Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 2.449.348 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 Mais uma prova da eficácia da AH: em:

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Ver Opinião - Ver Opinião - Participação
3557
Terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 - 18:44:30
200.20.24.78

Mais uma prova da eficácia da AH: 

em: 

http://www.eventosufrpe.com.br/jepex2009/cd/resumos/R0320-2.pdf 

Auto-hemoterapia em caprinos com ectima 

contagioso 

 

Auto-hemoterapia em caprinos com ectima 

contagioso 

José Honorato de França Neto1; Maria Cristina de Oliveira Cardoso Coelho². Luiz Cosme da 

Silva Júnior³; Wagner McKlayton Souza4; Telga Lucena Alves Craveiro de almeida5; Ernani 

Méro Campos6; Paulo Henrique Mariano das Chagas7; Pomy de Cassia Peixoto kim8. Simone 

Gutman Vaz9; Breno Menezes dos Santos10. 

Introdução 

O ectima contagioso é uma 

enfermidade altamente contagiosa, cosmopolita, 

causada por um DNA vírus da família 

Poxviridae do gênero Parapoxvírus, que 

acomete principalmente caprinos e ovinos 

jovens, entre o terceiro e sexto mês de idade [1], 

caracterizada por lesões de pele, com formação 

de pápulas, vesículas e pústulas seguidas de 

crostas espessas localizadas na junção 

mucocutânea oral, freqüentemente nas 

comissuras labiais, disseminando-se 

posteriormente para a região periorbital, 

perinasal e fossas nasais. Nos casos mais graves 

as lesões penetram nas gengivas, almofadinha 

dental, palato, língua e esôfago. Podem também 

localizar-se na pele da região inguinal, vulva e 

ânus, prepúcio, membros, orelhas e cauda [2] 

Animais adultos também são afetados, 

principalmente quando a infecção é introduzida 

pela primeira vez nos rebanhos [2]. Após a 

introdução da doença nos rebanhos, a 

enfermidade se torna endêmica, pela persistência 

do vírus no ambiente ou pela presença de 

portadores crônicos. Em algumas criações, a 

doença é enzoótica e tem ocorrência anual [3,4]. 

Em ovinos, a morbidade geralmente é alta, 

podendo atingir 100%, já a mortalidade é baixa, 

aproximadamente 1%, sendo que infecções 

secundárias ou miíases podem eleva-lá para até 

50% [5]. É possível que aproximadamente 70% 

dos rebanhos caprinos e ovinos localizados no 

semi-árido pernambucano estejam infectados 

pelo vírus do Ectima contagioso. 

Não havendo tratamento específico, a 

maioria dos animais se recupera 

espontaneamente com auxílio de tratamentos 

tópicos a base de anti-sépticos, após um curso 

clínico de uma a quatro semanas, porém, os 

prejuísos ocorrem especialmente devido a perda 

de peso dos animais acometidos. O diagnóstico é 

feito com base nos sinais clínicos, exames 

histológicos e microscopia eletrônica [4,2]. 

A imunização ativa dos ovinos e 

caprinos é um procedimento relativamente 

simples e está indicada apenas nas áreas onde 

ocorre a doença, por tratar-se de uma vacina 

viva, preparada a partir de crostas contendo o 

vírus. Na ocorrência de um surto, a vacinação 

imediata do rebanho é geralmente benéfica, 

conferindo imunidade por aproximadamente dois 

anos [6]. 

A auto-hemoterapia consiste da retirada 

de 5 a 20ml de sangue venoso e sua aplicação 

intramuscular no próprio doador. O sangue, 

tecido orgânico, em contato com o músculo, 

tecido extra-vascular, desencadeia uma reação 

imunológica que estimula o sistema reticulo 

epitelial S.R.E. De acordo com [7] a autohemoterapia 

promove um estímulo proteínico 

inespecífico e, ainda, segundo [8], em casos de 

doenças inflamatórias crônicas, pode levar a uma 

reativação orgânica. Os produtos da degradação 

eritrocitária são conhecidos por estimular a 

eritropoiese e ativar o sistema imune normal, 

permitindo a manutenção da homeostasia. A 

medula óssea produz mais monócitos que vão 

colonizar os tecidos orgânicos e recebem então a 

denominação de macrófagos. 

Primeiro Autor é Graduando do Curso de Medicina Veterinária, Bolsista de extensão, Universidade Federal Rural de Pernambuco, 

Av. Dom Manoel ds Irmãos, Recife, PE, CEP 52171-900. 

2. Segundo Autor é Professor Adjunto do Departamento de Medicina Veterinária, Tutora do Programa de Educação Tutorial do 

Curso de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Av. Dom Manoel de Medeiros, S/N – Dois Irmãos, 

Recife, PE, CEP 52171-900. 

3. Terceiro Autor é Graduando do Curso de Medicina Veterinária, Bolsistas do Programa de Iniciação Científica, Universidade 

Federal Rural de Pernambuco. Av. Dom Manoel de Medeiros, S/N – Dois Irmãos, Recife, PE, CEP 52171-900. 

4. Quanto autor médico veterinário Bolsista de extensão CNPq da UFRPE. 

5. Quinto e sexto autores são médicos veterinários residentes da UFRPE. 

6. Sétimo, oitavo, nono e décimo autores são Graduandos do Curso de Medicina Veterinária da UFRPE. 

[Digite texto] 

[Digite texto] 

As doenças infecciosas, alérgicas, autoimunes, 

os corpos estranhos como os cistos 

ovarianos, miomas, as obstruções de vasos 

sangüíneos são combatidas pelos macrófagos, 

que quadruplicados conseguem assim vencer 

estes estados patológicos ou pelo menos, 

abrandá-los. 

De acordo com [9], no caso do ectima 

contagiosa, quando o organismo do animal 

absorve o sangue venoso, o sistema imune é 

ativado e pode passa a produzir anticorpos contra 

o ectima, o que leva à eliminação da 

enfermidade. 

Alguns animais podem apresentar cura 

espontânea, no entanto, na maioria das vezes, o 

tratamento é necessário, posto que, quando o 

número de lesões é muito grande ou há uma 

grande quantidade de animais acometidos dentro 

da propriedade, há necessidade de se realizar 

tratamentos sistêmicos, [10,7]. 

O objetivo deste trabalho é relatar o uso 

da auto-hemoterapia como uma alternativa de 

terapia contra ectima contagioso em caprinos. 

Material e métodos 

Dois caprinos de dois meses de idade, 

machos, sem raça definida, foram atendidos em 

uma clinica veterinária da cidade do Cabo Santo 

Agostinho. Com histórico de apatia e 

dificuldade em se alimentar por apresentar 

crostas na região oral. Ao exame clinico 

observou a presença de pápulas, vesículas, 

pústulas e crostas espessas que recobrem uma 

área elevada na pele. Com lesões observadas na 

junção mucocutânea oral, nas comissuras 

labiais, região periorbital, perinasal, fossas 

nasais e orelhas (fig. 1). O animal com 

diagnostico clinico positivo para ectima 

contagioso, obtido pela inspeção clinica 

características das lesões. O protocolo escolhido 

foi submetido o animal à auto-hemoterapia. Que 

consistiu de uma sessão a cada sete dias 

totalizando vinte oito dias. Em cada sessão da 

terapia foram utilizados cinco ml de sangue da 

veia jugular, coletados com agulha 25x07 

acoplada a uma seringa estéril de dez ml e 

aplicados imediatamente na via intramuscular 

entre os músculos semitendinoso e 

semimembranoso. 

Resultados e discussão 

Os resultados obtidos com a terapia 

foram observados sete dias após a primeira 

sessão, demonstraram redução nas lesões 

visualizadas. Após sete dias da primeira sessão 

as vesículas, pústulas e pápulas, desapareceram 

observando-se apenas a presença de crostas 

pouco aderidas (fig. 2), quinze dias após do 

inicio do tratamento os animais responderam 

positivamente, ou seja, quaisquer uma das 

lesões descritas já não foram mais visualizadas 

(fig. 3). 

Na literatura o tratamento recomendado 

segue com a retirada das crostas utilizando 

solução glicerina iodada para amolecer, solução 

de álcool iodado como agente anti- séptico e 

ainda associado a um desinfetante fraco [11]. 

A auto-hemoterapia atua aumentando a 

imunidade do animal, em contrapartida o ectima 

contagioso se instala quando o animal 

apresenta-se imunossuprimido e em contato 

com o agente, portanto, optou-se por tal 

tratamento a fim de estimular o sistema 

imunológico contra este agente, Servindo como 

tratamento alternativo, visto que não existe 

tratamento especifico e abrindo caminhos para 

novas pesquisas, na área da auto-hemoterapia e 

pequenos ruminantes. 

Referências 

[1] LANGONI, H.; COELHO, K. I. R.; PIMENTEL, M. P.; 

SIQUEIRA, E. R.; 

SPAGO, N. A Ectima contagioso em ovinos na região de 

Botucatu. Hora 

Veterinária, Porto Alegre, n. 84, p.60-62, mar./abr.1995.. 

[2] Barros C.S.L. 2007. Ectima contagioso, p.98-102. In: 

Riet-Correa F., Schild A.L., Lemos R.A.A & Borges J.R. 

(ed.), Doenças de Ruminantes e Eqüinos. Vol.1. Pallotti, 

Santa Maria. 

[3] ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CRIADORES DE 

OVINOS. Ectima contagiosos um perigo para caprinos e 

ovinos. Disponível em 

http://www.aspaco.org.br/(mlte2aqtrkadzk45xodzco55)/artig 

o.aspx?Co d=153. Acesso em 29 abr. 2004. 

[4] Smith M.C. & Shermam D.M. 1994. Goat Medicine. 

Lea and Febiger, Philadelphia, p.535-540. 

[5]Salles M.W.S., Barros C.S.L., Lemos R.A.A. & 

Weiblen R. 1992. Ectima contagioso (Dermatite pustular) 

dos ovinos. Ciência Rural, Santa Maria, 22(3):319-324. 

[6] Pinto Júnior, J. H. ECTIMA CONTAGIOSO DOS 

OVINOS E CAPRINOS: A DOENÇA E SUA VACINA 

maio de 2007 

[Digite texto] 

[Digite texto] 

[7] CORRÊA, OUTUBRINO. Ectima contagioso. In: 

Doenças Infecciosas dos Animais Domésticos. V. 3. São 

Paulo: Livraria Freitas Bastos S. A, 1975, p. 160- 164. 

[8] KLEMPARSKAYA, N.N.; SHALNOVA, G.A.; 

ULANOVA, A.M.; KUZMINA, T.D.; CHUHORV,A.V. 

Immunomodulating effect of autohaemotherapy (a literature 

review). J Hyg Epidemiol Microbiol Immunol, v. 30, n. 3, p. 

331-336, 1986. 

[9] LOBATO, Z.; BIRGEL JR, E. Verrugas atrapalham a 

produção. Produtor Parmalat, n. 37, p. 36-39, mar .2000. 

[Painel]. 

[10] LANCASTER, W.D.; OLSON, C. Animal 

papillomaviruses. Microbiol Reviews, v. 46,n. 2, p. 191-207, 

1982. 

[11]www.medicinaveterinaria.ufba.br/Ectima.doc 

(disponível em 16/09/2009 às 13:45h.) 

Figura 1 seqüência de fotos mostra caprinos com ectima contagioso antes do inicio do tratamento a Figura 2 

seqüência de fotos mostra os caprinos sete dias após o inicio do tratamento e a Figura 3 seqüência de fotos mostra o 

desaparecimento das lesões no décimo quinto dia. 

Olivares Rocha
44 anos
- RJ

[ocultar participação]  [voltar]

Comentários


Quero comentar Total de 1 comentários  -  1 nesta página
[primeira < anterior   Página de 1     próxima >  [última]

 Terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 - 19:51:59 
189.123.84.23

Prezado Olivares 

Muito boas as materias que voce conseguiu. 

Parabens. 

abraços 

Marcelo 

 

Marcelo Fetha (fetha@ibest.com.br)    



envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a lista que contém esta participação]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2017)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org