Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 3.677.043 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 Só podemos supor que é por uma questão mercadológica.

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Ver Opinião - Ver Opinião - Comentário
 Quarta-feira, 28 de abril de 2010 - 19:00:31 
200.20.24.78

Só podemos supor que é por uma questão mercadológica. Pesquisas custam caro, tem de respeitar protocolos que inviabilizam serem feitas de forma mais simples, e, claro, quem as financia, espera de alguma forma, lucrar com os resultados diretos ou indiretos dos resultados destas pesquisas. De tudo que se consegue perceber, a Ah não gera lucro algum, a não ser aos fabricantes de seringas... 

Pelo contrário, nota-se uma menor necessidade de se consumir remédios, em face da homeostase que a Ah proporciona... Daí, médico,s farmácias, e lab farma, não devem ter qualquer interesse na AH. Mas veja, existem diversos tratamentos médicos que usando sangue injetado no corpo do seu doador, restabelece sua saúde, só que são complicados e.. caros: PPP, PRP, ozonioterapia, tampão sanguíneo peridural, fator de crescimenot plaquetário na ortodontia, ortopedia e agora até nas cirurgias plásticas estéticas, injeção de sangue autólogo dentro de olho lesionado, colírio de soro de sangue autólogo, etc... Nestas, o sangue tem um atravesador, que seja, o médico e sua parafernália tecnológica que implementa a Ah tradicional.. 

Os órgãos públicos sempre estão, de alguma forma, ligados e dependentes aos lab farmacêuticos privados... Dê uma busca nas pesquisas da Unicamp, por exemplo, e verá que quase todas são frutos de convênios com grandes laboratórios.. Salvo raras exceções sobre alimentos ou fitoterápicos (algumas)... 

Então fica a pergunta: por que as autoridades de lá ou de cá não fomentam estes estudos nos centros públicos de ciência, como faculdades etc, para ao menso tentar proteger a população que crê na AH? 

Por que as autoridades não apresentam provas das acusações de riscos, complicações efeitos negativos com que tentam nos amedrontar? 

Por que, afinal, não aplicam o verdadeiro método científico no estudo sobre a AH e abandonam o discurso dogmático e preconceituoso? 

Só posso imaginar que estão com o rabo preso por algum interesse... 

Quais? 

 

ALGUNS "INDÍCIOS": 

A FARMÁCIA DO DOUTOR BIRUTA: COMO OS REMÉDIOS SÃO REGULAMENTADOS 

Por que vários medicamentos proibidos nos Estados Unidos são vendidos sem restrições no Brasil; ainda, como funciona a patente de um remédio no Brasil. 

“Mas também se deve lembrar que, segundo relatório entregue pelo ex-presidente Itamar Franco a Fernando Henrique Cardoso, em dezembro de 1994, a Vigilância Sanitária era 

“um dos três principais focos de corrupção no país”.  

(Que milagre moral aconteceu no Brasil para que este quadro mudasse? O governo Lula?)  

 

edicçaõ 096 de setembro/1995 em http://super.abril.com.br/saude/farmacia-doutor-biruta-como-remedios-sao-regulamentados-459626.shtml 

O consumidor brasileiro, com razão, não entende por que medicamentos proibidos, por exemplo, nos Estados Unidos, são autorizados no Brasil. Ou por que drogas que até ontem circulavam sem restrição, hoje são retiradas do comércio como graves perigos públicos. Um consolo: o problema é mundial. Aqui a loucura é maior, é verdade, porque parte dos arquivos do governo evaporou. 

No mundo todo a liberação de remédios é um assunto cabeludo. Primeiro porque sabe-se pouco a respeito dos efeitos colaterais que eles causam. Qualquer medicamento, sem exceção, pode ter efeitos tóxicos...Isso poderia explicar por que algumas substâncias usadas no Brasil, como é o caso da dipirona sódica, o ingrediente ativo da Novalgina, são proibidas nos Estados Unidos. Mas, além das divergências científicas, existe muita pressão das indústrias farmacêuticas sobre as autoridades encarregadas de aprovar a comercialização de medicamentos. Há quem jure de pés juntos que a dipirona só não é autorizada nos Estados Unidos porque as empresas americanas usam outro analgésico, o paracetamol, ingrediente ativo do Tylenol. 

“Os efeitos colaterais de remédios aprovados causam cerca de 2 milhões de internações hospitalares e 140 000 mortes nos Estados Unidos, por ano”, conta Betsy Adams, pesquisadora do próprio FDA. No Brasil, a situação é ainda mais grave, porque o Ministério da Saúde ignora quantos medicamentos existem no país....A Divisão de Medicamentos (Dimed) da Vigilância Sanitária, que seria o endereço certo para quem procura essa informação, perdeu (??) parte dos seus arquivos. O tamanho da encrenca ainda não foi diagnosticado, mas as perdas estão sendo notadas dia a dia, desde janeiro deste ano. A situação atual é a seguinte: quando o secretário da Vigilância Sani-tária, Elisaldo Carlini, pede para ver o processo com os prós e os contras de um remédio, descobre que ele sumiu... Mas também se deve lembrar que, segundo relatório entregue pelo ex-presidente Itamar Franco a Fernando Henrique Cardoso, em dezembro de 1994, a Vigilância Sanitária era “um dos três principais focos de corrupção no país”... “O absurdo é tão grande que havia até uma panificadora no Rio de Janeiro com licença para produzir remédio”, conta Carlini. Até meados do ano que vem eles pretendem, com uma equipe ampliada, recadastrar todos os remédios vendidos no Brasil. 

Além da confusão causada pelo sumiço dos processos, a lei brasileira também facilita o caos. No caso de um novo medicamento, se o aval do governo não é dado em 90 dias, quem entrou com o pedido de aprovação pode entender o silêncio como concessão e sair vendendo o seu remédio por aí. No andar da carruagem da Vigilância, nenhum processo novinho em folha é analisado dentro desse prazo. “Em geral, leva dois anos”, conta o médico Marcelo Azalim, um dos diretores do órgão. Portanto, muita gente pode vender medicamentos desprezando o OK final. 

“O FDA americano é confiável, mas às vezes ele se envolve em questões econômicas”, opina o pediatra Antonio Celso Calçado, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Calçado diz isso porque os americanos são donos da patente de um grande rival da dipirona, ganhando dinheiro cada vez que alguém engole analgésicos feitos com paracetamol, como o Dôrico e o Tylenol. 

 

E OUTRO, MAIS RECENTE: 

SAÚDE & BEM-ESTAR 02/08/2007 - 12:52 | Edição nº 480  

NÃO CONFIE NOS LABORATÓRIOS 

O ex-executivo da Pfizer diz que as práticas da indústria farmacêutica são ilegais e antiéticas 

· Confira o blog de Peter Rost  

Escritor sueco Peter Rost tornou-se o pesadelo da indústria farmacêutica. Ele foi demitido do cargo de vice-presidente de Marketing da Pfizer em dezembro de 2005, depois de acusar a companhia de promover de forma ilegal o uso de genotropin, um hormônio do crescimento. A substância era vendida como um potente remédio contra rugas. A empresa teria faturado US$ 50 milhões com o produto em 2002. No fim da década de 90, quando era diretor da Wyeth na Suécia, Rost denunciou também uma fraude na companhia: sonegação de impostos. Ele diz que agora se dedica a escrever o que sabe contra a indústria em seu blog e em livros. No começo do ano que vem, ele lançará Killer Drug (Remédio Assassino), história de ficção em que um laboratório desenvolve armas biológicas e contrata assassinos para atingir seus objetivos. “Mas eu diria que boa parte é baseada em fatos reais”, afirma.  

 

E MAIS OUTRO: 

 

ESQUEMA COM FARMÁCIA GARANTE A MÉDICOS 30% DO QUE PRESCREVEM 

Reportagem do Fantástico mostrou a prática em Curitiba, Salvador e Rio de Janeiro. A prática é considerada tráfico de drogas - O percentual ($) repassado ao médico varia entre 25% e 45% do total das receitas encaminhadas à farmácia, uma prática proibida pelos códigos - 19/04/2010  

Há médicos que recebem das farmácias mais de 30% do que eles prescrevem aos pacientes. Situações flagradas pelo Fantástico, que já foram muito faladas e ainda não tinham sido mostradas, revelam o pagamento de comissões a médicos para que eles indiquem as farmácias aos pacientes. A prática é proibida pelos códigos de ética das profissões e é considerada crime de tráfico de drogas. ...”Os pacientes estão sendo roubados. Roubados e o médico está ajudando a roubá-los. Isso é prostituição da medicina”...Tem muito médico que recebe de comissão. R$ 20 mil ... 

((É esta Medicina Científica a que estamos submetidos?)) 

fonte: http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1573240-15605,00-FANTASTICO+DENUNCIA+ESQUEMA+ENTRE+MEDICOS+E+FARMACIAS.html 

 

Então se vc conseguir ligar os pontinhos... 

Um abraço.. 

 

Olivares Rocha
44 anos
- RJ

[voltar]

envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a participação que motivou este comentário]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2020)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org