Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 4.012.154 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 A quem possa interessar, o artigo do dr. Jésse Teixeira na

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Ver Opinião - Ver Opinião - Participação
2345
Sábado, 16 de maio de 2009 - 19:02:59

A quem possa interessar, o artigo do dr. Jésse Teixeira na grafia original. 

 

 

 

VOL. II MARÇO DE 1940 N U M: 3 

B R A S I L - C I R U R G I C O 

ORGÃO OFICIAL DA SOCIEDADE MEDICO - CIRÚRGICA DO HOSPITAL 

GERAL DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DO RIO DE JANEIRO 

______________________ 

Fundadores : 

Profs. : BRANDÃO FILHO e OSWALDO DE ARAÚJO 

Diretor-responsável — Prof. OSWALDO DE ARAÚJO 

______________________ 

Redação e Administração 

RUA SETE DE SETEMBRO, 73 — 1º ANDAR 

Caixa Postal 3673 — RIO DE JANEIRO — Telefone: 23-3878 

HOSPITAL DE PRONTO SOCORRO — Rio de Janeiro 

Serviço Daniel de Almeida 

"COMPLICAÇÕES PULMONARES POSTOPERATORIAS" 

( 1 ) 

CONTRIBUIÇÃO A´ SUA PROPHYLAXIA 

Pelo DR. JÉSSE TEIXEIRA. 

Com o intuito de contribuir para o estudo das complicações pulmonares postoperatorias, 

principalmente no que se refere á sua prophylaxla, apresentamos aqui o 

relato de nossas conclusões, baseadas em 150 casos, dos quaes cerca de 60% observados 

no Hospital de Prompto Soccôrro. 

A circumstancia de ser o Hospital de Prompto Soccôrro, estrictamente, um 

hospital de urgência, confere ao methodo preventivo, que empregamos, segura garantia 

de efficacia e utilidade. Sabem todos que os imperativos da cirurgia de urgência afastam 

qualquer cuidado pre-operatorio, ficando asslm os doentes desamparados, ante a ameaça 

da complicação pulmonar post-operatoria, uma vez que a tão decantada vaccina antibronchopneumonica 

é de uma fallibilidade comprovada. 

_______________________ 

(1) — Trabalho premiado pela Sociedade Acadêmica de Medicina e Cirurgia — premio de 

Cirurgia de 1939. 

V — PROPHYLAXIA 

Fora do ambito da cirurgia de urgência, são numerosos os meios prophylatlcos 

das complicações pulmonares post-operatorias (eleição do doente e da anesthesia, cura 

de catharros das vias respiratórias, saneamento da bocca, prevenção de resfriamentos, 

exercícios respiratórios, inhalações de carbogenio, etc.). Todos, aliás, muito precários. 

Para a prophylaxla destas complicações ha, comtudo, um recurso, que, 

segundo as observações do seu autor e as nossas próprias, ao que parece únicas em 

nosso meio, é da mais alta valia, podendo ser vantajosamente empregado, quer na 

cirurgia de urgência, quer nos casos em que o doente pode ser preparado. 

Trata-se da autohemotransfusão de 20 cc. logo após a operação; estando o 

doente ainda na mesa de operação, retiram-se 20 cc. de sangue de uma veia da prega do 

cotovello, que são immediatamente injectados na nádega. 

Baseamo-nos em 150 observações (1) das quaes, a maioria, pertencentes á 

cirurgia de urgência, através dos casos passados pelo Serviço "Daniel de Almeida" a 

cargo do Dr. JORGE DORIA, no Hospital de Prompto Soccôrro. 

Deixamos de publicar aqui grande numero .de observações também favoráveis á 

utilidade do methodo, que foram feitas por collegas nossos nos seguintes serviços : 13.a 

Enfermaria da Santa Casa (Serviço do Dr. DARCY MONTEIRO) pelo doutorando CARLOS 

TEIXEIRA, serviço do Dr. G. ROMANO (Hospital da Gambôa) pelo doutorando OSCAR DE 

FIGUEIREDO BARRETTO e Serviço Chapôt-Prevost (Hospital de Prompto Soccôrro) a 

cargo do Dr. DARCY MONTEIRO, pelo doutorando MONTEIRO DE FIGUEIREDO. 

_______________________ 

(1) — Agradecemos a intelligente e proveitosa collaboração do Dr. Annibal Luz, distincto 

collega e amigo de todas as horas. 

Março – 1940 

COMPLICAÇÕES PULMONARES POST-OPERATORIAS 

Foi-nos suggerida a attenção a o assumpto em fins de 1937, pelo jovem e brilhante 

docente Dr. SYLVIO D'AVILA, que chefiava a 12.a enfermaria da Santa Casa, de que éramos 

interno, sendo as primeiras 60 observações alli colhidas. 

A suggestão do nosso chefe de então se prendeu a um artigo publicado no 

"The American Journal of Surgery" (May, 1936 —pag. 321), intitulado 

"Autohemotransfusion in Preventing Postoperatlve Lung Complications" e assignado por 

MICHAEL W. METTENLEITER (cirurgião do Post-Graduate Hospital, de Nova York). 

METTENLEITER, considerando os excellentes resultados do processo, como 

methodo curativo das pneumonias post-operatorias declaradas, onde foi aconselhado por 

VORSCHUTZ, reslveu empregal-o, como prophylatico, em 300 casos de sua clinica 

particular e não teve uma só complicação pulmonar, a não ser pequena área 

thrombótica em um pulmão, cinco dias após a operação. 

Antigamente, o emprego da autohemotransfusão se submettia ás influencias 

fecundas, nas anti-scientificas do empirismo. Hoje, porém, temos uma explicação 

razoavelmente clara e perfeitamente acceitavel de sua acção. Quando o sangue 

empregado fora de sua situação normal, no apparelho circulatório, elle se torna uma 

substancia completamente differente para o organismo. 

O sangue extrahido por puncção venosa é um sangue asphyxico que, por curto 

lapso, se põe em contacto com um corpo extranho (seringa), o que é sufficiente para 

provocar modificações na sua physico-chimica e, por isso, injectado no organismo, actua 

como si fora uma proteína extranha. De todos, é conhecido o effeito estimulante das 

proteínas paren-teraes sobre o systema sympathlco e o para-sympathlco, pelo que 

occorrem reacções vaso-motoras e teciduaes em todo o organismo. 

WIDAL observou accentuada diminuição dos leucocytos em todo o systema 

vascular perlpherico. Porém, mais tarde, MULLER e PETERSEN demonstraram que essa 

diminuição peripherica corresponde a um aumento destas cellulas nos órgãos 

abdominaes, e consequentemente, a um incremento nas funcções orgânicas, particularmente do 

fígado, accelerando-se a secreção biliar e os processos de desintoxicação. Nenhum efeito sobre 

o systema vaso-motôr, sangue ou tecidos se observa nos órgãos cuja innervação autonoma 

foi supprimida antes da injecção. 

O sistema retlculo-endothelial de ASCHOFF-LANDAU também é poderosamente 

estimulado pela autohemotransfusão. 

As seguintes experiências provam essa affirmação: 

a) — um emplastro de cantharidas, collocado sobre a pelle da coxa, determina a 

formação de pequena vesícula. Pois bem, si aspirarmos o conteúdo dessa vesícula num 

tubo em U e o centrifugarmos, depois de sêcco e corado, a contagem differencial nos 

revelará uma incidência de monocytos por volta de 5 % (os monocytos são os 

representantes no sangue circulante do S. R. E.). Após a autohemotransfusão, a cifra 

de monocytos, no conteúdo da vesícula, se eleva, em oito horas para 22 % e, após 72 

horas, ainda ha 20 %, cahindo a curva gradualmente para voltar ao normal, no fim de sete 

dias; 

b) — pela prova do Vermelho Congo se evidencia a capacidade de armazenar 

corantes do S. R. E. — essa capa cidade accentua-se consideravelmente após a injecção de 

sangue; 

c) — outro test utiliza a determinação do índice bactericida dos humores, 

segundo o methodo de WRIGHT. Após a injecção, o índice mostra um accrescimo, que, 

dentro de oito horas, chega a um máximo de 15 a 20 valores normaes. Como 

a elevação dos monocytos, a elevação do índice bactericida dos humores prova a 

estimulação dos poderes defensivos do organismo, através do S. R. E. ou melhor, para 

ceder aos impulsos de um são nacionalismo, sem desattender ás exigências 

da boa sciencia, através do systema angio-histio-lacunar de PÓVOA - BERARDINELLI (o 

alveolo pulmonar é parte integrante do systema lacunar). 

Para os que acceitam as idéas de PIERRE DUVAL, podemos concluir que a 

autohemotransfusão actua como elemento desensibilizante, contra a aggressão dos 

polypeptidios, que só agem em indivíduos sensibilizados. 

Finalmente, estamos inclinados a acceitar a efficacia da autohemotransfusão nas 

complicações da tuberculose, visto como ella parece remediar a phase de inferioridade 

ou anergia, que a intervenção cirúrgica desperta nos tuberculosos. 

A propósito da desprezível quantidade de sangue, que se accumula na ferida 

operatória, suggeriu-se que a observação deste sangue poderia tornar uma addicional 

autotransfusão desnecessária. 

São de METTENLEITER as seguintes palavras : "as alterações physico-chimicas, 

na totalidade do sangue e do soro, são tão delicadas e occorrem tão rapidamente, que 

nenhuma comparação pôde ser feita entre o sangue retirado de uma veia e reinjectado 

intramuscularmente e o sangue accumulado numa ferida para ser absorvido; estes dois 

processos são inteiramente differentes". 

O sangue tem sobre os outros agentes proteino-therapicos, além das vantagens 

de commodidade e economia, a de que a sua absorpção se faz mais promptamente. 

Para terimnar, em vista dos nossos excellentes resultados, que confirmam 

amplamente as verificações de METTENLEITER, podemos fazer nossas as suas palavras : 

"as complicações pulmonares podem surgir, com qualquer espécie ou methodo de 

anesthesia, mas a ausência de accommettimentos pulmonares, em nossa série, prova que a 

autohemotransfusão e não o typo de anesthesia, responde pelos bons resultados". 

Casuística — 150 casos. 

1) — intervenções : 

Appendicectomias............................................................... 56 

C. R. hérnia inguinal ....................................................... 29 

Laparatomias exploradoras .............................................. 11 

C. R. hérnia inguinal estrangulada.................................. 7 

Gastrectomias ...................................................................... 5 

Fistulotomias........................................................................ 5 

Hemorrholdectomias ............................................................ 5 

Inversões da vaginal .......................................................... 5 

Sepultamento de ulceras gastro-duodenaes perfuradas.... 4 

Operação de Ivanissevitch................................................. 3 

Operação de Ombredanne (ectopia testicular) ............ 3 

Emasculações totaes............................................................. 3 

Anus ilíacos .......................................................................... 3 

C. R. hérnias cruraes estranguladas................ ............. 

Resecções intestinaes .. ........................................ .............. 

Exerese de kysto dermoide................................. ............. 

Salpingectomia ...................................................... ............. 2 

Exerese de kystos torcidos do ovário ............. ............. 

C. R. de fremia umbilical estrangulada......... ............. 

Amputações de membros .................................... ............. 

Cholecystectomia ................................................................ 

Gangliectomia lombar . .. ................................................ 

Gastroenterostomia . ......................................................... 

Cerclagem da rotula.......................................................... 

Operação de Albee (enxerto vertebral)......................... 

Nephrectomia ...................................................................... 

Nephrostomia e retirada de calculo ............................... 

Trepanação da tíbia ......................................................... 

Prostatectomia.................................................................... 

C. R. hernial crural ....................................... ........ 1 

Saphenectomia........... .................................... .................... 

Arthrotomia ................................................... .................... 

Coecopexia ................... .................................... ................... 

Castração..................... ....................................................... 

Sympatectomia periarterial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

Cystostomia ......................................................................... 

Cholecystostomia ......... .................................... .................. 

Drenagem da íosse iliaca direita .................... ........ 

Esplenectomia .................................................. .................. 

2) — Anesthesias : 

Local..................................................................................... 62 

Balsoformio ........................................................... ............. 50 

Rachidiana........................................................................... 20 

Ether .................................................................................... 10 

Peridural segmentaria ...................................................... 5 

Eunarcon .......................................... .................................. 3 

3) — Diagnósticos : 

Appendicites ........................................................................ 51 

Hérnias inguinaes .............................................................. 24 

Hérnias inguinaes estranguladas ................................... 7 

Fistulas anaes..................................................................... 6 

Feridas penetrantes do abdomen ................................... 6 

Hemorrhoidas ...................................................................... 5 

Hydroceles da vaginal ............................ ........... .............. 5 

Ectopias testiculares ......................................................... 

Ulceras duodenaes....................... ..................................... 4 

Ulceras gastro-duodenaes perfuradas ........................... 

Varicoceles ........................................................................... 

Epithelíomas do penis ...................................... ................ 

Canceres do recto.............................................................. 3 

Hérnias umbilicaes estranguladas ............................... 

Peritonites agudas generalizadas..................................... 

Canceres do estômago ...................................................... 

Kystos dermoides............................................................... 

Roturas de prenhez ectopica .......................................... 2 

Kystos torcidos de ovário................................................ 

Esmagamentos de membros ............................................ 

Cholecystite.................................... ..................................... 

Gangrena do pé ........................................................... 

Fractura de rotula ............................................... 

Mal de Pott .................................................................. 

Fistula estercoral ...................................................... 

Tuberculose renal ..................................................... 

Lithiase renal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

Osteomyelite aguda ....................................................... 

Adenoma prostatico ...................................................... 

Hérnia crural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 

Varizes da perna ....................................................... 

Arthrite suppurada do Joelho ................................... 1 

Ulcera de perna.. ................................................ ............. 

Occlusao intestinal ....................................................... 

Câncer de bexiga ............................................................... 

Rotura traumática de baço ............................................ 

Varicocele pelvice .............................................................. 

Ferida penetrante do thorax .......................................... 

Pancreatite edematosa, com peritonite biliar sem per- 

Furação ............................................................................... 

Abscesso appendicular ...................................................... 

Volvulo da sigmoide.......................................................... 

VI — RESULTADOS E CONCLUSÕES 

1°. — As complicações devidas ao shock : — Só cedem, evidentemente, ao tratamento 

do shock (sol. chloretadas hypertonicas e, eventualmente, infusão massiça de café em 

clyster). Comtudo, a autohemotransfusão contribue, seguramente, para que sobre ellas 

deixem de enxertar-se as complicações do 2°. typo ou infectuosas. 

Tivemos muitos casos de manifestações segmentarias de shock na frlbra lisa 

trachéo-bronco-pulmonar, porém nenhuma dellas evoluiu para a infecção. 

2.° — As complicações infectuosas — não surgiram em nossos 150 casos. 

Em vários dos numerosos casos em que deixámos de fazer a autohemotransfusão, a titulo 

de contraprova, as complicações infectuosas appareceram, sendo tratadas pela 

autohemotransfusão curativa em altas doses (40 a 80 cc.), pelo soro chloretado 

hypertonico, álcool, digital, vitamina C, etc. 

Commentemos alguns casos interessantes : numerosos doentes se 

submetteram à operação com bronchites chro-nlcas ou sub-agudas. Pois bem, após a 

operação, fez-se a autohemotransfusão e essas bronchites ou continuaram na mesma, 

sem se aggravar ou, então, desappareceram. 

De dois doentes que soffreram esplenectomia por ruptura traumática do baço, 

em um foi feita a injecção de sangue — alta, curada, em oito dias. Em outro não se fez 

a autohemotransfusão e manifestou-se-lhe um foco de condensação na base direita. 

Um velho prostatico suffreu uma talha hypogastrica, como tempo prévio á 

prostatectomia. Dada a benignidade da intervenção, não lhe fizemos a 

autohemotransfusão e se constituiu uma cortico-pleurite. 

Curou-se e, operado de prostatectomia, foi-lhe feita a injecção de sangue, 

tendo um post-operatorio respiratório normal. 

Outro doente, que padecia de mal de Pott, submetteu-se á operação de 

ALBEE (enxerto vertebral). Era portador de catarrho chronico das vias aéreas superiores; 

foi operado sob anesthesia geral pelo balsoformio e ficou três mezes no leito gessado 

sem apresentar a mínima complicação pulmonar, tendo-lhe sido feita a 

autohemotransfusão após a operação. 

3°. — Complicações devidas á embolia pulmonar. — Não podemos tirar 

conclusões seguras a respeito deste ponto,em primeiro lugar, porque tivemos apenas 

dois casos e, em segundo, porque só em um foi feita a autohemotransfusão, aliás no 

que não morreu. Comtudo, parece-nos que a autohemotransfusão não pôde impedir a 

formação de uma thrombophlebile nem que desta se desprendam êmbolos. 

4°. — Quanto ás complicações pulmonares post-operatorias nos indivíduos 

tuberculosos, parece-nos que a autohemotransfusão age beneficamente no sentido de 

corrigir a phase de inferioridade orgânica que o acto cirúrgico desperta nesta classe de 

pacientes. 

Tivemos quatro casos de intervenções, em indivíduos tuberculosos comprovados, 

sem complicação pulmonar post-operatoria : duas appendicectomias, uma nephrectomia por 

.tuberculose renal e uma nephrostomia com retirada de calculo coraliforme, em 

indivíduo que se havia submettido a pneu-mothorax therapeutico. 

Só num caso se desenvolveu uma pneumonia tuberculosa, mas o indivíduo era 

portador de tuberculose evolutiva e, operado de appendicite aguda, foi-lhe feita somente 

injecção de 10 cc. de sangue, portanto dose insufficiente, metade da que aconselha o 

autor do methodo. 

Esses casos não nos permittem ainda uma conclusão segura, do mesmo modo 

que os de embolia pulmonar. 

Não resta duvida que as complicações infectuosas, segundo o critério por nós 

estabelecido; são prevenidas seguramente pela prática da autohemotransfusão. 

 

O texto foi transcrito de http://www.davidpecis.com.br/downloads/auto-hemoterapia.pdf 

 

Ubervalter Coimbra
58 anos
- Vitória - ES

[ocultar participação]  [voltar]

Comentários


Quero comentar Total de 1 comentários  -  1 nesta página
[primeira < anterior   Página de 1     próxima >  [última]

Segunda-feira, 18 de outubro de 2021 - 12:00:07
 

Nenhum comentário ainda.

 

Webmaster



envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a lista que contém esta participação]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2021)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org