Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 2.279.687 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 INSTITUTO DA CIÊNCIA http://www.InstituteOfScience.com

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Ver Opinião - Ver Opinião - Participação
3745
Sábado, 20 de março de 2010 - 02:43:53
189.63.220.85

INSTITUTO DA CIÊNCIA 

http://www.InstituteOfScience.com 

 

AUTO-HEMOTERAPIA - O TIRO MÁGICO? 

Stuart Shakman Hale (PhD) 

 

Permitindo o avanço tecnológico: A agulha Hipodérmica 

 

VISTA GERAL, AÇÃO, ABRANGÊNCIA, FREQUÊNCIA 

 

A habilidade do corpo vivo de combater a infecção a própria infecção é verdadeiramente 

mágica. A auto-hemoterapia pode excepcionalmente ajudar o corpo executar esta mágica, 

facilitando a identificação de organismos infectados na corrente sanguínea, e permitindo 

lançar-se de um contra-ataque. 

 

A auto-hemoterapia, referindo-se aqui a re-aplicação imediata intramuscular ou subcutânea 

do próprio sangue, parece abranger uma opção de terapia obrigatória na ausência de outras; 

e pode merecer também substituir outras terapias, que possuem risco frequente da 

experimentação, atualmente na moda. Desde a introdução deste método por Ravaut em 

1913, a auto-hemoterapia foi empregada em uma larga escala de condições de doença. 

 

Centenas de artigos sobre o assunto foram publicados nos jornais médicos de maior 

circulação entre 1920 e 1940, como listados nos vários volumes do Index Medicus 

(geralmente sob a categoria de "terapia do soro (soroterapia)". Adicionalmente, a reaplicação 

subcutânea ou intramuscular do sangue ou de componentes autologous é discutido 

frequentemente na literatura sem a referência específica ao termo "auto-hemoterapia", como 

pode ser notado em um número de exemplos contemporâneos.. 

 

A auto-hemoterapia não é "terapia alternativa". Os numerosos artigos sobre o assunto que 

foram publicados no jornal oficial da Associação Médica Americana, incluindo o endosso de 

um editor de 1938 da aplicação da auto-hemoterapia contra a psoríases e a recomendação 

proposta de seu uso contra outras doenças, a auto-hemoterapia foi proposta também como 

uma medida preventiva. Por exemplo, um relatório de 1935 fala de resultados favoráveis 

contra a hemorragia cerebral e afirma que a auto-hemoterapia é absolutamente indicada 

como tratamento preventivo nos casos de disposição hereditária à pressão de sangue 

elevada (pressão alta). 

 

A açâo benéfica relatada da auto-hemoterapia foi atribuída à presença dos antígenos no 

sangue que estimulam a produção dos anticorpos quando injetados nos tecidos. Esta. 

explanação encontra sustentação no trabalho do Dr. E.C. Rosenow (Fundação Mayo, 1915- 

44), que estabeleceu a presença de um organismo ou de um antígeno causador no sangue 

durante estágios ativos de muitas doenças. Pôde assim, a ação da auto-hemoterapia ser 

comparada àquela de uma vacina autogênica. 

 

As doses intramusculares discutidas geralmente na literatura tendem a cair dentro dos 3 a 

10 centímetros cúbicos da escala. A segurança e a utilidade de uma programação duas 

vezes por semana têm sido demonstradas na literatura histórica, a qual está de acordo com 

administração de duas vezes por semana do antígeno e do anticorpo do Dr. Rosenow para 

doenças crônicas tais como o MS. Como defendido pelo Dr. Rosenow no exemplo do MS, um 

membro responsável da família pode ser instruído para administrar a terapia, que pode ser 

ministrada indefinidamente. Como o Dr. Rosenow enfatizou, a presença contínua de focos 

orais primários, de focos orais assintomáticos não detectados ou de focos secundários 

inacessíveis serviria para assegurar a presença contínua dos patogênicos causadores da 

doença na circulação. Sob tais circunstâncias, nem das vacinas do Dr. Rosenow nem da 

auto-hemoterapia se poderia esperar que efetuassem a eliminação do organismo causador (a 

eliminação pode ser igualada a uma "cura"), daqui a necessidade indicada para a 

continuação da terapia sobre um per íodo de tempo indef inido. 

 

Os atributos da Auto-hemoterapia de segurança, do custo baixo, e da disponibilidade 

imediata sugerem a continuação de sua utilidade potencial contra um espectro grande de 

doenças nas quais um organismo causador seja disseminado através da corrente 

sanguínea, independente da fonte ou da identidade do organismo causador - incluindo os 

organismos causadores da malária, do ebola e da AIDS. Uma forma intramuscular de autohemoterapia, 

como relatado com sucesso contra a malária, tem sido proposta já para a 

AIDS, como uma forma alternativa/experimental nos casos onde um foco inacessível, 

persistente da infecção não existe, a auto-hemoterapia pode certamente ser suficiente para 

efetuar uma cura, e pode nisso se tornar "um tiro mágico". 

 

Enquanto a auto-hemoterapia, como uma entidade distinta gozou de um período bem 

documentado de sua popularidade durante a primeira metade do século XX, ela representa 

também a culminação de uma linha fundamental tecida com a arte, durante no mínimo 

alguns milênios. Práticas tradicionais diversas como o bloodletting, a acupuntura, coining e o 

maxubustion, e o plasmapheresis de moderno-dia, inovações no transplante de medula 

óssea (uso da medula autologous; e uso de bastão de células do sangue no lugar da 

medula), e a algumas auto-transfusões da extensão mesmo - todos envolvem a 

manipulação do próprio sangue ou de seus componentes e a possibilidade que os 

benefícios podem pelo menos em parte ser devido a uma resposta defensiva forçada dentro 

dos tecidos do corpo contra às substâncias prejudiciais na circulação sanguínea. Sob esta 

luz, a auto-hemoterapia pode ser vista como simplesmente a aplicação direta de tal processo, 

feito possível por esse grande avanço tecnológico chamado: agulha hipodérmica. 

 

AUTOHEMOTERAPIA – A PICADA MÁGICA? 

 

Uma Tecnologia Avançada - A Agulha Hipodérmica 

 

Perspectiva, Ação, Escopo, Frequência 

 

A habilidade do corpo humano de combater sozinho as infecções é realmente 

mágica. A autohemoterapia pode ajudar o corpo a realizar essa mágica facilitando ou 

permitindo a identificação de organismos infecciosos na corrente sanguínea e 

desencadeando um contra-ataque. A Autohemoterapia, aqui mencionada, refere-se a uma 

reinjecão subcutânea ou intramuscular, imediata, com o sangue do próprio paciente. 

 

Trata-se de uma terapia opcional na ausência de outras, que pode substituir com sucesso 

outras tentativas terapêuticas (as vezes experimentais e arriscadas) usadas atualmente. 

 

Desde a introdução deste método por Ravaut em 1913, a autohemoterapia tem sido 

usada numa vasta gama de problemas de saúde ou enfermidades. 

 

Desde o começo de 1920 até o ano de 1940 foram publicadas centenas de estudos 

médicos sobre o assunto, conforme listado em algumas publicações médicas; geralmente 

sob o nome de "Terapia de soro". Por outro lado, as reínjeções ou aplicações de sangue no 

próprio indivíduo costumam ser discutidas nas publicações sem referência especifica ao 

termo "Autohemoterapia". 

 

Autohemoterapia não é "Terapia Alternativa". 

 

O jornal da Associação Médica da América falou muito sobre esse assunto, 

incluindo uma aprovação da Autohemoterapia, em 1938, no tratamento contra psoriase, além 

do uso desse processo contra outros tipos de doenças. A Autohemoterapia também foi 

sugerida como uma medida preventiva. 

 

Em 1935, um relatório apontando resultados favoráveis contra a hemorragia 

cerebral (derrame"), garantia que a autohemoterapia era totalmente indicada como prevenção 

em casos com disposição hereditária de pressão alta. 

 

A ação benéfica da hemoterapia (autohemoterapia) é atribuída a presença de antígenos 

no sangue, os quais estimulam a produção de anticorpos quando injetado no tecido. 

 

Este estudo é apoiado no trabalho realizado pelo Dr. E. C. Rosenow (da Fundação 

Mayo, 1915-1944), que estabeleceu a presença de um organismo causador, ou antígeno 

no sangue, durante o estagio ativo de diversas doenças. Desse modo pode-se comparar 

a ação da autohemoterapia com a ação de uma vacina autógena. 

 

As doses intramusculares, discutidas na literatura, costumam ficar dentro da escala 

(faixa) de 3 a 10cc. 

 

A literatura histórica mostra que duas aplicações de hemoterapia semanais 

são o ideal e suficiente, e que esse processo recebe o apoio sugerido pelo Dr. 

Rosenow para o caso de doenças crônicas como o MS. O Dr. Rosenow recomenda, no 

caso de MS, que uma pessoa da própria família seja instruída a administrar a terapia, já 

que o tratamento deverá ser contínuo. Conforme salienta o Dr. Rosenow, a presença 

constante dos focos orais primários, dos focos secundários inacessíveis serviriam para 

assegurar a presença contínua dos patogenos causadores na circulação. 

 

Sob tais circunstâncias, nem as vacinas do Dr. Rosenow, nem a autohemoterapia 

poderiam eliminar o organismo causador cuja eliminação poderia ser considerada a uma 

"cura"; portanto, a necessidade de continuar a terapia por um período de tempo 

indefinido. 

 

As características de segurança, baixo custo e eficácia imediata da 

autohemoterapia, indicam sua grande utilidade contra um espectro enorme de doenças, 

onde o organismo invasor ou causador se dissemina através do sangue, sem levar em 

conta ou independentemente da origem ou da identidade do organismo causador, incluindo 

malária, ebola e aids (Foi indicada a aplicação intramuscular, de autohemoterapia, 

conforme resultados obtidos, favoravelmente, contra a malária e a Aids, como forma 

alternativa). Embora a autohemoterapia tenha sido bem documentada e popularizada durante 

a primeira metade do século 20, ela também representa o ponto alto de um elo 

fundamental na arte da cura durante alguns milénios. Praticas tradicionais como sangria, 

acupuntura,e o moderno transplante de medula óssea (uso de medula autologa e uso de 

células tronco do sangue em lugar de medula) e em certos casos até autotransfusões; 

todos ou tudo envolve a manipulação do sangue do próprio indivíduo, ou 

componentes de sangue, e a possibilidade de que tais benefícios, em parte, possam ser 

devidos a uma resposta defensiva forçada dentro dos tecidos do corpo humano conta 

substâncias prejudiciais na corrente sanguínea. Em vista disso, a autohemoterapia pode ser 

vista como uma simples aplicação em tal processo, tornando possível através do grande 

avanço tecnológico a agulha hipodérmica. 

 

Obs.: Este texto é uma tradução de um trabalho publicado no INSTITUTE OF SCIENCE - www.instituteOfScience.com 

 

DICIONÁRIOS MÉDICOS 

 

Dicionário. 

Dicionário Médico Parcionik (au-to-he-mo-te-ra-pi-a)s.f [De Auto- 

+gr.haima,sangue=terapeía,tratamento.]Método de tratamento,que consiste na 

reingeção imediata de sangue do próprio indivíduo.Var: Autemoterapia. 

Al.,eigenblut.behandlung; Esp.,Autohemoterapia; Fr.,Authémothérapie; Ingl., 

Autohemoterapy; It., Autoemoterapia. 

Dicionário. 

Dicionário Médico-Blakiston.tratamento de uma doença com o próprio sangue do 

pacient,colhido por punção venosa e reinjetado por via intramuscular. 

Dicionário. 

Dicionário Médico Fortes-Pacheco. Auto-hemoterapia s.f.Cg.Autós haima 

therapeia tratamentos). Método de tratamento que consiste na injeção de sangue do 

próprio paciente. 

Dicionário. 

Dicionário Terminológico de ciências. Método=Salvat Edtores,S.a. F.inyección ai 

paciente de su propia sangre en el tratamiento de diversas enfermidades infecciosas. 

Dermatosis Y Estados Alergicos. 

Dicionário. 

Dicionário de ciências Médicas Dorland. Autohemoterapia (Auto-=hemoterpia). F. 

Tratamento por dministracíon de Ia propia sangre del paciente. 

Dicionário. 

Dicionário de termos técnicos de medicina Garnier Delamare. Autohemoterapia, 

S.f.(P. Ravaut,1913) ou Auti-hemoterapia/S.F.(F.Ramondd<1911). Modo de tratamento 

utlizado principalmente nos Estados Alérgicos. Conciste em ingetar sob a pele ou, de 

preferência, na espessura dos músculos,20 a 25 ml recem-colhido de uma veia do doente, 

sem submetê-lo a preparo algum. 

Dicionário. 

Stendmon's Medicai dictionary 22 Au'tohemother'apy. treatment of disease by the 

withdrawal and reinjection of the pacient's own blood. 

Dicionário. 

Em 1941 o Dr. Leopoldo Cea, no Dicionário de Términos Y Expressiones 

Hematológica, pg 37, cita: auto-hemoterapia, método de tratamento que consiste em 

injetar a um indivíduo cierta cantidad de sangre total (suero Y glóbules) tomada de este 

mismo indivíduo. H. DOUSSET - AUTO-HEMOTERAPIA - Técnicas indispensáveis. É 

útil em certos casos para dessensibilizações - 1941. Stedman - Dicionário Médico - 25* 

edição -1976 - pág 129 - Auto-hemotherapy - auto-hemoterapia - tratamento da doença 

pela retirada e reinjeção do sangue do próprio paciente. 1977 -Index Clínico - Alain 

Blacove Belair - auto-hemoterapia - terapêutica de dessensibilização-não específica. 

 

 

INSTITUTE OF SCIENCE 

 

www.InstituteOfScience.com 

 

AUTOHEMOTHERAPY - THE MAGIC SHOT? 

 

Stuart Hale Shakman (PhD) 

 

Enabling technological advance: The Hypodermic Needle 

 

OVERVIEW, ACTION, SCOPE, FREQUENCY 

 

The ability of the living body to combat infection is itself truly magical. Autohemotherapy 

may uniquely help the body perform this magic, by facilitating the identification of infective 

organisms in the bloodstream, and enabling the launching of a counterattack. 

 

Autohemotherapy, referring here to the immediate intramuscular or subcutaneous 

reinjection of one's own blood, appears to comprise a compelling therapy option in the 

absence of others, one that may also merit replacing other (experimental and often risky) 

attempts at therapy currently in vogue. Since the introduction of this method by Ravaut in 

1913 [*1], autohemotherapy has been employed in a wide range of disease conditions. 

 

Several hundred articles on the subject have been published in mainstream medical 

journals mostly from the early 1920s through the early 1940s, as listed in the various Index 

Medicus volumes (generally under the subject category "serum therapy"). Additionally, the 

subcutaneous or intramuscular reinjection of autologous blood or components is often 

discussed in the literature without specific reference to the term "autohemotherapy", as may 

be noted in a number of contemporary examples [*2]. 

 

Autohemotherapy is not "alternative therapy". Numerous items on the subject which have 

been published in the authoritative Journal of the American Medical Association, including a 

1938 editor's endorsement of autohemotherapy against psoriasis [*3] and referral to its use 

against other diseases [*4], Autohemotherapy has also been proposed as a preventive 

measure. For example, a 1935 report of favorable results against cerebral hemorrhage 

asserted that autohemotherapy is absolutely indicated as preventive treatment in cases of 

established hereditary disposition to high blood pressure. [*5] 

 

The reported beneficial action of autohemotherapy has been attributed to the presence of 

antigens in the blood [*6] which stimulate the production of antibodies when injected into the 

tissues. This explanation finds support in the work of Dr. E. C. Rosenow (Mayo Foundation, 

1915-44), which established the presence of a causative organism or antigen in the blood 

[*7] during active stages of many diseases. Thus might the action of autohemotherapy be 

likened to that of an autogenous vaccine. 

Intramuscular doses commonly discussed in the literature tend to fall within the 3 to 10 cc 

range. The safety and utility of a twice-weekly schedule has been demonstrated in the 

historical literature [*8], which schedule is in concert with Dr. Rosenow's twice-weekly 

administration of antigen and antibody for chronic diseases such as MS. As advocated by 

Dr. Rosenow in the case of MS, a responsible family member might be instructed in 

administering the therapy, insofar as it may have to be continued indefinitely. As Dr. 

Rosenow has emphasized, the continued presence of primary oral foci, undetected 

symptomless oral foci or inaccessible secondary foci would serve to ensure the continued 

presence of causative pathogens in the circulation. Under such circumstances, neither the 

vaccines of Dr. Rosenow nor autohemotherapy would be expected to effect elimination of 

the causative organism (which elimination might be equated to a "cure"), hence the 

indicated need for the continuation of therapy over an indefinite period of time. 

 

Autohemotherapy's attributes of safety, low cost, and immediate availability suggest 

continuing potential utility against a broad spectrum of diseases in which a causative 

organism disseminates through the bloodstream, regardless of the source or identity of the 

causative organism - including the likes of malaria, ebola and AIDS. (An intramuscular form 

of autohemotherapy, as reportedly successfully used against malaria, has been already 

been proposed for AIDS [*9], as has an experimental alternate form [*10]) In cases where 

an inaccessible, persistent focus of infection does not exist, autohemotherapy may indeed 

be sufficient to effect a cure, and might therein comprise a "magic shot". 

 

While autohemotherapy as a distinct entity enjoyed a well documented period of popularity 

during the first half of the 20th century, it also represents the culmination of a fundamental 

thread weaving through the healing arts for at least a few millenia. Such diverse traditional 

practices as bloodletting, acupuncture, coining and maxubustion, and modern-day 

plasmapheresis, innovations in bone marrow transplantation (use of autologous marrow; 

and use of stem cells from blood in place of marrow), and to some extent even 

autotransfusions - all involve the manipulation of one's own blood or blood-components and 

the possibility that benefits may at least in part be due to a forced defensive response within 

the body's tissues against harmful substances in the circulating blood. In this light, 

autohemotherapy may be viewed as simply the direct application of such a process, made 

possible by that grand technological advance the hypodermic needle. 

 

The Autohemotherapy Reference Manual is now avalible through IOS BOOKS 

 

 

Marcelo Fetha (fetha@ibest.com.br)    

[ocultar participação]  [voltar]

Comentários


Quero comentar Total de 4 comentários  -  4 nesta página
[primeira < anterior   Página de 1     próxima >  [última]

 Segunda-feira, 22 de março de 2010 - 14:33:55 
201.67.40.226

Alo amigo 

 

Procurar relatos sobre obesidade é procurar agulha no palheiro. Estou queimando os ultimos neuronios que resta, ñ encontrei link sobre isso. Os relatos estão isolados já li varios , mas onde?  

Te peço ñ esquenta a sua cabeça c/ isso ñ. 

 

Outra coisa não existe anonimo aqui {ips}  ... (total de 301 caracteres)

anonimo    

 Domingo, 21 de março de 2010 - 21:02:58 
189.123.86.127

Querida amiga Diva 

Quando voce ver o porque ando meio "devagar" nas mensagens e emails, e o que estou fazendo, voce entenderá porque. 

Sera um chute no ... "joelho" dos contras. 

abraço do amigo 

Marcelo 

Marcelo Fetha (fetha@ibest.com.br)    

 Domingo, 21 de março de 2010 - 19:50:29 
201.67.40.226

OI 

Falo pela Aht. estamos com saudades de tudo que fazias aqui. 

d . g    

 Sábado, 20 de março de 2010 - 02:52:23 
189.63.220.85

Associação Brasileira de Medicina Complementar 

 

Nosso principal objetivo é elaborar " PROTOCOLOS DE CONSENSO " das estratégias 

terapêuticas, com a finalidade de " REGULAMENTAÇÃO " no Conselho Federal de 

Medicina ou nos Conselhos de Classe Competentes. 

 

Infecção Focal : uma das causas  ... (total de 37307 caracteres)

Marcelo Fetha (fetha@ibest.com.br)    



envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a lista que contém esta participação]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2017)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org