realizaram inscrição para defender dois dos temas da pauta, mas infelizmente não fomos agraciados com a indicação pelo STF.  

 

Vejo com preocupação o resultado que poderá surgir da audiência. Analisando os indicados podemos prever que 16 deles defenderão o governo, 10 indicados podemos contar como defensoras dos pacientes, 3 são Juízes e não conhecemos seus posicionamentos e 4 são defensores públicos ou integrantes dos ministérios públicos. Dos 33 indicados, vemos que a metade pertence ao governo! 

 

Somente 10 ONGs que tratam com pacientes foram selecionadas: 

 

1. Amigos e Familiares de Portadores de Hipertensão Arterial Pulmonar 

2. Associação Brasileira de Assistência à Mucoviscidose 

3. Associação Brasileira de Grupos de Pacientes Reumáticos 

4. Associação Brasileira de Mucopolissacaridoses 

5. Conectas Direitos Humanos 

6. Faculdade de Medicina da USP 

7. Grupo Hipupiara Integração e Vida 

8. Hospital de Clínicas de São Paulo 

9. Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero - ANIS 

10. Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica 

 

O cronograma, horários e temas se encontram em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verTexto.asp?servico=processoAudienciaPublicaSaude&pagina=Cronograma  

 

A TV JUSTIÇA estará transmitindo ao vivo para todo Brasil. Os horários se encontram no Link acima.  

 

As instituições inscritas que não foram indicadas podem colocar por escrito seus posicionamentos . Para tal, em defesa dos portadores de hepatites, no dia 20 de abril enviamos nossos pontos de vista referentes os Itens 2 e 5 da pauta, os quais disponibilizamos a seguir:  

 

 

 

 

Superior Tribunal Federal,  

Audiência Pública sobre a Saúde 

 

Seguem nossos pontos de vista em defesa dos argumentos nos seguintes temas da pauta:  

Item 2 da pauta - Obrigação do Estado de fornecer prestação de saúde prescrita por médico não pertencente ao quadro do SUS ou sem que o pedido tenha sido feito previamente à Administração Pública. 

 

 

 

 

Sendo a saúde um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais o acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação é necessário que se defina uma jurisprudência na matéria como forma de suprir a ausência de políticas públicas que regulamentam o acesso à saúde que assegurem o pleno gozo dos direitos constantes na Constituição Federal e na Lei 8.080 que regulamento o SUS.  

 

No art. 197 da Constituição Federal todas as ações de saúde são definidas como de relevância pública e no art. 198 define-se que a organização das ações e serviços públicos de forma integral organiza-se em um Sistema Único de Saúde.  

 

A constitucionalização do direito à saúde nos termos acima descritos implica na garantia dos princípios fundamentais:  

 

UNIVERS ALIDADE - acesso universal a serviços gratuitos fornecidos pelo SUS;  

 

INTEGRALIDADE - atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais;  

 

EQUIDADE - acesso igualitário e sem discriminação às políticas e serviços de saúde;  

 

Assim, o direito à saúde é um direito humano que assegure a vigência dos princípios da universalidade e da integralidade, princípios básicos do SUS.  

 

Ao determinar que a saúde e direito de todos e dever do Estado, a Constituição Federal impôs a universalidade, equidade e integralidade das ações e serviços de saúde, o que inclui o acesso aos medicamentos não fazendo distinção entre o médico pertencer ou não à rede pública, bastando simplesmente o médico estar registrado no competente Conselho Regional de Medicina, o qual o habilita a exercer a medicina.  

 

Desde que respeitados os consensos e protocolos clínicos o paciente pode ser atendido por médicos fora do sistema SUS e, se requerer procedimentos e/ou medicamentos ao sistema público o mesmo deve ser atendido. Não é obrigatório que o paciente seja atendido em hospitais públicos para ter direito a saúde. Assim acontece em varias doenças onde o estado entrega os medicamentos, mas alguns estados restringem outras doenças dessa facilidade, como e o caso das hepatites B e C.  

 

Essa discriminação em relação aos quase seis milhões de brasileiros infectados com as hepatites B e C leva os pacientes a recorrer ao Judiciário. Obrigar um paciente de hepatite a ser atendido num hospital de referencia ocasiona, na maioria dos estados, a deslocamento de até oitocentos quilômetros já que o tratamento e oferecido somente nas capitais.  

 

A judicialização do acesso aos medicamentos pode ser, senão eliminada, reduzida significativamente se os estados respeitassem a universalidade, um direito de todos os brasil eiros que está sendo respeitado por gestores mal orientados.  

 

A solução, não passa pela restrição do direito dos pacientes e sim pelo respeito à Constituição Federal por parte dos gestores da saúde.  

 

Solicitamos que nas recomendações que serão realizadas após a audiência, fique claramente estabelecido que todo cidadão brasileiro tenha direito a usufruir o direito constitucional a sua saúde, com acesso a procedimentos ou medicamentos registrados na ANVISA gratuitamente, independente de ser atendido por médico do SUS ou particular, desde que cumprido o protocolo de tratamento da sua doença.  

 

 

 

 

Item 5 da pauta - Obrigação do Estado de fornecer medicamento não licitado e não previsto nas listas do SUS - Registro na ANVISA e protocolos e diretrizes terapêuticas do SUS. 

 

 

Ao colocar a saúde como um direito fundamental (Art. 6º) ficou assegurada a impossibilidade de que seja retirado do texto constitucional e passou-se a requer a vinculação dos Poderes Públicos (Legislativo, Executivo e Judiciário) na promoção e garantia do direito a saúde.  

 

Acontece que medicamentos para diversas doenças aprovados e autorizados para comercialização no Brasil pela ANVISA podem demorar anos para fazer parte das portarias e protocolos clínicos do SUS, dessa forma indivíduos com poder aquisitivo dispõem de tratamento efetivos para tratar de seu problema de saúde, mas pessoas carentes que dependem do SUS não podem aceder a esses mesmo medicamentos, configurando que os pacientes do SUS passam a ser considerados cidadãos de segunda categoria.  

 

Não todas as doenças apresentam esse problema. Medicamentos para o tratamento do HIV/AIDS são incorporados aos protocolos clínicos do SUS poucas semanas após a aprovação pela ANVISA, já tratamentos como a quimioterapia se encontra com protocolo clínico de quase dez anos atrás e a hepatite B com protocolo clinico do ano 2002.  

 

Na hepatite B os medicamentos autorizados são praticamente ineficientes, criando resistência viral rapidamente. O não acesso aos outros cinco novos medicamentos autorizados pela ANVISA ocasiona subtipos de vírus resistentes até os novos medicamentos. Ao não fornecer os novos medicamentos e insistir com os antigos o Brasil está sendo acusado de desenvolver um subtipo do vírus da hepatite B resistente a todo e qualquer medicamento (situação já conhecida com o uso indiscriminado de antibióticos que geram bactérias resistentes).  

 

Ante a burocracia e falta de agilidade do Ministério da Saúde o único caminho possível para os portadores de hepatite que procuram pela cura da doença e a via judicial, o qual possui maior sensibilidade que os gestores da saúde. Brincam os pacientes falando que o judiciário e o melhor hospital do Brasil, mas Juízes e desembargadores são obrigados a atender uma demanda de milhares de ações os transformando em "autorizadores" de tratamentos médicos.  

 

Estamos diante de um absurdo que deve acabar para desafogar o judiciário e não prejudicar os pacientes. O Ministério da Saúde deve ter um prazo razoável de seis ou nove meses para incluir nos protocolos clínicos os medicamentos aprovados pela ANVISA, ou caso contrario explicar oficialmente o porquê da não introdução na grade de medicamentos do SUS.  

 

Carlos Varaldo 

Presidente do Grupo Otimismo de Apoio ao Portador de Hepatite 

O Grupo Otimismo e afiliado a AIGA - ALIANÇA INDEPENDENTE DOS GRUPOS DE APOIO - www.aigabrasil.org 

Este é um serviço gratuito da página WEB hepato.com que entrega periodicamente na caixa de correio eletrônico joelmartini@zipmail.com.br as últimas notícias e novidades nas hepatites. 

Se deseja dar baixa do serviço, pode fazê-lo enviando um e-mail com a solicitação. 

Este é um envio automático. Por favor, não responda a esta mensagem. 

Marcelo (email de Joel Martini)    

[ocultar participação]  [voltar]

Comentários


Quero comentar Total de 1 comentários  -  1 nesta página
[primeira < anterior   Página de 1     próxima >  [última]

Sábado, 27 de novembro de 2021 - 12:10:59
 

Nenhum comentário ainda.

 

Webmaster



envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a lista que contém esta participação]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2021)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org