Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 2.286.752 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 ECTIMA CONTAGIOSO (BOQUEIRA) ( --- solução de iodo ou a

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Ver Opinião - Ver Opinião - Participação
4280
Sexta-feira, 16 de julho de 2010 - 11:11:17
189.63.209.188

ECTIMA CONTAGIOSO (BOQUEIRA) 

 

( --- solução de iodo ou a auto-hemoterapia também se revelaram eficazes no tratamento da doença.--) 

 

É uma zoonose causada por vírus, que ocasiona lesões (bolhas que se rompem e formam crostas), principalmente nos cantos dos lábios. Nos casos mais graves, a infecção se estende até gengivas, narinas, olhos, úbere, língua, vulva, região perianal e cascos. As lesões na língua, no esôfago e no rúmen são normalmente devidas à infecção secundária. Os cordeiros em idade de amamentação são fortemente afetados e suas mães podem ter verrugas nas tetas e nas partes vizinhas ao úbere. Essa doença pode levar à morte, em conseqüência de dificul¬dades de alimentação e de problemas decorrentes de infecções secundárias e de bicheiras. A incidência é especialmente alta em cordeiros, entre três e seis meses de idade. Nos animais adultos, a doença geralmente se manifesta por casos de queda de imunidade, causada por outros fatores, como verminose (Haemonchus contortus), ou logo após o transporte por longas distâncias.  

 

O contato direto entre animais ou cordeiros com instalações, pastagens e cochos contaminados é a principal forma de disseminação da enfermidade. Outro fator importante é o agrupamento dos animais. É possível que o vírus se conserve viável de um ano para outro, além de existirem animais portadores, o que favorece o surgimento de surtos. O vírus ser transmitido ao homem, no qual se manifesta na forma de erupção muito irritante na pele.  

 

Logo após o rompimento das vesículas, desenvolve-se a formação das crostas. A recuperação pode ser rápida, caso não ocorram infecções secundárias. A ingestão de saliva com o vírus pode disseminar as lesões para o estômago, para o intestino até para os pulmões, levando o animal ao óbito.  

 

Como medidas preventivas e de controle, aconselha-se isolar durante duas a três semanas os animais adquiridos, fornecer colostro aos filhotes, manter instalações limpas e descontaminadas, separar e tratar os animais doentes e vacinar os demais no início do surto. Se mais de 40 % do rebanho estiver afetado, a vacinação é desnecessária. A vacinação não é recomendada em locais onde a doença ainda não ocorreu. Após a ocorrência de um surto, o rebanho fica naturalmente imunizado, por cerca de seis anos. Atenção especial deve ser dada aos animais em quarentena, para que haja intervenção com presteza no caso do aparecimento da doença em animais recém-adquiridos. No tratamento das lesões, utiliza-se solução de permanganato de potássio a 3 % ou solução de iodo a 10 % acrescido de glicerina, na proporção de uma parte da solução de iodo para uma de glicerina. O ideal é pulverizar as áreas afetadas pelo menos duas vezes ao dia, por sete dias consecutivos, mas a aplicação a cada 48h da solução de iodo ou a auto-hemoterapia também se revelaram eficazes no tratamento da doença. Também é preciso aplicar repelentes de moscas nas bordas das feridas (na pele íntegra), para evitar o aparecimento de bicheira. Nas áreas mais sensíveis, como o úbere, as lesões devem ser tratadas com iodo e glicerina na proporção de 1:3 ou com solução de ácido fênico a 3 % mais glicerina.  

 

Fonte: Principais enfermidades e manejo sanitário de ovinos /Ana Carolina de Souza Chagas e Cecília Jose Veríssimo - Embrapa Pecuária Sudoeste - São Carlos – SP – 2008 

 

http://pontovinos.akinaloja.com.br/loja/info_pages.php?nome=ECTIMA%20CONTAGIOSO%20%28B&osCsid=48e8cabc0704ba08a935f333e5ca17ab 

Marcelo Fetha    

[ocultar participação]  [voltar]

Comentários


Quero comentar Total de 1 comentários  -  1 nesta página
[primeira < anterior   Página de 1     próxima >  [última]

Quarta-feira, 29 de março de 2017 - 21:48:19
 

Nenhum comentário ainda.

 

Webmaster



envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a lista que contém esta participação]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2017)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org