Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 4.015.930 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 Caros, COFEN FERE ÉTICA: ENFERMEIRO NÃO PODE MAIS

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Ver Opinião - Ver Opinião - Participação
2598
Sexta-feira, 10 de julho de 2009 - 22:30:07

Caros,  

 

COFEN FERE ÉTICA: ENFERMEIRO NÃO  

PODE MAIS APLICAR AUTO-HEMOTERAPIA  

 

protocolei na tarde desta sexta-feira (10/07/2009) sob o número PR/2009.045163 no Ministério Público Federal (MPF), o documento abaixo encaminhado à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, em Brasília.  

 

O recurso abaixo referido está, entre outros, no endereço http://www.orientacoesmedicas.com.br/opiniao_integra.asp?cdg=1515&u=1458  

 

E, a denúncia inicial contra a Anvisa e o CFM na Procuradoria da República pode ser lida em:  

 

http://campanhaauto-hemoterapia.blogspot.com/  

 

http://docs.google.com/Doc?id=ddq5qwkp_62fcgmkkfk  

 

http://www.orientacoesmedicas.com.br/opiniao_integra.asp?cdg=1380&u=15  

 

http://www.rnsites.com.br/ style="COLOR: black; BACKGROUND-COLOR: #ffff66">auto-hemoterapia-dena.htm  

 

http://www.geocities.com/autohemoterapiabr/denuncia_de_crime.pdf  

 

À luta, todos.  

 

Ubervalter Coimbra.  

 

 

À  

Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão  

Brasília - DF  

Att: Subprocuradora-Geral da República, Gilda Pereira Carvalho.  

 

COFEN FERE ÉTICA: ENFERMEIRO NÃO  

PODE MAIS APLICAR AUTO-HEMOTERAPIA  

 

 

O cidadão que assina esta denúncia requer a inclusão do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) no rol dos órgãos que afrontam a Constituição Federal ao proibir aos enfermeiros do país aplicar a técnica conhecida como auto-hemoterapia, que aumenta a imunidade em quatro vezes. A afronta à Carta Magna foi denunciada através da ES, protocolo de nº 2008.027700, de 09/12/2008, encaminhado em grau de recurso a esta Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão.  

 

Por tal crime foram denunciados ao MPF a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por sua Técnica nº 01, de 13/04/2007, e o Conselho Federal de Medicina (CFM), por seu Parecer n° 12/07, ambos deletérios aos interesses dos brasileiros, pois impedem o acesso aos benefícios da auto-hemoterapia.  

 

A razão deste requerimento é a mudança de posição do Cofen em relação a auto-hemoterapia. Ao invés de simplesmente não recomendar tal prática, decisão divulgada em 1/4/2007, o Cofen, pela ÇÃO COFEN Nº 346/2009, datada de de maio de 2009, íbe os enfermeiros brasileiros de executar tal prática. A decisão do Cofen é assentada em um gigantesco castelo de desrespeito à Ciência, inclusive a produzida por enfermeiros, e deixa milhões de brasileiros ao desemparo da assistência destes profissionais, colocando muitos pacientes em risco de vida, pois a técnica é vital para muitos. Daí decorre a necessidade da urgente intervenção desta Procuradoria, para reenquadrar o Cofen, bem como a Anvisa e o CFM, na Lei.  

 

Excelentíssima senhora Procuradora Federal: a posição do Cofen em relação ao auto-hemoterapia era a seguinte, como se vê no endereço :  

“Notícias Cofen  

 

Data Publicação: 1/4/2007 | 10:41  

O Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) não recomenda a prática do procedimento de Auto-Hemoterapia pelos profissionais de Enfermagem.Trata-se de um tratamento médico para o qual não há consenso técnico e científico e nem aprovação dos conselhos profissionais da área saúde, em relação aos seus possíveis efeitos benéficos.  

(Este comunicado foi publicado no jornal Correio Braziliense - Distrito Federal, em 31 de março de 2007)”. 

 

 

Ora, tal posição não impedia os enfermeiros que quisessem aplicar a auto-hemoterapia de realizar a providência. E muitos brasileiros foram beneficiados com a decisão de profissionais de enfermagem de cumprir seus deveres para com a saúde de seus pacientes.  

 

Ocorre que, desde 27 de maio de 2009, é outra a postura do Cofen. Vejamos o que está contido em em cofen.gov.br/2007/materias.asp?ArticleID=9371§ionID=34 :  

“RESOLUÇÃO COFEN Nº 346/2009 

 

 

 

“Proíbe a prática da auto-hemoterapia por profissionais de enfermagem”  

 

O Conselho Federal de Enfermagem – COFEN, no uso de suas atribuições legais e regimentais, comandadas pela Lei nº 5.905/1973, e:  

 

CONSIDERANDO o disposto no art. 8º da Lei 5.905/73;  

CONSIDERANDO o disposto no art. 13, V da Resolução COFEN nº 242/00 que outorga competência ao Conselho Federal de Enfermagem para estabelecer diretrizes gerais para disciplinar, normatizar e fiscalizar o exercício profissional e ocupacional na área da Enfermagem;  

CONSIDERANDO as conclusões do Parecer Técnico da Câmara Técnica de Pesquisa de 20/02/2009 que esclarece “que nenhuma diretriz nacional ou internacional inclui a auto-hemoterapia como recurso terapêutico e, por conseguinte, não há estudos confiáveis e com força de evidência científica elevada que indiquem ser a auto-hemoterapia propriamente dita um procedimento efetivo e seguro”;  

CONSIDERANDO que a Nota Técnica ANVISA nº 01 de 13/04/2007 estabelece que “o procedimento ´auto-hemoterapia´ pode ser enquadrado no inciso V, Art. 2º do Decreto 77.052/76, e sua prática constitui infração sanitária, estando sujeita às penalidades previstas no item XXIX, do artigo 10, da Lei nº. 6.437, de 20 de agosto de 1977”.  

CONSIDERANDO a deliberação do Plenário do COFEN, na 373ª ROP;  

CONSIDERANDO tudo o que consta do PAD nº 063/2009;  

 

RESOLVE:  

 

Art. 1º É proibida a prática da auto-hemoterapia por profissionais de enfermagem, em todo o território nacional.  

Parágrafo único – a prática da auto-hemoterapia por parte dos profissionais de enfermagem caracteriza infração ética sujeita às sanções disciplinares, prevista na Resolução COFEN nº 311/2007 (Código de Ética dos profissionais de enfermagem)  

 

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário.  

 

 

Brasília (DF), 27 de maio de 2009. 

 

 

Manoel Carlos Néri da Silva  

COREN-RO n.º 63.592 

 

Presidente  

 

GELSON LUIZ DE ALBUQUERQUE  

 

COREN-SC nº. 25.336 

 

Primeiro-Secretário”.  

 

Ainda em seu site, o Cofen informa em 10/6/2009: “Foi publicada nesta segunda-feira (08/06) no Diário Oficial da União, a resolução COFEN nº 346/2009, que trata de vedação a prática da auto-hemoterapia. O Conselho Federal de Enfermagem, como órgão que disciplina, normatiza e fiscaliza o exercício do profissional de enfermagem, proibiu o exercício da auto-hemoterapia por esses profissionais em todo o país. A prática da auto-hemoterapia caracteriza infração ética sujeita às medidas disciplinares, prevista no Código de Ética dos profissionais de enfermagem.  

 

O Parecer Técnico da Câmara Técnica de Pesquisa de 20/02/2009 esclarece que "nenhuma diretriz nacional ou internacional inclui a auto-hemoterapia como recurso terapêutico e, por conseguinte, não há estudos confiáveis e com força de evidência científica elevada que indiquem ser a auto-hemoterapia propriamente dita um procedimento efetivo e seguro". A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) estabeleceu que "o procedimento 'auto-hemoterapia' pode ser enquadrado no inciso V, Art. 2º do Decreto 77.052/76, e sua prática constitui infração sanitária, estando sujeita às penalidades previstas no item XXIX, do artigo 10, da Lei nº. 6.437, de 20 de agosto de 1977".  

 

A auto-hemoterapia consiste em retirar 5, 10 ou 20 ml de sangue de uma veia e aplicar no músculo, com o intuito de criar mecanismos de defesa do organismo, diminuindo o risco de uma série de doenças.  

 

Segundo o Presidente do COFEN, Manoel Neri, a prática constitui um risco à saúde pública, motivo pelo qual o COFEN editou a norma em comento.” Ver em  

 

Os conselheiros que aprovaram a posição do Cofen, bem como os signatários da medida publicada, os srs. Manoel Carlos Néri da Silva e LUIZ DE ALBUQUERQUE, não se constrangeram em transcrever, literalmente, trecho do Parecer do CFM para atentar contra a saúde dos brasileiros:  

 

Trecho da resolução Cofen: “... CONSIDERANDO as conclusões do Parecer Técnico da Câmara Técnica de Pesquisa de 20/02/2009 que esclarece “que nenhuma diretriz nacional ou internacional inclui a auto-hemoterapia como recurso terapêutico e, por conseguinte, não há estudos confiáveis e com força de evidência científica elevada que indiquem ser a auto-hemoterapia propriamente dita um procedimento efetivo e seguro...”.  

 

Trecho do Parecer CFM: “...“... Assim, não foi possível obter estudos confiáveis e com força de evidência científica elevada que indiquem ser a auto-hemoterapiapropriamente dita um procedimento efetivo e seguro. O que existe em abundância é uma propaganda na Internet em linguagem inadequada à ciência, às vezes vulgar, desprovida de cultura científica, que pretende convencer pela dramaticidade de relatos de casos isolados sobre uma grande variedade de enfermidades e de estudos carentes de metodologia científica.”  

 

O Presidente do COFEN, Manoel Neri, acredita que “a prática constitui um risco à saúde pública, motivo pelo qual o COFEN editou a norma em comento.”, como informa o site do Cofen.  

 

É de se indagar: risco à saúde pública seria produzir a remissão de sintomas ou curar doenças que a alopatia não cura? Pois foi isto que demostrou a pesquisadora, mestre em enfermagem e enfermeira Telma Geovanini, que relata fantástica remissão de sintomas de esclerodermia em conhecida publicação indexada internacional. “A Revista REFERÊNCIA, em sua última edição - II Série nº 9 Março de 2009 publicou artigo da cientista brasileira Telma Geovanini, que é enfermeira, e do médico, também brasileiro, Manoel Mozart Corrêa Norberto sobre auto-hemoterapia. A Revista REFERÊNCIA é da Escola Superior de Enfermagem da Universidade de Coimbra, Portugal. É uma publicação científica indexada em CUIDEN PLUS, LATINDEX, CINALHL e futuramente em SCIELO, com se anuncia”, diz informe sobre a publicação.  

 

No endereço = a cientista publicou: “  

Tratamento da Esclerodermia doença auto imune através da auto-hemoterapia: um estudo de caso clínico  

Treatment of scleroderma autoimmune disease using  

autohaemotherapy: a clinical case study  

Telma Geovanini*  

Manoel Mozart Corrêa Norberto**  

 

 

O tratamento de enfermagem e o follow-up médico, foram realizados através de visitas domiciliares à cliente, e obedeceu previamente a um protocolo de avaliação da rede venosa, complementado com registo fotográfico sistemático e progressivo das lesões. A cliente foi submetida exclusivamente à auto-hemoterapia durante 4 meses e limpeza das feridas com solução isotónica de Cloreto de magnésio a 10%. Como resultado deste tratamento, evidenciamos melhora acentuada do quadro clínico e das lesões, com granulação de 70% das áreas afectadas nos membros inferiores e cicatrização total da lesão mamária, conforme evidências fotográficas.  

.  

...”.  

 

Para assegurar a publicação do artigo a pesquisadora cumpriu requisitos feitos pela revista Referência, entre os quais: “... Integrará produções originais, preferencialmente artigos científicos resultantes de investigação empírica em língua portuguesa, inglesa ou espanhola, reservando no entanto um espaço para recensões teóricas, divulgação de programas ou projectos, fichas técnicas e reflexões críticas que se revelem de interesse pedagógico, científico ou histórico para as ciências de enfermagem;  

 

•  

• Os artigos propostos serão apreciados de forma “cega” pelo Corpo de Peer Reviews, nacional ou internacional, com base em critérios científicos (1 – Clareza e precisão do discurso científico; Problematização e justificação; Adequação do quadro de referência/ fundamentação teórica; Rigor metodológico; Rigor na apresentação e análise de dados; Rigor na discussão de resultados; Rigor das conclusões; Relevância e aplicabilidade dos contributos científicos); ...”  

É ainda a mesma cientista Telma Giovani que, em artigo publicado Publicado no site do Supremo Tribunal Federal, como se vê no endereço , afirma: “EM DEFESA DA LIBERAÇAO DA AUTOHEMOTERAPIA NO BRASIL  

MSc.Enf.Telma Geovanini  

A Auto hemoterapia - AHT é uma técnica bastante antiga. Em 1911 F.  

Ravaut descreveu seu emprego em diversas doenças infecciosas,  

especialmente na febre tifóide e nas dermatoses. Era também usada em casos  

de asma, urticária e estados anafiláticos. TEIXEIRA (1940); REIMANN (1990);  

SHKMANN (1992).  

A AHT é uma terapia complementar de baixo custo, que consiste em  

coletar certo volume de sangue de uma veia periférica do próprio paciente,  

comumente da prega do cotovelo e aplicá-lo imediatamente em seu músculo  

(deltóide, ventroglúteo ou dorsoglúteo), sem nada acrescentar ao sangue. Este  

procedimento estimula o Sistema Retículo Endotelial, quadruplicando o  

percentual de macrófagos em todo organismo, conforme preconizado por  

Teixeira (1940), ao comprovar que o Sistema Retículo Endotelial (SRE) era  

ativado pela AHT em seu estudo publicado e premiado na Revista Brasil -  

Cirúrgico, em março de 1940. Jesse Teixeira provocou a formação de uma  

bolha na coxa de pacientes, com cantárida, substância irritante. Fez a  

contagem dos macrófagos antes da autohemoterapia, a cifra foi de 5%. Após a  

autohemoterapia a cifra subiu a partir da 1ª hora chegando após 8 horas a  

22%. Manteve-se em 22% durante 5 dias e finalmente declinou para 5% no 7º  

dia após a aplicação. METTENLEITTER (1936).  

“Antes da aplicação do sangue, em média a contagem dos  

macrófagos gira em torno de 5% .Após a aplicação a taxa sobe e ao  

fim de 8 horas chega a 22%. Durante 5 dias permanece entre 20 e  

22% para voltar aos 5% ao fim de 7 dias a partir a aplicação da auto  

hemoterapia. A volta aos 5% ocorre quando não há sangue no  

músculo.” TEIXEIRA, 1940. – Gráfico 01.  

GRÁFICO 1. Variação da taxa de macrófagos após aplicação da AHT  

Fonte: SALOMÃO. S. M. C. e GEOVANINI, T. Autohemoterapia: Relatos de Casos  

Clínicos. Monografia. Enfermagem – Faculdade de Ciencias da Saude,Juiz de Fora - MG,  

2006; 95p.  

Em seu estudo, o Dr. Jesse Teixeira concluiu que:  

“As complicações infecciosas - não surgiram em nossos 150  

casos. Em vários dos numerosos casos em que deixamos de fazer a  

autohemotransfusão, a título de contraprova, as complicações  

infecciosas apareceram, sendo tratadas pela autohemotransfusão  

curativa em altas doses (40 a 80 cc.)”. TEIXEIRA,(1940; pg 13).  

Em 1936, Michael Mettenleitte, cirurgião do Pós-Graduate Hospital, de  

Nova York, assinou o artigo citado pelo Dr. Jesse Teixeira e publicado no "The  

American Journal of Surgery" (May, 1936 - pág.321), intitulado  

"Autohemotransfusion in Preventing Postoperative Lung Complications". Onde  

relata:  

“A administração intramuscular de 20 c.c. de sangue autógeno, após  

cirurgias, tem efeito estimulante sobre o sistema retículo- endotelial,  

0%  

5%  

10%  

15%  

20%  

25%  

1 º Dia 2º Dia 3 º Dia 4 º Dia 5 º Dia 6 º Dia 7 º Dia 8 º Dia  

bem como sobre o sistema simpático, que aumenta a atividade e  

resistência dos tecidos”.  

E afirma:  

“Este método não é perigoso. Estes procedimentos vem sendo usados  

em 300 casos, com bons resultados na prevenção de complicações  

pulmonares pós-operatórias, com evidente redução de embolismo pósoperatório.  

Os resultados foram encorajadores na pneumonia pósoperatória,  

furunculoses, bronquites, enfisemas e urticárias”...  

 

No seu artigo, como uma visionária que antecipasse a decisão do Cofen, Telma Giovanini alerta: “...No Brasil, a ausência de protocolos e políticas de saúde relacionadas ao uso da autohemoterapia levou à banalização da prática, aumentando os riscos relacionados ao procedimento de punções venosas e injeções intramusculares, como: lesões de nervos e vasos, necrose tecidual,  

hematomas e flebites.  

Embora proibida pelas autoridades sanitárias e Conselhos de  

Classe, sob alegação de falta de evidências científicas, a prática da AHT se  

popularizou, criando uma demanda reprimida, que continua fazendo uso da  

terapia, sem nenhum acompanhamento e controle pelos órgãos competentes.  

Como resultado dessa prática incontrolável, evidencia-se a real possibilidade  

de prejuízos para os pacientes, que por não quererem abrir mão da terapia,  

se submetem à aplicação da mesma de forma clandestina, realizada por  

pessoas sem preparo específico.  

Diante do exposto, eu Telma Geovanini, mestre em enfermagem,  

Coordenadora e Docente da Faculdade de Enfermagem da UNIPAC de Juiz  

de Fora , venho solicitar a esse Forum, a liberação da Autohemoterapia para  

o bem da população brasileira.  

Juiz de Fora, 17 de abril de 2009  

Prof.Telma Geovanini”.  

 

Ao pé desta denúncia, transcrevo as publicações que a pesquisadora Telma Giovanini cita para embasar sua opinião.  

 

Telma Giovanini não é uma enfermeira solitária na defesa da auto-hemoterapia. Também em texto brilhante e igualmente publicado no site do Supremo Tribunal Federal (veja em http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/processoAudienciaPublicaSaude/anexo/AutoHemoterapia.pdf) outra grande pesquisadora da técnica, a enfermeira IDA ZASLAVSKY, afirma: “... Como cidadã brasileira, estudiosa e pesquisadora, usuária e enfermeira, venho lhes apresentar informações que podem ajudar no conhecimento da existência de um recurso imunológico eficaz e de benefícios de saúde que faço uso há 16 anos para mim e minha família, bem como ofereço a outras pessoas em forma de tratamento. ...”.  

 

IDA ZASLAVSKYsegue seu raciocínio: “... Há aproximadamente 16 anos, acompanho e participo da grande massa de cidadãos brasileiros que, por todo o País, usam e defendem a liberação dessa terapêutica pelos órgãos de saúde, para que a mesma possa ser indicada por médicos, aplicada por enfermeiros, farmacêuticos e outros técnicos em saúde, principalmente no SUS, sem qualquer tipo de constrangimento, inibição, restrição ou ameaça por parte de Conselhos Profissionais e da  

ANVISA. Tem, também, convicção de que não há razões éticas, técnicas ou legais para  

sustentar a proibição da mesma, mantendo-a na clandestinidade, uma vez que continua  

sendo usada por milhares de pessoas, em todas as regiões do País. ...”.  

 

Assinala ainda que “... Há mais de 100 anos esse tratamento é realizado em diversos países com a efetiva ocorrência de benefícios de saúde e comprovadamente com 0% de existência de efeito colateral, risco de infecções oportunistas pela aplicação, não apresenta contra-indicação e pode ser usado nos setores primários (promoção e prevenção), secundários e terciários de saúde.”.  

 

Para defender: “...ões  

Considerando o exposto, concluímos que são urgentes a avaliação e autorização desta  

Terapêutica no Sistema Único de Saúde:  

• Seja decidido pela permissão do uso da hemoterapia pessoas que  

desejarem e autorizem aos profissionais de saúde realizar o procedimento,  

tendo em vista que não se encontra nenhum registro de danos provocados à  

saúde das pessoas em decorrência do seu uso.  

• Seja recomendado o estímulo às pesquisas na área de saúde, para comprovar a  

eficácia desse procedimento, que vem combatendo inúmeras enfermidades há  

mais de cem anos.  

• Nada consta que impeça o Enfermeiro de aplicar a Auto-hemoterapia.  

• O Enfermeiro deve avaliar a sua competência técnica, científica e ética e  

somente realizar as atividades relacionadas à Auto-hemoterapia quando for  

capaz de desempenho seguro para si e para as clientes.  

Essas são, inicialmente, considerações que ofereço a esta Audiência Pública de Saúde no STF,  

para que se faça Justiça aos brasileiros, para que as autoridades liberem a aplicação da auto-  

hemoterapia onde houver necessidade comprovada por profissional de saúde e/ou pedido do  

paciente. Que se possam realizar pesquisas com maior liberdade, formando assim, um  

protocolo mais seguro para realização do tratamento, ou outras possibilidades de contato mais  

esclarecedor com essa terapia, ou seja, campos de discussões, palestras, debates entre  

profissionais de saúde, apresentação de casos e relatos existentes, entre outros.  

Agradeço o cuidado e atenção.  

Que Deus ilumine seus caminhos.  

IDA ZASLAVSKY  

ENFERMEIRA (COREN-SC 47446)”.  

 

Onde existem enfermeiros que estudam ciência, há defesa da auto-hemoterapia.  

“PARECER COREN-DF Nº 011/2006  

 

Trata sobre: “Enfermeiro é respaldado ética e legalmente para fazer o tratamento de auto-hemoterapia”.  

Sra. Thábata Pereira Gomes de Souza, COREN-DF Nº 1136-IP, Estudante de Enfermagem.  

que não existe legislação que proíbe o profissional de Enfermagem realizar o procedimento.  

que não existe contra indicação, pois o sangue utilizado é do próprio paciente, sendo compatível com o mesmo.  

que é um recurso terapêutico de baixo custo, pois consiste em retirar o sangue da veia do paciente e aplicá-lo em seu próprio músculo.  

que a quantidade varia de 5ml a 20ml dependendo da gravidade da doença a ser tratada.  

: O sangue (tecido orgânico), em contato com o músculo (tecido extra-vascular), desencadeia uma rejeição, e isso estimula o sistema retículo endotelial. A medula óssea produz monócitos que se dirigem aos tecidos orgânicos, onde recebem o nome de macrófagos. Estes se quadriplicam em todo o organismo, ajudando no tratamento da enfermidade.  

o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem que versa:  

Capítulo III  

Das Responsabilidades  

– Assegurar ao cliente uma Assistência de Enfermagem livre de danos decorrentes de imperícia, negligência ou imprudência.  

– Avaliar criteriosamente suas competências técnica e legal e somente aceitar encargos ou atribuições, quando capaz de desempenho seguro para si e para a clientela.  

Somos de parecer que não há impedimento legal para que os Enfermeiros realizem o procedimento, desde que tenham feito treinamento apropriado e o procedimento seja prescrito pelo médico, entretanto isto não deve ser considerado uma atribuição privativa dos mesmos.  

Brasília, 04 de dezembro de 2006.  

Drª Geralda Christina Lins de Oliveira  

COREN-DF nº 24155  

Conselheira”. Este parecer está publicado em http://www.coren-df.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=329:PARECER%20COREN-DF%20Nº%20011/2006%20&catid=38:pareceres&Itemid=73  

 

Para verificar o desespero de um sem número de pessoas que necessitam da auto-hemoterapia para aliviar suas dores, e não encontra médicos ou enfermeiros que os assistam, basta visitar os fóruns de discussão http://inforum.insite.com.br/39550/ e http://www.orientacoesmedicas.com.br/ver_opiniao.htm .  

Em outros documentos listados na defesa da liberação da auto-hemoterapia, este cidadão que denuncia agora a arbitrariedade e a irresponsabilidade do Cofen, como fez com as lamentáveis posições da Anvisa e do CFM, lista um sem número de publicações científicas que dão clareza que a técnica é benéfica à saúde das pessoas, e que não há registro de efeitos prejudiciais com as aplicações realizadas nestes 110 anos de seu emprego em todo o mundo.  

 

Sra. Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão: o Cofen diz em trecho dos “considerandos” da Resolução que “... não há estudos confiáveis e com força de evidência científica elevada que indiquem ser a auto-hemoterapia propriamente dita um procedimento efetivo e seguro...”. Ignoram tais conselheiros que são auto-hemoterapia várias técnicas mais que consagradas nos meios médicos?  

 

A conclusão é leviana, pois para a “auto-hemoterapia” que chamam de “propriamente dita”, o próprio CFM já admitia existir: "... Pesquisa sobre autohemotherapy em base de dados MEDLINE/PubMed (National Library of Medicine), em 20 de julho de 2007, indicou 91 publicações de 1950 até a atualidade (ver anexo 1). As mais recentes versam sobre auto-hemoterapia com ozônio, sendo a mais atual a de Biedunkiewicz, Lizakowski, Tylicki et al. (2006). As indicações mais antigas, referentes à auto-hemoterapia 'clássica' ou "propriamente dita", como neste parecer se convencionou chamar, datam de 1950 (Mariotti; Reddick; Fruhauf; Haferkamp; Serane; Rojas), dos quais nem abstracts podem ser obtidos. Há referências leigas obtidas na Web de publicações mais antigas, sem que se possam obtê-las. Essas publicações mais antigas referidas nesses sites datam do início do século XX. No entanto, foram coletadas cinco referências de publicações da década de 1930, via Archives of Medical Research [http://www.sciencedirect.com/ science/journal/01884409]: os artigos, três deles datando de 1935, um de 1934 e um de 1932, se referem ao uso da auto-hemoterapia em estados alérgicos (asma, anafilaxia e urticária). ...".  

 

Não houvesse preguiça e irresponsabilidade dos conselheiros do Cofen antes de editar sua Resolução que atenta contra os brasileiros, eles teriam descoberto o que já foi citado pelo dr. Alex Botsaris sobre a questão do quantitativo e qualitativo de textos médicos sobre a auto-hemoterapia. Diz o médico: "... Não é verdade que essa terapêutica não tenha nenhum fundamento, nem que não haja nenhum trabalho publicado sobre ela na literatura mundial ou nacional, como afirma a SBHH". Que segue: "Na base de dados Pubmed, do NIH (Instutito Nacional de Saúde americano), considerada a maior base de dados médicos do mundo, existem cerca de 106 estudos científicos publicados sobre auto-hemoterapia, a maioria sendo clínicos." Estas afirmações estão no endereço  

 

A miopia da Anvisa e do CFM, e agora do Cofen, afastou os brasileiros dos benefícios do uso da auto-hemoterapia com orientação dos profissionais de saúde. Milhões estão prejudicados, e os órgãos, irredutíveis, mesmo quando são obrigados a se desdizer, como o CFM, no caso da técnica. Como se lê editorial do seu jornal: "Nota de esclarecimento  

Em face de falha na redação do artigo "Auto-hemoterapia não tem eficácia comprovada" no Jornal Medicina (XXII, 167, DEZ/2007, p.11), esclarecemos que o procedimento terapêutico denominado "tampão sangüíneo peridural" é cientificamente amparado por relevante literatura médica e remetemos o leitor ao texto que trata dessa matéria no Parecer CFM 12/07." O texto citado acima está na página do editorial do endereço  

 

Ora, Tampão Sanguíneo Peridural é apenas uma das formas, além da auto-hemoterapia clássica a que se refere o dr. Luiz Moura, o grande divulgador da técnica no Brasil.  

 

Ora, sra. Procuradora, os conselheiros do Cofen ao afirmar que “... ão há estudos confiáveis e com força de evidência científica elevada que indiquem ser a auto-hemoterapia propriamente dita um procedimento efetivo e seguro...” ignoram ainda que, além do Tampão Sanguíneo Peridural, existem várias outras técnicas igualmente auto-hemoterapia.  

 

Entre estas, a Ozonioterapia, como se vê em : "As aplicações de ozonioterapia são determinadas por suas propriedades antiinflamatórias, antisépticas, de modulação do estresse oxidativo, da melhora da circulação periférica e da oxigenação..." e, ainda, "... Vias de administração Sistêmicas  

- Grande Auto-Hemoterapia (Major)  

- Insuflação Retal  

- Pequena Auto-Hemoterapia (Minor)  

- Solução salina ozonizada".  

 

E ainda: "A Ozonioterapia é reconhecida pelo Ministério da Saúde na Alemanha, Itália e em outros 16 países. Cuba conta com 39 Centros Clínicos de Ozonioterapia e na Rússia é utilizada em todos os Hospitais Governamentais.  

 

Atualmente aproximadamente 10.000 médicos utilizam este método na Europa".  

Em  

 

Outra forma de aplicação da auto-hemoterapia é feita pela Homeopatia. No endereço http://www.escoladehomeopatia.org.br/ lê-se em uma de suas páginas:  

"Licínio Cardoso (RJ)  

Em 1923 cria a isopatia sanguínea ou auto-hemoterapia por via "im" ou "ev" "."  

 

Veja depoimento de uma qualificada paciente, profissional de saúde: "Data: 04/07/2008 11:35:51  

De: Natália Couto Paes Barreto  

IP: 200.152.34.94  

Assunto: Re: Para o sr. Robert N. Johansson: sobre auto-hemo, homeopatia e Justiça  

 

Sou médica e portadora de uma doença renal crônica (GESF- glomeruloesclerosefocal). Tenho proteinúria de cerca de 2.5 gramas, que só foi reduzida com o uso de corticóides (para 500 mg.). Hoje,não tenho mais indicação de corticoterapia, pelo grau da doença, já mais avançado e a outra droga experimentada (MMF- micofenolato de mofetil) não obteve nenhuma resposta para baixar a minha proteinúria. Daí,a minha médica de acupuntura resolveu tentar o tratamento com o auto-isoterápico de sangue e o resultado foi surpreendente, a minha proteinúria já reduziu para 1.0g (nunca conseguido antes, a não ser com corticoterapia) até a diluição de 30. Atualmente estou usando diluição de 60 e aguardo novos exames para ver como estão as minhas taxas." Depoimento no endereço .  

 

Há, também, o "Plasma Rico em Plaquetas (PRP) que, como se vê na Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, vol.33 no.1 Rio de Janeiro Jan./Feb. 2006, "tem sido bastante estudado na área de odontologia, sendo empregado principalmente em pequenos enxertos ósseos na região alveolar para futuros implantes dentários e em cirurgias periodontais e maxilo-faciais1-5. Sua utilização em medicina ainda é pequena, porém os estudos existentes sobre este produto mostram um grande potencial de melhorar os resultados em diversos procedimentos ortopédicos, neurocirúrgicos e de cirurgia plástica6-12. O PRP é uma concentração autóloga de plaquetas em um pequeno volume de plasma, com a conseqüente presença de fatores de crescimento (FC) liberados por estas plaquetas, além de proteínas osteocondutoras, que também servem de matriz para migração epitelial e formação óssea e de tecido conectivo3,7,13,14. ...". O texto completo está em  

 

Há, ainda, a auto-hemoterapia a partir do método criado pelo dr. Jorge Gonzalez. No site da Associação Mexicana para o Diagnóstico e Tratamento das Doenças Autoimunes, é informado:  

"Bienvenido  

 

Nuestra asociacion fue fundada y registrada en el ano de 1999 con el objetivo fundamental de, por un lado dar a conocer y aplicar el resultado de las investigaciones que en el campo de la fisiologia celular ha logrado el Dr. Jorge Gonzalez Ramirez , y por el otro lado fomentar el intercambio de experiencias entre los mismos miembros (actualmente aproximadamente 70 en la Republica Mexicana, mas los ubicados en Argentina y España). ...  

 

Ao clicar na barra autohemoterapia lê-se: "AUTOHEMOTERAPIA  

La referencia en espanol mas remota que describe lo que es la autohemoterapia, se encuentra en la Terapia Biológica de Gaston Lyon en el a&1089;o de 1938. En donde cita: "la autohemoterapia consiste en obtener de una vena cierta cantidad de sangre y reinyectarla inmediatamente en el tejido muscular o subcutâneo. Por la corta duración;n de tiempo que transcurre entre estas dos operaciones, no hay porque preocuparse por una coagulación; n posible de la sangre.  

 

Las dosis de sangre que se inyectan cuando se recurre a la autohemoterapia, varian; an de 2 a 10 c.c., en el lactante de 1 a 2 c.c. No hay ventaja alguna en inyectar dosis mayores, el efecto util se obtiene con las pequenas dosis ya indicadas.  

Los hallazgos "in vitro" del investigador danйs y premio nobel en 1984 Niels K. Jerne, establecieron, sin querer, bases cientнficas para el desarrollo de la autohemoterapia, al encontrar que en ciertas condiciones el sistema inmune se vuelve contra el cuerpo al que deberнa defender, formando auto-anticuerpos que atacan al propio organismo causando las llamadas enfermedades autoinmunes. Su teorнa de la Red explica cуmo una enfermedad autoinmune puede ser tratada exitosamente con anti-anticuerpos. ..." O endereço do texto é  

 

Como se nota, até em Pediatria pode ser feito o uso seguro da auto-hemoterapia. De se registrar que o dr. Dr. Jorge Gonzalez Ramirez e seus seguidores seguem o seguinte "MÉTODO  

Para preparar a autovacina, se obtem 5ml de sangue venoso e se coloca em um frasco de 100ml, com somente 50ml de solução salina especial para cultivode tecido dos laboratórios IN Vitro. Uma vez que o sangue é posto no frasco, se agita violentamente de pólo a pólo durante 30 minutos, ao final dos quais se coloca em refrigeração a 4°C. Depois de 24 horas se inicia o tratamento, o frasco deve ser agitado ligeiramente para homogeneizar seu conteúdo.  

 

Uma vez criada a vacina se extrai 1ml da suspensão do frasco com uma seringa de insulina e se aquece ligeiramente. Posteriormente se injeta no paciente subcutaneamente, de preferência em seu abdômen. Essa injeção deverá ser aplicada diariamente durante 1 ano. Em nossa experiência se preparam frascos de autovacina a medida que se dava o tratamento".  

 

A falácia da Anvisa e do CFM, e agora do Cofen, de que não existem estudos científicos sobre auto-hemoterapia caiu por terra há bastante tempo. No dia 30 de outubro de 2008, o Google passa a disponibilizar em , um grande número de livros produzidos em todo o mundo. Os defensores do dr. Luiz Moura - médico aviltado pelo seu conselho de classe por divulgar a técnica - e, da auto-hemoterapia, comemoram.  

 

Afirmam que os detratores do médico e críticos da técnica nunca mais poderão dizer que não há pesquisas sobre a auto-hemoterapia, procedimento tão importante para prevenção da doença e recuperação da saúde de milhões de pessoas em todo o mundo.  

 

Em 09/07/2009, pesquisas sobre a técnica em seis idiomas no novo sistema de busca do Google apontam os seguintes quantitativos de livros médicos:  

276 sobre auto-hemoterapia, em português;  

643 sobre autohemoterapia, em espanhol;  

624 sobre auto-hémothérapie, em francês;  

653 sobre autohemotherapy, em inglês;  

994 sobre eigenbluttherapie, em alemão;  

470 sobre autoemoterapia, em italiano.  

3.660 - livros no total .  

 

Ao espancarem a verdade sobre a segurança e eficácia da auto-hemoterapia, a Anvisa, o CFM e o Cofen tripudiam sobre a própria Ciência brasileira. Pois o cientista brasileiro dr. Jésse Teixeira publicou o resultado de suas pesquisas sobre auto-hemoterapia na "Revista Brasil-Cirúrgico Orgão oficial da Sociedade Médico-Cirúrgica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro  

Março de 1940 - Volume II. Uma das fontes virtuais do artigo é  

 

 

Também afrontam a Ciência Mundial. Michael W. Mettenletter relatou suas pesquisas em artigo publicado no "The American Journal of Surgery" (May, 1936 - pág. 321). Fez o trabalho no Pós-Graduate Hospital, de Nova York. Ver no endereço http://docs.google.com/Doc?id=dgmpc7nr_4f2d96z  

 

Aqui citados apenas dois de um sem número de pesquisadores que apontam segurança e eficácia para a técnica. No total, 450 casos de tratamentos com auto-hemoterapia foram pesquisados pelos médicos Jésse Teixeira e Michael W. Mettenletter.  

 

Quantos medicamentos não têm de ser recolhidos pela Anvisa por efeitos colaterais não observados, que causam até mesmo mortes de usuários? E é sabido que muitos laboratórios farmacêuticos compram estudos de segurança e eficácia de seus novos produtos de cientistas inescrupulosos.  

 

Existem só antigos os experimentos antigos sobre a auto-hemoterapia? Não! Se o Cofen aprofundasse suas pesquisas veria que milhares de outros textos médicos, muitos dos quais indexados, confirmariam a eficácia da auto-hemoterapia num sem número de doenças. Mesmo sem contar com a ferramenta do Google.  

 

Descobriria artigos modernos, muito modernos. No endereço o "The Journal of Alternative and Complementary Medicine  

Successful Treatment of Herpetic Infections by Autohemotherapy  

 

To cite this paper:  

John H. Olwin, Helen V. Ratajczak, Robert V. House. The Journal of Alternative and Complementary Medicine. June 1, 1997, 3(2): 155-158. doi:10.1089/acm.1997.3.155." Destaco a data do estudo: 1997.  

 

Será que os conselheiros do Cofen ignoram o que até as pessoas comuns descobriram na busca de informações para se defender da ação enviesada da Anvisa e do CFM: graças a internet, todos sabem que 67% das doenças são iatrogênicas. A fonte desta informação mais confiável não podia ser: trata-se da própria Organização Mundial de Saúde (OMS, WHO na sigla em inglês).  

 

 

Como citado por um internauta: “...Há cerca de 10 anos, a insuspeita WHO (World Health Organization) informava em uma de suas páginas na internet que "67% das doenças atualmente catalogadas são iatrogênicas". Mandei o link para todos os meus amigos médicos com a seguinte observação: "se a medicina é responsável por dois entre cada três males, então ela deixou de ser solução e passou a ser o principal problema." Talvez por achar que essa informação não era importante para o público leigo, ou, possivelmente, por pressão da classe médica, essa página evaporou num belo dia. Desapareceu a informação direta e contundente, mas se você clicar no link abaixo do Google, onde aparece tudo que está relacionado à iatrogenia na WHO, encontra 86900 páginas. Tem muita coisa interessante por lá: http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=WHO+%22World+Health+Organization%22+i\  

atrogenic&btnG=Pesquisar&meta=...”, diz Paulo Sérgio Pinto.  

 

 

Em 09/07/2009, no Google: “Resultados 1 - 10 de aproximadamente 360.000 para iatrogenic diseases”.  

 

Na Wikipédia: “Iatrogenia refere-se a um estado de doença, efeitos adversos ou complicações causadas por ou resultantes do tratamento médico. ...”  

 

Só nos Estados Unidos da América, as doenças iatrogênicas matam 786.000 pessoas por ano. Ignoram os enfermeiros do Cofen o que já denunciou amplamente o médico Mark Sircus, diretor da Associação Internacional Medical Veritas (International Medical Veritas Association - IMVA), “fundada por um grupo de especialistas da área médica, que tem por objetivo corrigir as graves atrocidades que ocorrem atualmente na medicina moderna” denuncia que, só nos Estados Unidos da América: “...Ao invés de servir aos interesses daqueles que nela confiam a sua saúde, a instituição médica tem se tornado um disseminador de mortes legalmente sancionado. Dra. Barbara Starfield estima que há aproximadamente 250.000 mortes evitáveis ocorrendo nas mãos de médicos a cada ano, enquanto Dr. Gary Null e seus colegas estimam que este número é muito mais alto - 786.000 nos Estados Unidos apenas. Esses números foram publicados em jornais científicos de reputação, mas eles não contam a tragédia dos bebês encontrados mortos em seus berços, ou de outros cujos pais foram acusados de suas mortes - eventos que, sob uma inspeção mais cuidadosa, provaram ter sido causados por vacinas. Essas estimativas também não refletem a abominável situação onde as vacinas estão sendo forçadas a crianças prematuras, doentes ou mal nutridas, que já apresentam o sistema imunológico comprometido...”. O texto pode ser lido no endereço http://www.umanovaera.com/Fraudes_Medicas/IMVA.htm  

 

As manifestações da Anvisa e do CFM vão ao extremo ao impedir novas pesquisas médicas sobre auto-hemoterapia. A Nota Técnica da Anvisa e do CFM teve efeito devastador, até sobre as pesquisas cientificas, como as realizadas pelo médico dr. João Veiga, médico cirurgião e secretário da Saúde de Olinda, que foram paralisadas.  

 

Agora, o Cofen, lança a pá de cal: se a Anvisa diz que os brasileiros não podem usar a auto-hemoterapia; o CFM impede os médicos de prescrever a técnica; e, o Cofen impede que os enfermeiros a apliquem, como se realizará pesquisas sobre sua eficácia e segurança no Brasil?  

 

Tais órgãos públicos jogarão todas as descobertas no lixo para começar pesquisas com animais? Tal procedimento é o que se visualiza com tais proibições malsinadas. Ganham os laboratórios farmacêuticos, principalmente os transnacionais, mais ricos, em detrimento de todos os brasileiros ameaçados diariamente por um sem número de agentes que provocam doenças e, agora, pelo vírus da Influenza. Este e todos os vírus, bactérias, fungos e parasitas, além de outros agentes patogênicos, são passíveis de prevenção e cura pela auto-hemoterapia, como afirma a cientista Telma Giovanini, entre outros.  

 

Isto posto, para não alongar mais, o cidadão autor desta denúncia, identificado no recurso PR-ES, protocolo de nº 2008.027700, de 09/12/2008, encaminhado a esta Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, requer em relação ao Cofen as mesmas medidas solicitadas em relação à Anvisa e ao CFM. Em síntese: que suas decisões sobre a auto-hemoterapia sejam denunciadas por esta Procuradoria à Justiça, para que os brasileiros possam se valer da técnica para tratar as doenças que os afligem, recuperando a saúde.  

 

Ubervalter Coimbra  

 

* Ubervalter Coimbra é jornalista, e mora no Espírito Santo. Endereço eletrônico  

 

 

Veja as citações feitas pela pesquisadora Telma Giovani, citadas  

 

: “REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS NACIONAIS E  

ESTRANGEIRAS SOBRE AUTOHEMOTERAPIA  

E SISTEMA IMUNOLOGICO  

ABBAS, Abul. Imunologia celular e molecular. 4. ed. Rio de Janeiro; Revinter  

2003.  

ACUNA, Garcia. Manuel. Ozono medicinal en el paciente quirúrgico. Rev.  

Soc. Esp. Dolor. [online]. 2006, vol. 13, no. 5 [citado 2008-04-12], pp. 349-350.  

Disponível  

em:

500008&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 1134-8046.  

ALVORD, E.C.; Jr,; SHAW, C.M.; HRUBY, S. Autohaemotherapy  

Approaches to the treatment of central nervous system autoimmune  

disease. Ann. Neurol. 6: 469 – 473, 1979.  

BALESTERI, F.M. Imunologia. SP: Manole, 2006.  

BAYAS, A.; GOLD, R. Lessons From 10 Years Of Interferon Beta-1b  

(Betaferon/Betas) Treatment. J Neurol. 250 Suppl 4: IV 3-8, 2003.  

BEHMER, Oswaldo Arruda. Manual de técnicas para histologia normal e  

patológica. 2ª ed. Barueri, SP: Manole, 2003.  

BOCCI. V, Biological and clinical effects of ozone. Has ozone therapy a  

future in medicine? Institute of General Physiology, University of Siena, Italy:  

Br J Biomed Sci. 1999;56(4):270-9. PMID: 10795372 [PubMed - indexed for  

MEDLINE]  

BOCCI. V, Autohaemotherapy after treatment of blood. A reapprasisal.  

Institute of General Physiology, University of Siena, Italy.PMID 8088420.  

[PubMed - indexed for MEDLINE]  

BOCCI. V, Luzzi E, Corradeschi F, Paulesu L. Studies on the biological  

effects of ozone: 5. Evaluation of immunological parameters and  

tolerability in normal volunteers receiving ambulatory autohaemotherapy.  

Faculties of Pharmacy, Institute of General Physiology, Siena, Italy:  

Biotherapy. 1993-1994;7(2):83-90. PMID: 7803194 [PubMed - indexed for  

MEDLINE]  

BOCCI. V., Efeitos biológicos e clínicos do ozônio: Tem a terapia do  

ozônio um o futuro dentro medicina? Br J Biomed Sci 1999; 56: 270-9  

BRASIL, M.S. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos  

EstratégicosDepartamento de Ciência e Tecnologia. Por que pesquisa em  

saúde? Council on Health Research for Development (COHRED) Global  

Forum for Health Research; Série B. Textos Básicos de Saúde. Série  

Pesquisa para Saúde: Textos para Tomada de Decisão; Brasília – DF,  

2007.horia da  

BRASIL, COFEN. Lei 7498 de 25 de junho de 1986 - Decreto 94.406/87.  

Dispõe sobre a regulamentação do exercício enfermagem.  

BRASIL, COFEN. Resolução 272 de 2002. Dispõe sobre a Sistematização da  

Assistência de Enfermagem – SAE nas Instituições de Saúde.  

BRASIL, MS. Portaria Nº 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Política  

Nacional de  

Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde  

BRASIL, COFEN. Resolução 197/1997. Reconhece as terapias alternativas  

como especialidade do profissional de enfermagem.  

BRUNO, Margarida Amorim. Esclerose Múltipla com ausência de patologia  

Oro Facial - 1 Caso Clínico- UNIPAC-Faculdade de Ciências da Saúde.  

2006. Disponível em http:// www.saude.sapo.pt/gP1/531501.html [Acessado em  

01/05/2007].  

CALLEGARO, D.; GOLDBAUM, M.; MORAIS, L.; TILBERY, C.P.; MOREIRA,  

M.A.; GABBAI, A.A.; SCAFF, M. The prevalence of multiple sclerosis in the  

city of São Paulo, Brazil, 1997. Acta Neurol Scand. 104(4):208-13, 2001.  

CARVALHO, Maria Clara Azevedo de. Encefalomielite Autoimune  

Experimental. Importância da expressão de fibronectina no  

desenvolvimento das lesões. 1999. 132 p. Dissertação (Mestrado em  

Patologia Experimental) – Universidade Federal Fluminense. Niterói – RJ.  

1999.  

CATALDO F.; GENTILLIN.L. Chemical kinetics measurements on the  

reaction between blood and ozone. . Soc. Lupi Chemical Research, Via  

Casilina, Rome-Italy: Comment in: IntJ Biol Macromol, 2005 Fec 30:37(5):287-  

8. PMID: 16022895 PubMed index.  

CATTELAN, A. V.; MOTA, C. B. Analise Cinemática da Marcha em  

Portadores de Esclerose Múltipla – Um Estudo de Caso, 2003. Disponível  

em http://www.wgate.com.br/conteudo/fisioterapia/neuro/analise_cinematica  

[Acessado em: 03 /08/ 2004].  

CECIL. RI, Angevine DM. Clinical and experimental observations on focal  

infection, with an analysis of 200 cases of rheumatoid arthritis. Ann Intern  

Med; 12:577-584, 1998.  

CORREA, José Otavio do Amaral. Efeito da Talidomida e da Pentoxifilina  

na produção de mediadores inflamatórios e na patogênse da EAE, Tese.  

Doutorado em Patologia. Universidade Federal Fluminense, UFF, Brasil.Ano de  

Obtenção: 2008.  

CORREA, José Otavio do Amaral. Estudo da Resposta Th1 x Th2 em  

camundongos Balb?c imunossuprimidos pela azatioprina e infectados  

pelo Paracoccidioides brasiliensis., Dissertação de Mestrado em Ciências  

da Saúde.  

Fundação Oswaldo Cruz, FIOCRUZ, Brasil. Ano de Obtenção: 2001.  

DING, A.; NATHAN, C.F.; STUER, D.J. Release of reactive nitrogen  

intermediates and reactive oxygen intermediates from mouse peritoneal  

macrophages: comparison of activating cytokines and evidence for  

independent production. J. Immunol. 141:2407-2503, 1988.  

DOAN.T, MELVOLD.R e WALTENBAUGH C., Imunologia Médica Essencial. Rio  

de Janeiro: Guanabara Koogan 2006.  

DOMENICO, E.B.L. e COSTARDIDE,C.A. Enfermagem Baseada em  

Evidências: princípios e aplicabilidades. Revista Latino Americana de  

Enfermagem. Vol11. No. 1. Ribeirão Preto: Jan/Fev 2003.  

FERREIRA, J. E GEOVANINI, T. Perspectivas da Enfermagem Frente à  

Implantação da SAE na Autohemoterapia. Monografia. UNIPAC - Faculdade  

de Ciencias da Saúde.Juiz de Fora – MG, 2007.  

GEOVANINI, Telma e NORBERTO, Manoel Mozart. Autohemoterapia:  

Resultados de Estudos de Casos Clínicos. UNIPAC-JF. Trabalho Científico  

apresentado 10º. CBCENF, Curitiba-PR, setembro, 2007. Disponível em  

http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/  

GEOVANINI, Telma e Norberto, Manoel Mozart. Tratamento da  

Esclerodermia através da autohemoterapia: Um estudo de Caso Clínico.  

Trabalho Científico apresentado no 10º. CBCENF, Curitiba-PR, setembro,  

2007. Disponíval em http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/  

GEOVANINI, Telma et al. Uso da Autohemoterapia como fator coadjuvante  

no tratamento da Psoríase Vulgar. Trabalho Científico apresentado 10º.  

CBCENF, Curitiba-PR, setembro, 2007.Disponível em  

http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/  

GEOVANINI, T. e NUNES, J.L.B. Estudo da Eficácia da Autohemoterapia:  

Uma Análise Fisiopatológica. Trabalho Científico apresentado 10º.  

CBCENF, Curitiba-PR, setembro, 2007.Disponível  

http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/  

GERING HJ. Peridural autohemotherapy of headache after lumbar  

puncture. Cah Anesthesiol 1986; 34: 523-526 [Medline].  

HERNANDEZ, ML et al. Autohemoterapia: Alternativa eficaz em La  

patologia autoimune. Centro de Salud de San Beniajan-San Andres –  

Espanha –Septiembre 2001 Vol. 28: (04) p.291-292  

JUNIOR. J.F. Infecção focal: Uma das causas esquecidas da etiologia de  

doenças sistêmicas – o valor do FDG PET no diagnóstico e o valor da  

autovacina e da autohemoterapia no tratamento. Disponível em www.  

http:intercanalum.com.br, acesso em 12-04-08.  

LEADBETTER, E.A.; BOURQUE, C.R.; DEVAUX, B. OLSON, C.D.;  

SUNSHINE, G.H.; HIRANI, S.; WALLNER, B.P.; SMILEK, D.E.; HAPP, M.P.  

Experimental autoimmune encephalomyelitis induced with a combination  

of myelin basic protein and myelin oligodendrocyte glycoprotein is  

ameliorated by administration of a single myelin basic protein peptide. J  

Immunol. 161(1): 504 -12, 1998.  

LICHTMAN, Abul R. Imunologia cellular e molecular. RJ: Elsevier,2002.  

LUNA, L.G. Manual of histológic attaining methods of the Armed Forces  

Institute of Pathology. 3 th ed. New York: McGraw- Hill Book Company, 258p.  

1968.  

MENENDEZ S. El empleo de la ozonoterapia en oftalmologia. Ver. Cubana  

Oftalmol 1989; 2 (3): 168-172.  

METTENLEITER, Michael W. M.D., F.A.C.S. "Autohemotransfusion in  

Preventing Postoperative Lung Complications" assinado por Michael W.  

Mettenletter (cirurgião do Pós-Graduate Hospital, de Nova York). Artigo  

publicado no "The American Journal of Surgery" ; May, 1936 - pág.32 .  

MOHAMED, A.; TARHUNI, H.; DUFAN, T.; BENGHUZZI, H.; TUCCI, M. The  

use of digital technology to asses the severity of the Experimental Allergic  

Encephalomyelitis (EAE) spinal cord lesion. Biomed Sci Instrum. 40:419-23,  

2004.  

MOREIRA, M. et al. Esclerose Múltipla – Estudo Descritivo de suas Formas  

Clinica em 302 Casos. Arq. Neurop., 58 (2-B): 460 – 466, 2000.  

MORESCHI JUNIOR, D.; NIGRO, A.J.T.; BANDEIRA, C.O.P.; SEIDEL, A.C.;  

TORMENA, E.B. Investigation of the use of regional heparinization during  

temporary arterial ischemia performed in rabbits. Acta Cir. Bras., 14(2),  

1999.  

MOURA, Luiz. Autohemoterapia. DVD Multimidia por Luis Fernando  

Sarmento. 2006.  

OLWIN J.H, RATAJCZAK HV, HOUSE RV. Successful treatment of herpetic  

infections by autohemotherapy. J. Altern Complement Med 1997; 3: 155-158.  

[PubMed - indexed for MEDLINE].  

PEIXOTO, MARCO AURÉLIO LANA, DAGOBERTO CALLEGARO. Consenso  

Expandido do BCTRIMS para o tratamento da Esclerose Múltipla. (Dados  

fornecidos pela Coordenadoria de Assistência Farmacêutica da Secretaria de  

Saúde do Estado de Minas Gerais). Arq. Neuro-Psiquiatr. Vol.60(3-B): 881-  

886 São Paulo Sept.2002. Disponível em:  

www.bctrims.org.br/geral.aspx?pag=bctrims_metas [Acessado em: 28/05/2007]  

PUGLIATI, M.; ROSATI, G.; CARTON, H.; RIISE, T.; DRULOVIC, J. et al. The  

Epidemiology of multiple sclerosis in Europe. Eur J Neurol. 13: 700 – 22,  

2006.  

REIMANN. HA, Havens WP. Focal infection and systemic disease: a critical  

appraisal. JAMA, 114:1- 6, 1990.  

RIVA Sanseverino L. Et al. Effects of ozonized autohaemotherapy on  

human hair cycle. Institute of Human Psysiology, University of Bologna, Italy,  

2001.  

ROSENOW. E.C. The newer bacteriology of various infections as  

determined by special methods. JAMA, 63:903-7, 1994.  

SALOMÃO. S. M. C. e GEOVANINI, T. Autohemoterapia: Relatos de Casos  

Clínicos. 95 paginas. monografia. Enfermagem – Faculdade de Ciencias da  

Saude,Juiz de Fora - MG, 2006.  

Disponível em http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/  

SHAKMAN, Stuart Hale “The Autohemotherapy Reference Manual - The  

Definitive Guide”, 1992 - ISBN 1-892506--14-9,  

TEIXEIRA, Jesse. Complicações Pulmonares Pós- Operatórias  

Autohemotransfusão. Revista BRASIL-CIRÚRGICO, Órgão oficial da  

Sociedade Médico-Cirúrgica do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia  

do Rio de Janeiro, vol. II, março de 1940, número 3, páginas 213 - 230.  

(revisado por Luiz Fernando  

Sarmento,2007).http://www.orientacoesmedicas.com.br/auto_hemoterapia.  

asp.  

TERUYA, R.; FAGUNDES, D.J., OSHIMA, C.T.F., BRASILEIR, J.L., MARKS,  

M., YNOUYE, C.M., SIMÕES, M.J. The effects of pentoxifylline into the  

kidneys of rats in a model of unilateral hindlimb ischemia/reperfusion  

injury. Acta Cir. Bras. vol.23 (1), 2008.  

TILBERY, C. P. Esclerose Múltipla no Brasil: aspectos clínicos e  

terapêuticos. São Paulo: Atheneu, 2005  

TYLICKI, T., et al. A influência de autohemoterapia ozonizada no estresse  

oxidante entre pacientes de hemodiálise com isquemia arterioscleroses  

dos membros inferiores. Jornal internacional dos órgãos artificiais/Vol.  

26/No.. 4. 2003/pp. 297-303.  

TYLICKI, T., et al. Beneficial clinical effects of ozonated autohemotherapy  

in chronically dialysed patients with atherosclerotic ischemia of the lower  

limbs pilot study. Department of Neprology, Medical University, Gdansk,  

Poland. Int.J.Artif Organs. 2001 Fev, 24(2):79-82. PMID 11256512.PubMed  

Index.  

VERANES, Xiomara et al. Labor de enfermera en la aplicacion de la  

ozonoterapia en retinosis pigmentaria. Santiago – Cuba: Rev. Cubana  

Enfermeria 14 (2): 99-102, 1998.  

VERONESI, Ricardo; FOCACCIA, Roberto (Ed.). Tratado de infectologia. 2. ed.  

São Paulo:Guanabara Koogan, 2002.v.1 e v.2. 1996.  

VERONESI, Ricardo. Imunoterapia: o impacto médico do século. Revista  

Medicina de Hoje – Março de 1976.pg.194-200.  

WEBSTER G.I., et al. Molecular epidemiology of a large outbreak of  

hepatitis B linked to autohaemotherapy. Centre for Hepatology, Department  

of Medicine, Royal Free and University College Medical School, London, UK.  

Lancet. 2000 Nov 11;356(9242):1684-5. PMID: 10972370 [PubMed - indexed  

for MEDLINE.  

WILLIANS J, et al. Autohaemotherapy for genital, anal and perianal warts.  

Indian J Sex Transm Dis. Department of the Government Rajali  

Hospital,Madurai, India : 1990;11(2):57-8. PMID: 12343559 [PubMed -  

indexed for MEDLINE]  

YANYING, Z.; BINGJIE, G.; XIAOHUI, J.; XINSHENG, D.; CHUNJIE, S.;  

FEICHI, W. Sinomenime, an antirheumatic alkaloid, ameliorates clinical  

signs of disease in the Lewis rat model of acute. Experimental Autoimune  

Encephalomyelitis. Biol. Pharm. Bull. 30(8): 1438 – 1444, 2007.”  

 

 

É de se perguntar: então não há pesquisa científica sobre os ótimos resultados da aplicação da auto-hemoterapia na prevenção e cura das doenças como, mentirosamente, afirma o Cofen, a Anvisa e o CFM?  

 

 

Ubervalter Coimbra
58 anos
- Vitória - ES

[ocultar participação]  [voltar]

Comentários


Quero comentar Total de 4 comentários  -  4 nesta página
[primeira < anterior   Página de 1     próxima >  [última]

 Sábado, 11 de julho de 2009 - 10:55:20 

Caro amigo Ubervalter Coimbra, um dos defensores da auto-hemoterapia, que o bom Deus lhe dê forças para vencermos essa batalha. 

 

Conte comigo nesta luta. 

Você tem todo o meu apoio e dos AUTOHEMOTERÁPICOS  

Paulo Magalhães
52 anos
- Salvador - Bahia

 Sábado, 11 de julho de 2009 - 05:49:43 

Ubervalter, bom dia !!! 

 

Agradecemos sua ação.A mestre Gilda ainda não se pronunciou por ser pedido de grande relevância que 

contraria os interesses de PODEROSOS a favor dos NECESSITADOS. Tem que avaliar muito ficando 

em um dos lados. O bom PROCURADOR deve decidir pensando no aspecto HUMANO  ... (total de 406 caracteres)

Joel Martini de Campos
60 anos
- São Paulo - SP

 Sexta-feira, 10 de julho de 2009 - 22:55:33 

Autohemoterapeutas 

 

VAMOS DAR NOSSO APOIO AO JORNALISTA UBERVALTER COIMBRA: 

 

Vamos escrever todos para a Subprocuradora-Geral da República, Gilda Pereira Carvalho 

dizendo que apoiamos esta denuncia. 

 

email da subprocuradora: pfdc001@pgr.mpf.gov.br 

 

E VAMOS ESCREVER TAMBEM AOS MINISTROS DO  ... (total de 381 caracteres)

Marcelo    

 Sexta-feira, 10 de julho de 2009 - 22:36:42 

Ubervalter 

TEM TODO MEU APOIO. 

Parabens por mais esta corajosa atitude. 

Grande abraço 

Marcelo    



envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a lista que contém esta participação]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2021)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org