Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 2.245.357 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 Auto-hemoterapia: esperança polêmica --- Walter Medeiros

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Participação
4494
Sexta-feira, 10 de setembro de 2010 - 11:10:45
189.7.26.48

Auto-hemoterapia: esperança polêmica 

 

--- Walter Medeiros 

 

http://www.rnsites.com.br/auto-hemoterapia_esp.htm 

 

“O próprio sangue usado como remédio. Esse é o princípio da auto-hemoterapia (auto-hemo) uma técnica que vem se difundindo e ao mesmo tempo sendo combatida em todo o país. O método consiste na retirada do sangue da veia e imediata aplicação em algum músculo do corpo, geralmente braços ou nádegas. Segundo os defensores é possível tratar doenças infecciosas, como acne, hepatite, pneumonia, toxoplasmose; doenças alérgicas como asma, bronquite, alergias; doenças auto imunes como artrite, esclerose; gangrenas, corpos estranhos miomas e até câncer.” 

 

Com esta introdução, o Jornal Correio do Povo do Paraná publicou ampla matéria agora em setembro (dia 4) mostrando como a técnica vem sendo praticada e apresentando também pessoas que a combatem. Mostra que “Um dos principais nomes da auto-hemoterapia é o médico Luiz Moura, que aplicou-a com bons resultados na Casa de Saúde São José no Rio de Janeiro entre os anos de 1943 e 1947.” e afirma que “A principal forma de propagação da técnica foi um vídeo com uma entrevista de 2 horas e meia onde o médico explica como funciona e comenta os benefícios da auto-hemoterapia.”, informando que “Hoje há cópias na íntegra pela internet. ‘É uma técnica simples que fortalece a imunidade’, diz ele.” 

 

Acrescenta que “Conforme Moura, o sangue injetado é visto como um corpo estranho ao organismo, o que acelera a produção de macrófagos, ou anticorpos. ‘A taxa normal de macrófagos no organismo é de 5%, com a auto-hemoterapia, cresce para 22%. Essa elevação se mantém pelo período em que o sangue está no músculo, o que dura cerca de cinco dias’, explica. Na seqüência ele relata muitas experiências bem sucedidas e admite que a técnica ainda não é reconhecida pela medicina convencional. ‘Mas deveria ser divulgada, pesquisada e utilizada. É um método muito barato que poderia ser usado em regiões sem recursos, onde as pessoas não têm condições de pagar medicamentos caríssimos, que produzem o mesmo efeito da auto-hemoterapia’.” Informa que “No vídeo ele chega a relatar casos de melhora significativa para doenças graves, inclusive a Aids.” 

 

Na prática 

 

A reportagem do Jornal Correio do Povo mostra também que “Em Laranjeiras do Sul Marileide Veronese conta ter comprovado os benefícios da técnica. ‘Eu fiz auto-hemoterapia e não me envergonho disso. Foi o que me salvou’, diz ela. Marileide passou por momentos difíceis em 2007, tinha insônia e tomava antidepressivos. ‘Depois da segunda aplicação abandonei os remédios para dormir. Hoje tenho disposição, tenho vontade para fazer as coisas. Minha vida melhorou muito’, comentou. Ela chegou à técnica através da mãe, Nely. ‘Fiz 30 aplicações e achei incrível o 'sumiço' das varicoses. Eu tinha horário no médico para retirá-las e não foi mais necessário’, conta. 

 

Para João, um dos principais motivos que levam a medicina a não aceitar a auto-hemo é a questão econômica. ‘A aplicação é muito barata e trás diversos benefícios, já vi muita gente tratar doenças sérias e ter bons resultados. Se fosse liberada, evitaria muitos custos que existem hoje’, comentou.” Mas faz um alerta. 

 

Ainda sobre experiências, cita que “A empresária Maria Gelci Rambo de Carvalho também utilizou o método. ‘Eu sentia muitas dores. Tinha muitos problemas e a auto-hemo me ajudou a superar. Depois de algumas aplicações as dores sumiram’, disse ela, que conhece outras pessoas que fizeram as aplicações. ‘Eu vi gente que definhava de câncer recuperar a vitalidade e ganhar mais qualidade de vida’, conta. ‘É claro que as pessoas não devem abandonar seus tratamentos médicos, mas é uma terapia complementar’, conta. 

 

 

“Permissão” 

 

O jornal paranaense recorda que “A Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou em abril de 2007 uma nota técnica alertando que a auto-hemoterapia ‘pode causar reações adversas, imediatas ou tardias, de gravidade imprevisível’.”, que ‘A Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (SBHH), O Conselho Federal de Medicina (CFM) e de Enfermagem (CFE) também se posicionaram contra.’, explicando que ‘Eles alertam que o método não foi submetido à estudos clínicos e por isso não recomendam.” 

 

Como se sabe, a Nota da ANVISA não tem base científica nem legal; trata-se de um documento completamente confuso, da mesma forma que a SBHH não apresentou qualquer argumentação séria a respeito da auto-hemoterapia. O CFM, por sua vez, baseou-se em parecer superficial para tratar do assunto, chegando depois a permitir a auto-hemoterapia feita pelos anestesistas. 

 

Profissão 

 

Quando parte para ouvir os médicos e autoridades da saúde, o jornal encontra um verdadeiro terrorismo, que tenta levar o medo à população. Vejamos o que diz a matéria: 

 

“Conforme o médico Márcio Marreiros não há base científica que comprove qualquer benefícios da técnica. “Eu atribuo as melhoras em determinados sintomas ao fator psicológico. As pessoas acreditam tanto que vai dar certo, e dá certo”, diz ele. “Nunca tive a oportunidade de consultar um paciente logo após a aplicação. Mas, pelos relatos que ouvi, me parece um processo bastante doloroso, com risco de hematomas ou equimoses”, disse. “É uma técnica que não é aprovada pelo conselho. Tem havido muitos questionamentos por parte de pacientes, mas realmente não artigos científicos que comprovem qualquer eficácia nos tratamentos com essas aplicações”, acrescentou.” 

 

Quando ele diz que “não há base científica que comprove qualquer benefícios da técnica.”, o médico vai de encontro a centenas de trabalhos científicos que o CFM faz questão de ignorar ou tratar de forma enviesada. 

 

Ao afirmar: “Eu atribuo as melhoras em determinados sintomas ao fator psicológico. As pessoas acreditam tanto que vai dar certo, e dá certo”, o médico tenta fazer todo mundo de idiota, pois ignora toda uma prática documentada e relatada; ou será que a verdade só estaria do lado deles (médicos que combatem sem argumentos)? 

 

Ele vai além e diz que “Nunca tive a oportunidade de consultar um paciente logo após a aplicação. Mas, pelos relatos que ouvi, me parece um processo bastante doloroso, com risco de hematomas ou equimoses”. Onde está o processo doloroso, se a auto-hemoterapia usa seringas iguais às que são usadas para colher sangue nos laboratórios e as mesmas que servem para aplicar injeção nos hospitais, ambulatórios e postos de saúde? Os riscos que ele fala são os mesmos riscos que todo mundo corre ao procurar os médicos, de cujos erros muitas vezes são vítimas até fatais. 

 

Por fim o Dr Márcio alega que “É uma técnica que não é aprovada pelo conselho.”. Já vimos que o Conselho Federal de Medicina tratou da questão de forma superficial e tendenciosa, ignorando os trabalhos científicos existentes nas bases de pesquisa. 

 

Secretaria 

 

Continuando a matéria, foi registrado que “Em Guaraniaçu, a Secretaria municipal de Saúde, através do departamento de vigilância sanitária, também alerta a população. Segundo a nota enviada ao Jornal Correio, o método é 'ilegal' e constitui infração sanitária. “A Agência Nacional de Vigilância Sanitária divulgou nota técnica recomendatória sobre essa irregularidade”, comenta a responsável pelo setor, Aline Cruz.” A responsável cumpre seu papel de obedecer as orientações da ANVISA, porém é preciso lembrar que a Nota daquela agência é cheia de falhas, constituindo-se num verdadeiro abuso de autoridade. 

 

O abuso de autoridade da ANVISA leva a Secretaria Municipal a também agir de forma arbitrária, pois a sua representante diz que “um flagrante da Vigilância Sanitária pode resultar na autuação do sujeito por exercício da atividade sem o referido diploma. Se a pratica estiver sendo exercida por enfermeiros, médicos e farmacêuticos, além de encaminharmos os autos de infração às autoridades competentes, será comunicado aos conselhos regionais de classe para as devidas providências”, alerta. Acrescenta eu “Quando a denúncia apontar que a prática esta sendo feita em residência, a Visa estará pedindo apoio policial e encaminhará a denuncia ao Ministério Público por pratica contra o cidadão e por ferir a coletividade”,diz. Como se vê, aquele órgão está ventilando a possibilidade até de invasão de domicílio, pois ao contrário do que a ANVISA diz, auto-hemoterapia não é infração sanitária nem está capitulada como crime em nenhuma lei. 

 

O amedrontamento praticado pelos órgãos da área médica e autoridades sanitárias é tanto que o periódico mostra que “Embora diversos locais realizem as aplicações na região, nenhum autorizou a divulgação nesta reportagem. O medo da polêmica ou da punição da classe profissional impera sobre a técnica.” – revela. 

 

Desde 1911 

 

A reportagem expõe, ao final, sobre “A auto-hemoterapia na França, em 1911, introduzida pelo médico Francois Ravout como proposta para tratar febre tifóide. Em 1938, numa tentativa de encontrar um tratamento eficaz para infecção ela voltou a ser empregada. Nessa época os antibióticos ainda não estavam disponíveis, e isso levou o médico francês Gaston de Lyon a propor injetar sangue da própria pessoa no membro afetado para evitar amputação. O tratamento gerou alguns resultados, motivo pelo qual se popularizou na Europa até a década de 50. Depois, foi perdendo o seu apelo, com a introdução de novas drogas antimicrobianas.” – conclui. 

 

Trata-se de mais uma mostra de como as entidades médicas e autoridades sanitárias estão semeando o terror e o medo no Brasil inteiro, na tentativa de dificultar o uso de uma técnica que vem sendo utilizada há mais de cem anos, com êxito, por milhões de pessoas. 

 

--- 

 

Para ler a matéria do Jornal Correio do Povo do Paraná, acesse http://www.jcorreiodopovo.com.br/noticias/?url=auto-hemoterapia-esperanca-polemica . 

João Carlos  
Londrina / PR

[ocultar participação]  [voltar]

Comentários


Quero comentar Total de 1 comentários  -  1 nesta página
[primeira < anterior   Página de 1     próxima >  [última]

 Sexta-feira, 10 de setembro de 2010 - 11:46:44 
189.123.85.158

VAMOS VER SE VAO PUBLICAR O COMENTARIO ENVIADO AGORA: 

 

A matéria fala tanto em riscos da auto-hemoterapia e esqueceu-se de informar os muitos links de sites, videos destes casos de prejudicados com a AHT. Falar em placebo na AHT é querer iludir aos leitores, pois os casos de sucesso da AHT em  ... (total de 1212 caracteres)

Marcelo Fetha    



envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a lista que contém esta participação]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2017)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org