Auto-hemoterapia Informações e debates

            Quem somos

                 auto-hemoterapia o que é? |  informações & debate |  depoimentos |  publicações |  vídeos |  política de privacidade |  pesquisa virtual

ver participações do dia Visitantes: 4.083.840 (início em 30/10/2010)

"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas








Assine a petição
para a Liberação da
Auto-hemoterapia








"Conversa com o
Dr. Luiz Moura:
O que é
auto-hemoterapia?
"


Vídeo na íntegra.

Conversa com o Dr. Luiz Moura

Agora também
subdividido em
60 temas

Busca Saúde
Loading

 Algo para estudar... Auto-Hemoterapia Contribuição para

Auto-Hemoterapia - Informações e Debate - Ver Opinião - Ver Opinião - Comentário
 Quinta-feira, 30 de julho de 2009 - 17:47:09 
parte 1 parte 2 parte 3 parte 4 parte 5

As verrugas ocorrem por falta de magnésio. E devido a essa deficiência os vírus conseguem se multiplicar, criando verrugas.  

 

E se o cloreto ficar úmido dentro do frasco?  

 

Não tem problema, nenhuma importância, o sal não tem tempo de validade, o magnésio não tem tempo de validade, é eterno.  

 

Cálculos renais  

 

A falta de magnésio é que causa os cálculos renais de oxalato de cálcio. O cálcio se precipita e se fixa ao ácido oxálico contido na batata, tomate, espinafre, etc., gerando os cálculos renais de oxalato de cálcio. 

 

Existem outros tipos de cálculos renais?  

Existem os de uratos produzidos pelas carnes - principalmente vísceras - e os de fosfato, que provém dos legumes que têm fosfatos. 

 

O Cloreto de Magnésio freia as metástases do câncer?  

 

Não, isso, frear, eu não digo; mas eu digo, pelo menos retarda, como o professor Pierre Delbet provou no seu livro “A política preventiva do câncer”. O indivíduo - usando uma quantidade suficiente de magnésio a vida inteira - tem a possibilidade de ter câncer incomparavelmente menor do que quem tem carência de magnésio. 

 

Há contra-indicação para o uso do Cloreto de Magnésio?  

 

O único caso que existe é se a pessoa tiver insuficiência renal. Porque o magnésio em excesso se elimina pela urina. Agora se a pessoa não estiver urinando, aí pode passar de uma hipomagnesemia - que é o comum - para uma hipermagnesemia Mas só se a pessoa não estiver urinando normalmente.  

 

Dosagem correta do Magnésio  

 

Por exemplo, uma coisa errada: o cloreto de magnésio vendido nas farmácias na dose de 33g (trinta e três gramas), se dissolver em 1 (um) litro de água pode ser laxante. Aí está realmente excessivamente concentrado, teria que ser 20g (vinte gramas) em 1 (um) litro. Ou essas 33g (trinta e três gramas) devem se dissolvidas em 1 ½ (um e meio) litro de água.  

 

O senhor faz uma demonstração de auto-hemoterapia?  

 

Eu faço. Eu faço, não tem problema, eu tenho o material, o que não falta aqui em casa é material para fazer auto-hemoterapia, aqui em casa é artigo de 1ª necessidade...(então - no DVD - ele aplica na esposa dele)... É uma coisa simples, que pode resultar em tanto sofrimento a menos... 

 

Ictiose  

 

O paciente não teve uma cura rápida, não. Levou mais ou menos 1 (um) ano para a pele mudar completamente e deixar de apresentar aquelas lesões, como se fossem escamas de peixe. A secura da pele era muito grande, ele sentia um prurido terrível, não podendo se controlar e prejudicando o contato dele com os pacientes. Com esse tratamento, com a auto-hemoterapia, ele foi gradualmente melhorando - é verdade que eu dei também vitamina E, remédios que atuavam na pele, vitamina A - mas o que realmente atuou foi a auto-hemoterapia. Receitei também minerais porque a pele dele não tinha vitalidade nenhuma, toda estriada, e com aquelas relevos como se fossem escamas de peixe. Foi o único caso que eu tive de Ictiose.  

 

AIDS  

 

Há muitos pacientes aidéticos que fazem a auto-hemoterapia e estão se dando bem. Eles mantêm as taxas que se chamam CD4 em níveis razoáveis. Como eles fazem uso também de outros medicamentos, eu não posso atribuir só à auto-hemoterapia. Há uma melhora, o paciente vive bem, eu tenho pacientes com muitos anos vivendo com AIDS, e vida normal. Mas eles também fazem uso destes coquetéis junto com a auto-hemoterapia. Como a auto-hemoterapia só atua na parte imunológica e é uma doença que atinge o Sistema Imunológico (imunodeficiência adquirida), pode ser que a auto-hemoterapia esteja dando uma contribuição nesta sobrevida de boa qualidade. 

 

Um caso de cura de AIDS 

 

O caso foi de um dentista que se contaminou com o vírus do HIV no consultório. Ele não era um paciente de risco. Era de risco no sentido de que não se protegia das feridas de aidéticos que ele tratava no consultório. Fez um exame e deu o HIV positivo. Mandei que ele repetisse, porque eu sabia que ele não era promíscuo, só vivia com a mesma mulher, era meu cliente desde os 4 (quatro) anos de idade, era um mestre em soltar pipa, eu o conheci desde pequenininho. Curei a asma dele quando tinha 5 (cinco) anos. Resolvi receitar a auto-hemoterapia para ver o que dava, depois do 2º (segundo) exame que deu positivo, foram 2 (dois) semestres. Primeiro fez em 2 (dois) laboratórios. E, 6 (seis) meses depois, deu positivo de novo. No 3º (terceiro) exame, 6 (seis) meses depois, ele me telefonou, véspera de Natal, dizendo que tinha uma grande notícia para me dar. E a notícia era que tinha dado negativo. Então eu falei com ele: “Não festeje já. Repita esse exame em outro laboratório.”. Ele repetiu e deu negativo. Já se passaram uns 6 (seis) anos. Está negativado até hoje. 

 

Se isso foi por que ele tinha uma saúde muito boa e a auto-hemoterapia foi a força a mais do Sistema Imunológico que derrotou o vírus HIV e conseguiu acabar com ele, eu não sei dizer. Foi um doente que eu tratei em condições muito boas, desde o início. A maioria dos outros são doentes que já trato quando já estão com o HIV há... 3 (três) anos... 5 (cinco) anos... 8 (oito) anos... É diferente. Esse foi logo no início - com 2 (dois) meses de HIV - que eu comecei o tratamento.  

 

Um paciente com Hepatite C  

 

Ele se deu muito bem, quer dizer, conseguiu controlar a doença. A doença não teve progresso ao longo de anos e vem se dando muito bem com a auto-hemoterapia. Não chegou a fazer uso destes tratamentos modernos que é o Interferon Perguilhado. Não está negativado, porém tem as provas de atividade hepáticas muito boas, sempre normais. Mas o vírus, os marcadores de vírus, permanecem. Mas isso vai permanecer o resto da vida, porque, em todos os casos de hepatite, sempre os marcadores permanecem. A pessoa pode curar a doença, mas fica a marca.  

 

Uso associado da auto-hemoterapia com Ascaridil  

 

O Ascaridil é um medicamento que foi e é usado para vermes. A matéria-prima genérica chama-se: Cloridrato de Levamisol. A ação imuno-moduladora do Ascaridil foi descoberta por acaso por médicos americanos que, fazendo uma campanha contra a verminose na Califórnia, verificaram que os pacientes com leucemia tinham melhorado. Eles resolveram estudar o Cloridrato de Levamisol e descobriram que ele tinha um enorme potencial de estímulo imunológico, e funcionava em uma série de doenças. Em herpes, funcionava muito bem, herpes simples, herpes zoster e até em hanseníase ele foi usado com ótimos resultados, artrite reumatóide e também em câncer, estimulando o Sistema Imunológico. Usavam como coadjuvante da quimioterapia e da radioterapia. 

 

Misteriosamente, o produto com esta finalidade que se chamava Stimamizol foi retirado do mercado. Como eu tenho a cópia da bula do Stimamizol, juntei com a cópia da bula do Ascaridil. Dou essas cópias para meus pacientes, para que compreendam o motivo de receitar remédio contra vermes para curar artrite reumatóide, herpes, etc.  

 

A dosagem de Ascaridil  

 

O Cloridrato de Levamisol é um modulador imunológico, ele não é apenas um estímulo imunológico. Somando o Cloridrato de Levamisol à auto-hemoterapia - um modulando, o outro estimulando - funciona muito bem nas doenças auto-imunes. Tomando 2 (dois) comprimidos por semana durante 8 (oito) semanas - depois dando um intervalo de um mês para descansar, liberar o organismo do produto - e repetindo o que foi feito, vai ajudar muito numa doença auto-imune que chama-se artrite reumatóide. Além disso funciona no mal de Hansen, na brucelose e dá excelentes resultados no herpes simples e zoster - os dois tipos, genital, labial. Os 2 (dois) comprimidos de Ascaridil, na dose de 150mg (cento e cinqüenta miligramas), devem ser tomados em (2) dois dias seguidos, 1 (um) por dia, durante 8 (oito) semanas.  

 

Mulheres grávidas ou amamentando podem fazer uso da auto-hemoterapia?  

 

As mulheres grávidas podem fazer auto-hemoterapia, não há perigo nenhum. Amamentando, o leite vai conter mais anticorpos do que se ela não fizer a auto-hemoterapia. A criança vai receber um reforço imunológico.  

 

As pessoas que fazem quimioterapia podem fazer uso da auto-hemoterapia?  

 

As pessoas que estão fazendo quimioterapia devem fazer a auto-hemoterapia. No caso da radioterapia não há necessidade de fazer a auto-hemoterapia, porque não vai acrescentar nem beneficiar nada. Como a quimioterapia afeta negativamente o Sistema Imunológico - porque ela atua como imunossupressora, não só sobre as células neoplásicas ou cancerosas, mas também sobre as células boas, de defesa - então a auto-hemoterapia feita simultaneamente evita que o Sistema Imunológico baixe demasiadamente. Porque não existe ainda uma quimioterapia que seja dirigida especificamente para as células cancerosas, ela debilita também as células de defesa e aí a auto-hemoterapia vai contrabalançar, vai reduzir seus efeitos nocivos. 

 

A auto-hemoterapia é válida nas complicações de diabetes?  

 

Seria válido, porque no caso da gangrena, por exemplo, eu tive uma paciente que teve uma úlcera de perna, de pé, aliás, pegou o tornozelo dela, e já se via até os tendões. Era um caso que chegou no nível de amputação. Estava marcado para 2 (dois) ou 3 (três) dias depois, a amputação deste pé. Essa senhora era diabética há muitos anos. Fui chamado para atendê-la e achei que deveria ser tentada a auto-hemoterapia, para evitar a amputação. Ela fez o tratamento de algumas semanas, a úlcera fechou e não teve que amputar. Veio a falecer uns 20 (vinte) anos depois, com o seu pé. Ela faleceu em conseqüência da diabetes - de um acidente vascular agudo, enfarto do miocárdio, porque a diabetes produz esses acidentes vasculares. Mas ela morreu com o pé que seria amputado uns 20 (vinte) anos antes. Quer dizer, ela ganhou 20 (vinte) anos de uma qualidade de vida maior porque já podia caminhar, andar perfeitamente sem uso de nenhum aparelho. 

 

Na cegueira acontece que a diabetes produz uma arterite, uma inflamação na íntima das artérias, é por isso que leva à cegueira, à falta de oxigenação dos tecidos em função do entupimento. A auto-hemoterapia pode realmente influenciar em alguma coisa, porque dá uma proteção maior à célula, aumenta a resistência da célula a essa irritação da glicose. Não que ela cure - ela não atua curando a diabetes, de maneira nenhuma - mas ela, pelo menos, protege a célula e os efeitos adversos levam mais tempo para ocorrer. É uma forma de retardar a destruição celular que ocorre em função da diabetes, que vai afetando todo o sistema vascular - não só os pequenos vasos, afeta os maiores depois. É uma doença que precisa ser combatida com muitos medicamentos que atuam contra os radicais livres. Não é só controlar a glicose, é necessário evitar agressão à célula pelos radicais livres, isso com vitaminas A, E e C, selênio e várias substâncias que protegem a célula  

 

 

Amplitude da auto-hemoterapia  

 

Realmente a amplitude da ação da auto-hemoterapia é muito grande. Porque ela atua sobre o Sistema Imunológico de um modo geral, quadruplicando uma área do Sistema Imunológico que é o Sistema Retículo-Endotelial, aumentando os macrófagos de 5% (cinco por cento) para 22% (vinte e dois por cento) - e eles são os responsáveis por toda essa limpeza.  

 

A auto-hemoterapia, aumentando o número de macrófagos, faz com que todo o sistema de atuação dos agressores que ocorrem no organismo - seja de vírus, seja de bactérias, seja de células anormais, pré-cancerosas - tudo isso possa ser inibido pela ativação do Sistema Imunológico. Realmente a auto-hemoterapia tem uma aplicação muito ampla, além de que constatei que ela atua numa área do sistema nervoso, que é a área do sistema nervoso autônomo. Ela organiza o sistema vago simpático e com isso dá uma tranqüilidade maior às pessoas.  

 

As pessoas tensas tendem a ser simpaticotônicas, e isso causa contração vascular, isso favorece a hipertensão. A auto-hemoterapia vai manter sob controle a pressão, mantendo o equilíbrio correto entre o sistema vago - que dilata os vasos - e o sistema simpático, que contrai. É uma outra ajuda, junto com outros recursos. É um auxiliar no combate à hipertensão, que é uma doença que atinge bilhões de pessoas no mundo, devido às tensões do stress da vida moderna, do medo, da insegurança. Hoje a hipertensão está se tornando um problema de saúde pública muito grave. E a auto-hemoterapia, pelo menos equilibrando o sistema neurovegetativo, já contribui para que as conseqüências da hipertensão sejam menos graves.  

 

A auto-hemoterapia é sempre benéfica?  

 

Sempre. Porque o mínimo que se pode dizer é que existe uma curva. O Sistema Imunológico cresce a partir do nascimento, a criança nasce com o Sistema Imunológico praticamente não funcionante. Ela recebe a última carga da placenta quando esta se contrai e joga uma quantidade enorme de anticorpos para dentro da criança. Durante 6 (seis) meses ela vive protegida por estes anticorpos que ela recebeu da mãe. Seria o caso de, durante a gravidez, a mulher fazer a auto-hemoterapia para que a criança nasça com o Sistema Imunológico potencializado. Terminando esse período de 6 (seis) meses é que começam as doenças infantis, exatamente porque terminou a reserva imunológica da criança. A criança começa então a construir o seu próprio Sistema Imunológico, lutando contra os agressores que estão em volta. Neste período começa o programa de vacinação. A vacina produz o mesmo efeito das agressões produzidas pelas doenças: é a doença atenuada, apenas de uma forma que o organismo não corre o risco de adoecer, a não ser que seja uma vacina defeituosa - mas se estiver perfeita não causa doença, ela produz imunidade à doença. 

 

Então a criança vai crescendo, seu Sistema Imunológico chega ao pique máximo entre os 14 (catorze) e os 16 (dezesseis) anos, quando ele atinge a plenitude Aí se mantém neste nível até em torno dos 50 (cinqüenta) aos 55 (cinqüenta e cinto) anos. Começa então o declínio do Sistema Imunológico quando o timus - a glândula que comanda todo o Sistema Imunológico - começa a atrofiar. Daí por diante, a auto-hemoterapia tem um enorme valor porque vai retardar essa curva de declínio. Então seria aí indispensável. 

 

Há pessoas que têm o Sistema Imunológico menos deficiente, outras mais, dependendo da alimentação. Há pessoas que se alimentam muito mal, com falta de nutrientes que estimulam o Sistema Imunológico, como vitaminas, sais minerais ou proteínas, porque o anticorpo é formado de proteína. Se elas têm uma alimentação deficiente, vão ter um Sistema Imunológico deficiente. É por isso que há muitas pessoas que vivem a vida praticamente sem doenças - resistindo a toda a agressão do meio ambiente - e outras sempre estão doentes. Mas a auto-hemoterapia ajudaria neste caso, para contrabalançar essa deficiência na área de alimentação.  

 

Intervalos menores que 7 (sete) dias são prejudiciais?  

 

Nenhum mal, porque apenas do 5º (quinto) ao 7º (sétimo) dia é que o sangue já está praticamente reabsorvido. E o estimulo imunológico - que ocorre em função desse sangue significar corpo estranho no organismo e que faz o Sistema Imunológico se ativar para rejeitar esse sangue - está declinando. Se fizer com menor espaço de tempo, não há esse declínio - ele se mantém sempre naquela faixa dos 20% (vinte por cento) a 22% (vinte e dois por cento) de macrófagos, quando o normal é 5% (cinco por cento) -, não vai haver nenhum prejuízo. Não há é necessidade, vai sacrificar o paciente. Só quando eu preciso que o paciente se mantenha no nível máximo eu faço com 5 (cinco) dias de intervalo.  

 

A auto-hemoterapia pode ser feita sem pausa?  

 

Perfeitamente. Eu só mando fazer interrupção exclusivamente para descansar músculos e veias.  

 

A variação de dosagens - 5 (cinco) ml, 10 (dez) ml, 20 (vinte) ml - faz também aumentar a taxa de monócitos?  

 

Não. A única diferença é que, nas doenças auto-imunes, eu às vezes uso até 20 (vinte) ml, nos casos mais graves. E dividindo em 4 (quatro) lugares, aplicando 5 (cinco) ml em cada braço e 5 (cinco) ml em cada nádega. Provoco com isso o desvio do Sistema Imunológico viciado em atacar o próprio corpo, que, em lugar de cumprir a função dele - que é nos defender dos agressores - ele está atuando contra o próprio corpo, como se fosse um inimigo. 

 

No caso da artrite reumatóide, afeta as articulações e cria até deformações. Acredito que esteja pensando atender a um pedido do inconsciente para desviar um sofrimento psíquico para uma área física. E com isso - enquanto esta pessoa está preocupada com seus ossos, seus dedos deformados - esquece os problemas que motivaram o desvio. É uma desgraça sofrer fisicamente, só para aliviar psiquicamente as tensões, mas acontece, e eu tenho provas disso.  

 

A partir de que idade crianças podem fazer auto-hemoterapia?  

 

Ai depende muito da criança, porque eu já tive há pouco tempo uma criança asmática grave de 5 (cinco) anos que aceitou perfeitamente a auto-hemoterapia. Tinha um controle emocional tão bom que, eu explicando a ela que ela ia ser beneficiada, se convenceu. Quem mais sofre, quando ela toma a auto-hemoterapia, é a mãe. 

 

E a auto-hemoterapia na geriatria?  

Para mim, a área em que deveria ser mais utilizada a auto-hemoterapia é dentro da geriatria. Justamente porque corresponde à época em que o Sistema Imunológico está em declínio.  

 

A auto-hemoterapia funciona na cicatrização de escaras?  

Funciona, ajudando a cicatrização das escaras. Lógico que não pode colocar peso sobre o local. Devem-se usar protetores, porque a escara é produzida por um atrito contínuo da pele sobre o leito. Além do atrito, há a falta de oxigenação pela pressão local, os vasos sanguíneos não abastecem de oxigênio os tecidos, eles tendem a se destruir, mas a auto-hemoterapia vai ajudar a reconstruir e a cicatrização vai se tornar mais rápida.  

 

E o HPV?  

 

É, esse vírus é muito freqüente no colo do útero. Não tenho experiência porque não sou ginecologista, mas acho que valeria, porque como a auto-hemoterapia atua de modo geral contra vírus - e o HPV é um vírus -, eu acho que deveria também ser usada. Os ginecologistas é que teriam que fazer a experiência e introduzir isso numa prática comum. Se funcionar bem - como eu acredito que deve funcionar, pois funciona em outros vírus - não será nesse caso que será diferente.  

 

 

 

E no vitiligo?  

 

Os pacientes portadores de vitiligo pioram quando ficam tensos. Como o sistema neurovegetativo é equilibrado pela auto-hemoterapia, evitam-se essas recaídas, essas fases ruins em que há um aumento muito grande das manchas do vitiligo. Mas não vai curar o vitiligo, não vai ter nenhum efeito de cura. 

 

Nas amigdalites de repetição?  

 

É altamente válido, muito válido. Há um tipo de amidalite em que eu usei a auto-hemoterapia com resultado muitíssimo bom. É a amigdalite devida ao estreptococo beta hemolítico. É a amidalite que resulta em febre reumática, causando dano ao coração, com atrofia da válvula mitral, que depois só a cirurgia vai corrigir. 

 

Essa amigdalite é extremamente resistente aos antibióticos. E a auto-hemoterapia junto - logicamente junto com o antibiótico - vence a bactéria. Já curei muitos casos de febre reumática em que a origem dessa infecção era na garganta. Nas amígdalas é onde os micróbios se alojam e se protegem. 

 

No João, por exemplo, que hoje já é homem, quando criança teve febre reumática gravíssima. E foi a auto-hemoterapia que o curou. Ele ficou sem lesão nenhuma. 

 

Outro caso, em Petrópolis, foi considerado até perdido, nunca vi antiestreptolisinas - ASO que é a sigla - alcançar a cifra de mil e tantos, quando o normal vai até 200 (duzentos). Foi a auto-hemoterapia que conseguiu salvar essa menina.  

 

Como a auto-hemoterapia pode ajudar um paciente com câncer?  

 

Como ainda não se descobriu uma quimioterapia especifica para célula cancerosa, a quimioterapia atua também sobre as células normais, baixando com isso o nível imunológico e fazendo com que o paciente se torne vulnerável a outro tipo de câncer - ou à repetição daquele câncer em outro órgão, a metástase. Mantendo o Sistema Imunológico ativado, a quimioterapia vai ter o seu lado positivo de destruir a célula cancerosa. E vai ter minimizado o lado negativo que destrói as células boas que protegem contra a repetição desse câncer. 

 

No caso da radioterapia - que também a radioterapia prejudica muito o Sistema Imunológico - a auto-hemoterapia poderia resgatar esse prejuízo, reativando o Sistema Imunológico, evitando um outro câncer. 

 

Então é valido nos dois casos. Agora, não dizer que vai curar o câncer. Ela vai ajudar os meios que curam o câncer, radioterapia ou quimioterapia. Ou no caso mesmo de uma cirurgia, em que algumas células ficaram fora do tumor retirado e que poderiam, através dos linfáticos, atingir outros órgãos. A auto-hemoterapia pode evitar que essas células progridam, evitando a multiplicação. Vale a pena também.  

 

Há tipos de câncer incompatíveis com a auto-hemoterapia?  

 

Nenhum. Em todos deve ser usada. Pode ser usada em qualquer caso. Não há nenhum caso em que a auto-hemoterapia não seja útil. Pode não ser suficiente, mas de qualquer maneira, pelo menos, vai evitar que o tumor se torne mais invasivo. Vai ser uma ajuda.  

 

 

 

Surtos epidêmicos e auto-hemoterapia?  

 

Nisso funcionaria, aí seria de grande valor, de uma economia enorme. Porque as pessoas que estivessem já atacadas por um desses males, elas teriam a sua recuperação mais acelerada. Seria menos tempo de doença, porque quem cura realmente é o Sistema Imunológico, não é antibiótico que cura. O antibiótico é apenas bacteriostático, só faz evitar a reprodução dos micróbios, mas quem termina de curar a infecção é o nosso próprio Sistema Imunológico. Então, isso seria no caso, uma ação da auto-hemoterapia. 

 

As pessoas que ainda não se contaminaram, se estivessem sob a ação da auto-hemoterapia e com o seu Sistema Imunológico ativado, não teriam a doença, evitando que a doença se espalhasse em número maior de pessoas. Um detalhe importante: quando a doença vai se repicando de uma pessoa a outra, o micróbio ou o vírus se torna cada vez mais ativo e mais virulento. É como um exercício que ele faz, se tornando mais violento. 

 

Então seria de grande valor a prática corrente de todos fazerem a auto-hemoterapia. O Ministério da Saúde tomou excelente medida implantando a vacinação contra a gripe. Como não tem recursos para estender a vacinação a toda a população, escolheu um grupo de risco que é o idoso. Eu e minha mulher, que somos idosos, não tomamos a vacina antigripal porque a auto-hemoterapia nos protege. Como também essas vacinas se limitam a dois ou três tipos de vírus, normalmente três, e há uma centena de vírus de gripe, eu prefiro a auto-hemoterapia, que pelo menos eu estou com resistência a todos os vírus, essa é a razão principal.  

 

E no acidente vascular cerebral (AVC)?  

 

Ajuda demais, desde que seja feito o mais rapidamente possível depois do Acidente Vascular Cerebral. Porque se for um acidente hemorrágico, a auto-hemoterapia aumenta os macrófagos que devoram a fibrina que está entupindo os vasos, restabelecendo a circulação muito mais depressa.  

 

Tive há pouco tempo um paciente que teve um acidente vascular, lá em Visconde de Mauá, e eu logo prescrevi a auto-hemoterapia. A recuperação foi muito mais rápida do que seria só com a fisioterapia, praticamente deixando a natureza fazer a fagocitose dessa fibrina. Desentupir com 5% (cinco por cento) de macrófago é bem mais lento do que com 22% (vinte e dois por cento). Por isso nesses casos eu passo de 5 (cinco) em 5 (cinco) dias para não haver a queda. 

 

E na hipertensão arterial?  

A hipertensão não é entupimento, é espasmo arterial. Vale a auto-hemoterapia porque a hipertensão é mais de origem psicossomática, 95% dos casos de hipertensão são hipertensões chamadas essenciais. É o nome que a medicina dá quando não existe uma causa definida. Sabe-se que tem muita relação com o lado emocional e é a grande maioria. 

 

Existe um número pequeno em que a hipertensão é renal. A substância que produz a hipertensão se chama renina. Existe outro número de hipertensos devido ao sangue circular mal, por estar com excesso de colesterol VLDL, colesterol LDL e triglicerídeos. Então há uma hipertensão porque o sangue circula com menor velocidade, mas de qualquer maneira a auto-hemoterapia funciona muito bem, porque vai atuar no caso mesmo da essencial, essa que representa mais de 90% dos casos. Atua no sistema neurovegetativo, reequilibrando o vago-simpático. A hipertensão é uma dominância do sistema simpático - que contrai os vasos - sobre o sistema vago, que dilata os vasos. E, reequilibrando, a auto-hemoterapia ajuda no tratamento da hipertensão.  

 

 

 

E na gota?  

 

Também, porque remove o ácido úrico. Na gota o ácido úrico ultrapassa os 7 (sete) mg por litro, indo a 8 (oito) mg, 10 (dez) mg por litro. O ácido úrico se cristaliza dentro dos tecidos sob forma de agulhas e é por isso que é tremendamente doloroso. A auto-hemoterapia vai fazer com que esses cristais sejam vistos pelo Sistema Imunológico como corpo estranho. E vai eliminá-los. 

 

Esporte e a auto-hemoterapia?  

 

Quando Beckenbauer pendurou as chuteiras, disse que atribuía seu desempenho físico à auto-hemoterapia. Antes de cada jogo ele fazia uma auto-hemoterapia de 10 (dez) ml e atribuía a isso tanto a saúde que tinha quanto a resistência física nos jogos. Essa foi a declaração dele quando deixou de ser jogador e passou a ser técnico da seleção alemã.  

 

Poliomiosite e dermatomiosite?  

 

Poliomiosite, como a dermatomiosite e a artrite reumatóide, são doenças auto-imunes. Em toda doença que tem uma origem auto-imune - quer dizer, tem como origem uma perversão do Sistema Imunológico, que ataca o próprio corpo como se fosse um corpo estranho - é válido o uso da auto-hemoterapia. Porque, em primeiro lugar, a aplicação do sangue, se for difundida em vários lugares (melhor ainda) desvia a agressão imunológica para o sangue, diminuindo a pressão da agressão sobre os tecidos que estão sendo agredidos.  

 

Experiência eu tive com paciente de dermatomiosite, mas de poliomiosite ainda não tive nenhum caso, porém vai funcionar da mesma maneira. Isso porque vai primeiro desviar. E a segunda razão de funcionar nas doenças auto-imunes é que o sangue atinge praticamente cada milímetro cúbico do nosso corpo, exceto os cabelos e os pêlos. Cada centímetro quadrado da pele e cada centímetro quadrado de qualquer órgão estão sempre com sangue. Os ossos têm menos, mas há sangue na medula óssea. 

 

Como o sangue está em todo lugar, e como essas doenças auto-imunes são uma inversão da função imunológica, quando o Sistema Imunológico é desviado, primeiro diminui a pressão da agressão. 

 

E segundo - e aí é muito importante, mas não posso provar, porque só a pesquisa laboratorial poderia fazê-lo -, como o sangue contêm os mesmos elementos que o Sistema Imunológico está agredindo, seja qual for a doença auto-imune, vai criar uma espécie de perplexidade. Vai ficar em dúvida, dizendo: “Porquê eu estou agredindo a mim mesmo, se esse sangue contêm os mesmos elementos que estou agredindo?”. Então o Sistema Imunológico faz um reconhecimento do que é próprio e do que não é próprio. Quer dizer, o Sistema Imunológico estava agredindo o corpo como se fosse um corpo estranho, e vai acabar reconhecendo essas áreas como próprias, através dos elementos do sangue que são os idênticos aos daquelas áreas agredidas. 

 

Mas isso eu não posso provar. Isso é apenas um exercício de inteligência, para tentar explicar o porquê das curas de doenças auto-imunes, curas definitivas. A melhora é muito bem explicada: a agressão é desviada para o sangue aplicado no músculo e naturalmente diminui a agressão nos lugares onde o Sistema Imunológico esta agredindo. Isso é uma parte, mas a outra, essa da cura, a única explicação é a indução do que se chama tolerância imunológica. Isso é o que ocorre nas alergias, nas quais tenho ótimos resultados. As alergias são uma intolerância imunológica contra substâncias que agridem e que acabam afetando o próprio organismo. A auto-hemoterapia é um excelente recurso terapêutico para tais casos.  

 

Dois casos de disritmia e convulsões  

Nesses casos, duas crianças tinham comprovadamente uma disritmia. Eram disrítmicas, o eletroencefalograma delas era anormal e tinham convulsões que são chamadas convulsões epiléticas. As doses de fenobarbital que estavam usando eram tão altas que as crianças já não estavam tendo convulsões, mas praticamente estavam impossibilitadas de estudar e de andar de bicicletas. Não tinham condições para mais nada. Usei a auto-hemoterapia nestas duas crianças para eliminar esse excesso de barbitúricos que estava impregnando o cérebro delas. 

 

Acontece que - depois que houve a desimpregnação - as crianças passaram a ter uma atividade normal, podendo brincar à vontade, andar de bicicleta. Deixaram de ter as crises convulsivas, sendo que uma delas há seguramente 20 (vinte) e tantos anos. E a outra, aqui de Mauá, há uns 3 (três) anos, mais ou menos.  

 

Se eu tivesse depois pedido o eletroencefalograma dessas crianças e comparado com o anterior - antes de elas começarem o uso dos barbitúricos - essa comparação é que poderia provar se atua realmente corrigindo as ondas cerebrais, colocando em nível de normalidade. Isso é uma coisa que futuramente pode se provar com a maior facilidade, é que eu apenas pensei, como clínico, resolver o problema que havia. E depois o outro resultado foi inesperado, nem era o objetivo da auto-hemoterapia.  

 

Medicina  

 

Medicina é a arte de curar. Eu só tenho um único compromisso com meus pacientes: aliviar o sofrimento e, quando possível, curar. Por isso que não respeito os padrões chamados científicos. Para mim o que comprova qualquer coisa é o efeito do tratamento. Se ele produz benefícios para o paciente é um tratamento científico, mesmo que não saibamos qual o mecanismo de ação deste tratamento. Eu uso recursos - sejam quais forem - para beneficiar os pacientes, para que tenham alívio do sofrimento e, se possível, a cura.  

 

Como tenho uma mente investigativa, não me satisfaço com isso e procuro encontrar uma solução, algo que me satisfaça, que eu entenda como o tratamento funcionou. Por exemplo, no caso das alergias: o paciente fazendo a auto-hemoterapia tem uma grande melhora. A alergia na realidade não é nem doença, é uma reação exacerbada do Sistema Imunológico, devido ao grande número de agressões que o ser humano sofre no dia a dia. O ar que ele respira, poluído, os alimentos que contém substâncias conservantes, mas que trazem prejuízo, corantes usados nos alimentos. Isso tudo são agressões, então o organismo das pessoas mais exigentes luta demasiadamente contra isso. Há até já uma suspeita bem fundada de que as pessoas que são muito alérgicas têm muito menos chance de ter câncer, porque têm um Sistema Imunológico mais zeloso, mais ativado. Isso já é uma suspeita, não é provado. 

 

Procurei encontrar uma solução para explicar o que é alergia e o que representa a cura através da auto-hemoterapia. E inventei uma forma que me satisfez: como o alérgeno é um corpo estranho, ele não é aceito pelo Sistema Imunológico, daí a briga contra ele, e daí as conseqüências para o paciente. Se tem alergia a inalantes, o que acontece? Começa a espirrar, tentando eliminar o alérgeno pelo catarro. Se esse alérgeno vai para os pulmões, o Sistema Imunológico produz uma secreção para tentar, pela tosse, eliminar esses alérgenos. Na realidade é uma forma de defesa, não é nem doença, é uma defesa contra o que está fazendo mal, o que não deveria existir no ar que ele está respirando, não deveria existir no alimento que ele está comendo.  

 

O que acontece quando se faz a auto-hemoterapia? Esses alérgenos acabam indo para o sangue, eles acabam se fixando, passando para os pulmões, passando para o nariz, para o sangue. Porque todos esses órgãos estão cheios de sangue. Quando o Sistema Imunológico vai lutar contra esse alérgeno, ele vai identificar o alérgeno, vai captá-lo e vai tratar de eliminá-lo, como um corpo estranho. Ao mesmo tempo, vai descobrir como inativar o alérgeno, como vai lutar contra ele, já que ele identificou como corpo estranho, induzindo o que se chama tolerância imunológica. Acaba aceitando como próprio o que antes considerava um inimigo. 

 

O maior alergista que o mundo conheceu, viveu 2.000 anos Antes de Cristo. Chamava-se Metrídates, um rei grego. Quando tinha 10 anos de idade, descobriu que tomando doses diminutas e crescentes de 2 venenos usados para matar os reis - a cicuta e o arsênico, que eram colocados no vinho - ele ficava imune. Não sei como ele descobriu isso. Sei que o prazer dele era ter sempre um provador que tinha que tomar o vinho. Quando o provador caía morto, fulminado com um gole, ele tomava o resto da taça do vinho e era considerado pelo povo como tendo poderes divinos. Ele descobriu que o próprio veneno criava a defesa contra o veneno. Ele tomava em doses crescentes e esse é o principio da vacina.  

 

Quando se fabrica o soro antiofídico, para depois nos salvar da picada de cobra, injeta-se no cavalo doses crescentes de veneno, até que ele suporte dose que o mataria na primeira dose. O sangue desse cavalo é retirado, separado o soro (a parte branca) e a parte vermelha (dos glóbulos) é jogada fora. A parte branca é que é o soro antiofídico. Mas quem descobriu isso tudo foi o rei Metrídates, 2.000 anos AC.  

 

 

Aos médicos e futuros médicos  

 

Conferir sempre, nunca aceitar nada como ‘isso é coisa do passado’, isso é ‘atrasado’, ‘está fora de moda’. Se possível, sempre somar o antigo com o novo. E sempre conferindo que não haja prejuízo para quem vai usar o tratamento. 

 

Por exemplo: a ventosa, que ficou em desuso, agora está voltando a se usar no Japão. Foi uma grande técnica usada no século XIX. Curava-se a pneumonia com ventosas. Não se sabia nem o por quê, mas eram aplicadas nos pulmões - e salvavam-se os pacientes. Não havia antibióticos naquele tempo. O pneumococo era o mesmo que existe hoje, e se curava a pneumonia. Só depois Reich, com a bioenergética, explicou o porquê da cura. A ventosa puxava um sangue carregado de energia, subia o potencial de energia acima da dos micróbios. E a energia que estava sendo usada pelos micróbios, para se reproduzir, era tirada deles. A ventosa com isso curava a pneumonia. Mas, antes de Reich publicar os seus livros, nos anos 40 do século XX, os médicos usavam a ventosa sem saber disso, sem saber o porquê, já que funcionava. 

 

A grande lição é considerar como objetivo primeiro da medicina o alivio e a cura do paciente. E depois a nossa satisfação como cientista. Quer nós queiramos ou não, todo médico deve querer saber o porquê das coisas, para se satisfazer. Isso é satisfação pessoal. Mas o compromisso que ele tem, não é esse. E sim de aliviar o sofrimento, esse é o único compromisso que ele tem.  

 

Aos pacientes  

 

Primeiro: mente positiva. Porque a mente negativa agrava o sofrimento. O Sistema Imunológico, quando a pessoa fica negativa em relação ao seu padecimento, declina. Se ela crê na sua cura, ela tem toda chance de vencer a doença. Quando ela acha que a doença não tem cura, já reduziu muito sua possibilidade de cura. 

 

Então, é importantíssimo pensar de forma positiva. A mente tem um enorme poder, tanto de cura, como de destruição. Os casos, que estão aumentando, de doenças auto-imunes têm origem na mente negativa. Aquele caso que eu contei da esclerodermia, no Hospital Cardoso Fontes, foi o inconsciente dela que gerou a doença. Ela tinha um filho excepcional, o marido a abandonou, deixando-a sem poder trabalhar. A mente criou a doença para que toda a família fosse socorrê-la, porque ela estava totalmente desvalida, sem nada, com um filho excepcional e sem poder trabalhar, tendo que cuidar dele. A doença foi a solução para o seu problema. E a auto-hemoterapia foi a solução para a doença. 

 

Relação entre emoção, saúde e doença  

 

Emoções aprazíveis, boas, geram saúde. Emoções ruins: medo, medo de violência, ódio, raiva, tristeza, geram a doença. Tudo aquilo que gratifica a pessoa: tranqüilidade, segurança e amor, geram saúde. 

 

Um exemplo simples: uma pessoa sofre de psoríase, está de férias... vai tomar banho de mar, recebe sol, está na praia, a psoríase desaparece toda; volta para o trabalho, no dia seguinte, explode tudo. Por quê? Se ela gostasse realmente do trabalho, o efeito não seria tanto. Mas se ela vai trabalhar no que não gosta - tendo contato com pessoas com quem não se dá, não está feliz ali onde ela está trabalhando - a psoríase desvia sua atenção para seu corpo.  

 

O inconsciente representa em nós 90%. Nós só somos 10% conscientes - 10% racionais e 90% irracionais. E esses 90% nos atende da maneira que ele pode. Ele somatiza as doenças para desviar a atenção do psíquico. 

 

Na realidade a doença muitas vezes não é problema, é solução. Só que depois a pessoa não se conforma com ela, porque traz sofrimento, então ela quer curar a doença.  

 

O que leva a pessoa a mudar o comportamento?  

 

O mais importante é: não chorar sobre o leite derramado. O que não tem remédio remediado está. Essa filosofia muda totalmente a vida. Os chineses consideram a doença como culpa. Eles consideram a doença como algo que a pessoa cria. Nosso lado negativo, esperando sempre o pior, é uma fábrica de doenças, favorecendo a baixa imunológica. A visão otimista das coisas - sempre vendo em tudo que acontece de ruim, algo de bom - muda muito nossa saúde.  

_______Fim da entrevista___________ 

Créditos do Vídeo-Depoimento 

 

Auto-Hemoterapia 

Contribuição para a Saúde 

Conversa com Dr. Luiz Moura 

 

Roteiro, produção, direção 

Ana Martinez e Luiz Fernando Sarmento 

Sonatas 

Mozart 

Interpretação da música 

Adelaide Moritz 

Edição 

Fernando Marcolini 

Câmeras 

Lincoln Caldas e Francisco Carlos Ramos Fernandes 

Agradecimentos 

Vera Moura e Regina Rodrigues Chaves 

Vídeo produzido em 2004 

_______________________ 

 

Para saber mais, 

pesquise na internet 

ä 

 

Campanha + informações diversas atualizadas + vídeo disponível 

 

http://www.campanhaauto-hemoterapia.blogspot.com/  

 

 

Página com indicação de diversos sites 

- vídeos, conceito, artigos científicos: 

 

http://paginas.terra.com.br/saude/Autohemoterapia/  

 

 

Direto a relatos de usuários 

- usuários de auto-hemoterapia trocam informações (+ de 10.000 e-mails até março de 2008): 

 

http://inforum.insite.com.br/39550/ 

 

Relatos, relatórios e informações: 

http://www.orientacoesmedicas.com.br  

Relatórios – por idade, país, estado, município, sexo, ocupação, enfermidade, tempo médio de aplicação, vantagens obtidas, efeitos colaterais, descrições de experiências ou notas de avaliação, clique:  

Pesquisa virtual sobre 

Auto-Hemoterapia 

 

Para ver o vídeo autohemoterapia: 

 

http://www.orientacoesmedicas.com.br/auto_hemoterapia.asp  

 

Ou pesquise autohemoterapia vídeo no 

 

www.google.com  

 

Vídeos, por selecionar: 

http://www.youtube.com/profile?user=eaglestv 

________________________________________________________ 

 

Para quem tem acesso ao Orkut, muitas e diversas informações: 

depoimentos, intercâmbios, conversas, salas de bate-papo, opiniões, 

grupos, artigos científicos, patologias, dúvidas freqüentes: 

http://autohemo.blogspot.com/ 

 

http://www.medicinacomplementar.com.br/tema130206.asp  

Para saber de relatos, pesquise as palavras 

comunidade autohemoterapia relatos no 

 

www.google.com  

Alguns grupos de relatos, por exemplo: 

 

http://groups.msn.com/Auto-Hemoterapia/relatos.msnw 

http://autohemo.blogspot.com/2007/05/comunidade.html 

http://autohemo.multiply.com/links 

Transcrição literal, sem ajustes, daí a linguagem coloquial. 

A SEGUIR REPORTAGENS, ENTREVISTAS E DEPOIMENTOS DE MÉDICOS E USUÁRIOS ATESTANDO A EFICÁCIA DA TÉCNICA. A VERACIDADE DESSAS INFORMAÇÕES PODE SER CONFIRMADA NOS LINKS DISPONÍVEIS. BASTA ENTRAR NA INTERNET PARA CONFERIR... 

Outras entrevistas... Outros médicos defensores da AH: 

S. J. do Rio Preto - Segunda, 11 de fevereiro de 2008  

 

Auto-hemoterapiaGilberto Lopes da Silva JúniorNa década de 40 o saudoso Professor Jessé Teixeira, do qual tenho as melhores recordações, pois quando acadêmico residente do Hospital do Jaçanã, ele era um dos mais conceituados cirurgiões de tórax. Trabalhava no Rio de Janeiro, Hospital dos Marítimos. Pesquisador não acomodado, inventivo por excelência, idealizou varias técnicas, instrumentos cirúrgicos e inclusive escreveu um livro notável sobre câncer do pulmão. Segundo me consta, o professor Jesse Teixeira foi quem idealizou a Auto-Hemoterapia, que se mostrou valiosa na prevenção de infecções de suas operações, quando ainda não havia antibióticos. Procedimento muito simples. Retira-se 5 a 10 ml de sangue venoso, o qual é imediatamente injetado no músculo. O sangue injetado no músculo, agiria como antígeno e estimularia a gênese de anticorpos contra infecções, células cancerosas, processos alérgicos e principalmente doenças auto-imunes. Naquela época, 1940, havia uma “epidemia” de Auto-Hemoterapia. Aqui na Santa Helena o enfermeiro Florêncio, que gostava de chegar muito cedo no Hospital, tinha uma verdadeira clinica de Auto-Hemoterapia. Com o advento dos antibióticos e das vacinas, a Auto-Hemoterapia caiu em desuso. Mas como tudo em medicina é moda, a moda veio, a moda foi e agora esta voltando. Recentemente fui questionado sobre o valor da Auto-Hemoterapia. Mostrei-me totalmente descrente, mas pesquisando melhor e tendo conhecimento que esse procedimento foi idealizado e testado em animais pelo Professor Jesse Teixeira, não posso deixar de reconsiderar e recomendar que experimentem a Auto-Hemoterapia. O procedimento é custo zero. Não apresenta contra indicações ou complicações importantes e tem se revelado valioso auxiliar terapêutico. Os resultados dessa terapia passaram a incomodar e muito os poderosos “picaretas” do mercantilismo assistencial, os quais se organizaram e rapidamente proibiram a Auto-Hemoterapia. Foi uma violência arbitraria que desrespeitou o médico e o paciente. Pela abrangência que envolveu todos os órgãos controladores da Medicina, Farmácia e Enfermagem e pela rapidez com que a medida foi implantada, ficou claramente demonstrado que o médico de hoje esta engessado, mentalmente castrado, a Medicina transformada em zootécnica e o paciente em fonte de lucro e nada mais. GILBERTO LOPES DA SILVA JÚNIORMédico em Rio Preto. 

 

Conheça São José do Rio PretoGrupo Diário de ComunicaçãoFonte: http://www.diarioweb.com.br/artigos/body_artigos.asp?idCategoria=35&idNoticia=92934  

AUTO-HEMOTERAPIA: PERIGOSA PARA O BOLSO DOS MÉDICOS E DOS LABORATÓRIOS FARMACÊUTICOSpor Isabel Raposo Jornal da Serra cantareira 

 

Em 18 de abril, quarta-feira, o Jornal da Band levou ao ar uma matéria mal informada e tendenciosa sobre a auto-hemoterapia. (É um recurso terapêutico de baixo custo, simples, que se resume em retirar sangue de uma veia e aplicar no músculo, estimulando assim o Sistema Retículo-Endotelial, quadruplicando os macrófagos em todo o organismo. Ou seja: fortalece o sistema imunológico. Tem sido utilizado por Dr. Luiz Morura e outros médicos com excelentes resultados. Para mais detalhes veja nos links abaixo). No domingo, 22, o Fantástico também abordou o tema: embora mais sério foi, no entanto, omisso ao afirmar simplesmente que Dr. Luiz Moura “não quis gravar entrevista”. Na noite da própria quarta-feira o Jornal da Serra havia entrado em contato com Dr. Moura (desde algum tempo a auto-hemoterapia está em nossa pauta) e ouviu dele que “poderíamos publicar tudo o que dissessem as pessoas que hoje fazem auto-hemoterapia, mas que ele não poderia nos conceder entrevista porque havia acatado o pedido do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro para que ‘não fizesse alarde’”. No alto de seus 82 anos, sério e seguro de seu conhecimento, apoiado na longa e vasta experiência com auto-hemoterapia, ele está apenas sendo correto com o que foi acordado. Em contrapartida, o Dr. Edson Andrade, presidente do Conselho Federal de Medicina, que se atreve a definir como “picaretagem” o trabalho do Dr. Moura, reforçando ainda possíveis “interesses financeiros”, vai mais longe: tem a petulância de qualificar como “mau caráter” um médico comprovadamente respeitado como Dr. Moura. Será mesmo que Dr. Edson desconhece os efeitos benéficos da auto-hemoterapia? Se desconhece, é lamentável, pois no mínimo os médicos teriam por obrigação se informar a respeito.  

Afinal, a auto-hemoterapia já vem desde o século passado, como a própria Globo informou. Sabemos também que foi utilizada nos soldados durante a Segunda Guerra Mundial. Então podia?... Mas isso ninguém conta. 

FALTA INTERESSE E SOBRAM INTERESSES 

A auto-hemo não interessa financeiramente por ser um procedimento barato.  

Não interessa à medicina oficial nem à maioria dos médicos, porque a doença diminuiria na população; sobre as conseqüências é dispensável dizer; não interessa aos laboratórios farmacêuticos porque nada lucrariam com isso. Esta é a verdadeira razão, mas nenhum canal de TV nem mesmo ousou insinuar. E reduzir os efeitos da auto-hemo a placebo é pífio. 

O mundo vive comprometido com os lucros auferidos às custas da ignorância, da desinformação da população.  

Outro aspecto importante, mas esquecido nas matérias das emissoras de TV: não se pretende fazer da auto-hemo substituta dos tratamentos da medicina oficial; o próprio Dr. Moura a define como “medicina complementar”. 

Nestes tempos de aquecimento global (a Terra está com febre, diria Lovelock) e de catástrofes climáticas, de internet, de expansão da consciência ambiental, de aceleração da evolução espiritual da humanidade, de uma nova era enfim, inclui-se a medicina complementar, preventiva, que nos liberta das mãos até agora sagradas de muitos doutores.  

COMPORTAMENTO PERVERSO 

É PERVERSO MANTER AS PESSOAS NA IGNORÂNCIA E, DESSE MODO, MANIPULÁ-LAS. MAS ASSIM TEM SIDO. ACREDITO QUE ESTA ETAPA ESTEJA COM OS DIAS CONTADOS. 

Muitos médicos e os laboratórios vão estertorar, vão ameaçar - como já estão fazendo – tentando intimidar e assim conservar seu poder de vida e morte sobre o resto dos seres humanos, a imensa multidão de "gente comum”.  

É. Esta polêmica do momento se revela mais um embate entre o povo do bem e o povo do mau.  

E o que dizer da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Conselho Federal de Medicina, que nunca receberam relatos de danos provocados pela auto-hemoterapia, mas mesmo assim acabam de proibir os médicos de utilizá-la? É escandalosa tal medida. 

AO LONGO DESTES ANOS, E A DESPEITO DE OCULTA SOB O VÉU DO ATÉ ENTÃO DESINTERESSE DA MEDICINA OFICIAL, A AUTO-HEMOTERAPIA FEZ MUITOS E MUITOS ADEPTOS. SEU VALOR PODE, SIM, SER CIENTIFICAMENTE COMPROVADO, BASTA A VONTADE DE FAZÊ-LO. PARA TER O AVAL DA CIÊNCIA NÃO É PRECISO QUE “O EXPERIMENTO SEJA REPETIDO COM SUCESSO”? E O QUE É QUE TEM ACONTECIDO? 

Se já se sabe que a auto-hemoterapia fortalece o sistema imunológico - isso é o que mais se busca - e este resultado tem sido comprovado ao longo de um período significativo, o que falta para a auto-hemoterapia ser aceita pelos arrogantes e mercenários poderosos da medicina? Veja mais: em contrapartida, a lipoaspiração já fez inúmeras vítimas fatais, mas continua liberada. Só que custa caro... 

Veja o que diz o Dr. João Veiga, este sim, verdadeiro e corajoso. Está testando a auto-hemoterapia em alguns pacientes. Ele mesmo aplica as injeções. 

"Não há dúvida que esse tipo de procedimento de fazer um hematoma você imune-estimula um dos guerreiros, uma das células que combatem as infecções", diz o secretário de Saúde de Olinda (PE), João Veiga. 

A técnica surgiu no início do século passado na França e foi estudada na década de 30, nos Estados Unidos e no Brasil. 

Mas o próprio doutor João Veiga admite que é difícil encontrar trabalhos científicos sobre o uso da auto-hemoterapia nos últimos anos.” (está na matéria da TV Globo)  

N.R.: “Hematomas” acontecem após qualquer aplicação malfeita seja do medicamento que for. No caso da auto-hemoterapia é importante aplicar menos superficialmente. E por pessoas competentes, é claro. Além disso, vale lembrar que hoje as exigências científicas em vários outros setores, nos moldes em que se dão, estão deixando a própria Ciência ao largo de acontecimentos por ela inexplicados, mas reais. 

Já o Dr. Edson Andrade sugere com surpreendente inocência: "Muito provavelmente, nós estamos no bojo de uma grande articulação de autobenefícios e de esquema para auferir lucro em detrimento à saúde das pessoas", acredita Edson Andrade - informa a mesma matéria da Globo. Será? Quem mesmo costuma auferir lucros às custas da saúde das pessoas? Basta conferir os preços de uma consulta médica, de um hospital, de medicamentos, dos planos de saúde. 

Seria muito digno se personalidades da medicina oficial, em vez de tentar tripudiar e lançar infâmias, abrissem o jogo. Porque muitos médicos sabem dos benefícios da auto-hemoterapia; é fácil encontrá-los. E dentre os que não sabem, talvez despojados da ganância e da arrogância, se estivessem dispostos a pesquisar e se informar, sua atitude seria outra, ao invés de bater os pés e vociferar ameaças. Tamanha intolerância por quê?... 

Com toda esta polêmica, o processo se deflagrou. Que a população fique alerta, inclusive para não permitir sacrifícios e martírios sob a forma de suspensão de direitos de exercício profissional. Ao contrário do que diz o Dr. Edson Andrade, a auto-hemoterapia não está "provavelmente no bojo de uma articulação de autobenefícios” nem “de esquema para auferir lucro em detrimento à saúde das pessoas" etc etc. Está, sim, no bojo de uma revolução na medicina. Que até pode ser adiada, mas acontecerá. 

Importante: Se você faz auto-hemoterapia, envie seu testemunho, com nome completo e cidade onde mora, liberando a publicação. Para preservar sua identidade, usaremos apenas as iniciais. Colocamos por extenso aqueles que nos forem autorizados.  

A sociedade unida tem mais força do que qualquer poder estabelecido. 

Escreva para: jornaldaserra@jornaldaserra.com.br 

Fonte: http://www.jornaldaserra.com.br/6saude/7autohemoterapia1.htm. 

 

SANGUE POLÊMICO  

AUTO-HEMOTERAPIA: SANGUE QUE CURA 

Jornal da Imprensa Fábio Mendonça - 2007-02-24 

MUDANÇA DE VIDA 

... "Arrisco dizer que salvou minha vida, meu mestrado e meu casamento", diz o professor Ed Garcia. Por coincidência ao assistir o vídeo, como uma cura quase milagrosa, ele estava com um quadro de paralisia das pernas há alguns anos, mal ficava de pé, as pernas inchavam, a panturrilha empedrava quando ficava sentado por mais de uma hora. Sem contar as cãibras quase o tempo todo. Chegou ao ponto de ficar deitado por seis meses. Ele fazia um tratamento no Crer, mas não estava surtindo efeito. Os médicos achavam difícil que voltasse a andar. 

E ele acreditou naquele vídeo, naquele senhor que explicava de forma tão didática, simpática e com entusiasmo o que era, como funciona e o porquê desse método. Passava uma credibilidade e fidedignidade. Ele conta que usa nele mesmo e na esposa, para prevenção "Me protege contra o câncer e outras doenças do dia a dia". Nem as vacinas para gripe para idosos, (ele estava com 79 anos, hoje está com 81), quando o Governo faz as campanhas, ele toma. "Com a auto-hemoterapia não preciso nem a minha esposa. Tenho o meu sistema imunológico ativado". Até dá uma amostra de como é a aplicação, fazendo na própria esposa.  

Além do mais, o Dr. Luiz Moura não estava ganhando nada com aquilo. O vídeo era caseiro, feito de forma simples, sem grandes recursos e não estava sendo comercializado. A técnica que ele ensinava também era simples e de baixo custo. 

Na segunda aplicação de auto-hemoterapia as pernas do professor Ed desincharam completamente. Hoje, além das pernas não incharem mais, a panturrilha não empedrar e não sentir mais dor, Ed voltou a caminhar, com certa dificuldade ainda. "As pessoas tem que entender que não é milagroso, o efeito não é imediato", diz.  

E não é só a aplicação. No caso de Ed, que se consultou com um terapeuta, mudou a alimentação. O terapeuta prescreveu, junto com a auto-hemoterapia: um copo de 200ml de suco de chuchu, três vezes ao dia; meio chuchu, um folha de couve, duas folhas de hortelã, uma colher de mel e um limão. Além de não deixar de fazer a fisioterapia, e ainda começar uma hidroginástica. 

MÉDICOS NERVOSOS, PACIENTES SATISFEITOS  

No boca a boca, através de pessoas beneficiadas pela técnica (como a senhora que fez cinqüenta cópias do DVD pra distribuir), e principalmente pela internet (que pipocam grupos de discussões e comunidades no Orkut sobre o assunto, em que além de se discutir a auto-hemoterapia, há vários relatos de pessoas que utilizam, e o vídeo em sites como o Youtube), a imagem do velhinho simpático falando como retirar o sangue da veia e aplicar no músculo tomou proporções nunca imaginadas por quem produziu o vídeo, muito menos pelo próprio Dr. Luiz Moura.  

O fenômeno midiático e a procura pela auto-hemoterapia nas cidades brasileiras provocaram a ira dos médicos, que saíram ao ataque contra a técnica, com argumentos pouco satisfatórios, chegando ao fato de esculachar e zombar, não respeitando os pacientes que se submeteram. "É charlatanismo. É efeito placebo", são algumas definições que se escutam dos "doutores".  

Como o Conselho Federal de Medicina (CFM) não reconhece a prática, todos os Conselhos Regionais também não, mas nenhum dá uma explicação plausível. Em nota para a imprensa, o presidente do Cremego, Salomão Rodrigues Filho, justificou que esse método não tem respaldo científico nem eficácia terapêutica, além de expor o paciente a riscos, dependendo das condições em que o sangue é retirado e reaplicado, a pessoa pode sofrer infecções, apresentar hematomas e outras complicações.  

o Dr. Luiz Moura é o exemplo que não faz mal, pois usa a técnica há 28 anos e tem uma ótima saúde. Ele confirma que os estudos dele vieram todos da prática. "Tenho certeza que é uma técnica absolutamente inocente que nenhum mal faz para as pessoas". Apenas em casos graves ele recomenda que se faça a aplicação toda semana. Em outros, diz para o paciente dar um tempo entre uma e outra. Não por fazer mal, mas para descansar os músculos e veias. 

Além da esculhambação da classe médica, os argumentos usados pelo CFM e os Conselhos Regionais são, no mínimo, cômicos. Fala-se que esse método (injetar o próprio sangue) pode oferecer riscos para a saúde, mas não falam quais. Outro ponto engraçado é em relação ao perigo do uso de agulhas e seringas. Esse, então, seria o mesmo risco que qualquer pessoa corre ao se submeter a um exame de sangue ou tomar uma vacina. Mas o mais importante é sobre os efeitos ou benefícios terapêuticos, que segundo os Conselhos de Medicina e classe médica em geral, não existem. Não há ainda uma pesquisa especifica de auto-hemoterapia, com tudo comprovado. Porém, não se pode ignorar o fato de que várias pessoas estão utilizando a aplicação e estão melhorando, em relação a várias enfermidades.  

"Medicina é a arte de curar. Eu só tenho um compromisso com os meus pacientes: aliviar o sofrimento e se possível curar. E por isso, não respeito os chamados padrões científicos. 'Isso não posso fazer porque não é comprovado pela ciência'. Para mim, o que comprova qualquer coisa é o efeito do tratamento. Se produz benefícios para o paciente, é um tratamento cientifico. Mesmo que não saibamos quais os mecanismos de ação. Eu uso recursos sejam quais forem para beneficiar os pacientes. Depois, então, tenho uma mente com forte tendência para investigação, não me satisfaço e procuro saber o porque se curou", conta o seu modo de trabalho Dr. Luiz Moura. 

POR QUE NÃO HÁ INTERESSE? 

O professor Ed Garcia afirma com convicção que auto-hemoterapia é medicina social. Praticamente tendo apenas o custo da seringa. E quando se fala em dinheiro, o social e o humanismo desaparecem, ficando apenas o econômico. Ao perguntar para qualquer paciente que faça aplicações ou para os profissionais que aplicam e prescrevem, por que a classe médica não aprova nem se interessa pelo assunto? Por que não existem pesquisas? Surge um vilão para a auto-hemoterapia: a indústria farmacêutica. Remédios e medicamentos são boas fontes de lucros. Os laboratórios investem pesado nos estudos e pesquisas de novas formas de tratamentos. E, evidentemente, querem retorno. Essa é a lógica do mercado. O Dr. Luiz Moura, que dá a cara para bater sem medo, e não é muito querido pela indústria farmacêutica (tanto que quando foi presidente do INPS, hoje corresponde ao INSS, no governo do presidente Emílio Garrastazu Médici, chocou-se de frente com a mesma, o resultado, além de ameaças de atentados, ficou apenas sete meses à frente da instituição), canta a pedra sobre o interesse dos laboratórios: "Nem pode haver. Estão certíssimos, só vai dar prejuízos", fala o médico. "Vai vender o sangue dos próprios pacientes?". 

Mesmo não dando para contar com os financiamentos da indústria farmacêutica, ainda há os médicos e as universidades que podem ter interesses. "A maioria está comprometida", continua Dr. Luiz Moura. O marketing feito pelos laboratórios é muito grande. É normal o paciente receber dos médicos, nas consultas, amostras grátis, que são pequenos brindes da indústria aos profissionais. 

Mas o lobby não fica apenas nisso. Isso seria muito pequeno. Além dos recursos para pesquisas, já são famosas as acusações do financiamento dos laboratórios para médicos e professores universitários irem a congressos e viajar. Isso com tudo incluso, inclusive podendo levar a família. "É um investimento estritamente inteligente", ironiza Dr. Luiz Moura. "Eu faria o mesmo". 

Uma matéria publicada no jornal New York Times, no dia 12/02/2007, de autoria de Stephanie Saul, "Médicos e laboratórios farmacêuticos: uma medida para acabar com os conflitos de interesses", mostra que nos Estados Unidos há grupo de médicos insatisfeitos com essa "promíscua" relação, condenando até mesmo os almoços gratuitos entregues nos consultórios médicos e as canetas com logotipo de laboratórios. 

Junto com a Community Catalyst, um grupo de defesa de pacientes, e o Instituto Medicina como Profissão, lançaram o Projeto Prescrição, que será uma campanha nos centros acadêmicos, entidades de médicos, para disseminar essas restrições e basear as prescrições de medicamentos em evidências médicas, não em marketing.  

PACIENTES DESOBEDECEM MÉDICOS 

Enquanto a comunidade médica fica discutindo, ou melhor, ironizando a auto-hemoterapia, chamando de charlatanismo, xamanismo, curandeirismo, e outros ismos, e ninguém quer fazer pesquisas nem torná-la aceita pelo CFM; os pacientes, que não encontraram cura nos medicamentos prescritos, continuam procurando as aplicações. E os resultados são fabulosos. 

Em Goiânia, o professor Ed tem o seu terapeuta, que também atende outras pessoas. O terapeuta, adepto das terapias complementares, aprendeu sobre a auto-hemoterapia em seu curso de Medicina Biomolecular, e sabe muito bem que não há nenhum risco. Ele diz que qualquer alimento industrializado, consumido diariamente pela população, tem mais chances de fazer mal, por ser um corpo estranho e com muitas substancias nocivas ao organismo. 

Mas o terapeuta não é o único. Um farmacêutico que aplica, sem cobrar nada, apenas para ajudar, conta que já são mais de cem pessoas fazendo em sua farmácia. Ele decidiu fazer depois de aplicar em si mesmo, por ter um problema de acne, e ter uma cura que não havia tido com medicamentos. 

Já que os médicos estão se escondendo, as pessoas buscam formas de fazerem as aplicações. Além de terapeutas, farmacêuticos e enfermeiras, o mais impressionante é o número de pessoas que faz em si mesmas. Aprende-se a manusear uma seringa e começa a aplicar na família e amigos. Até existe um grupo que toda semana se reúne para a aplicação. A técnica é simples, mas a displicência da comunidade médica faz com que os pacientes corram riscos, por não estarem aptos a retirar o sangue e injetar no músculo. 

Essa proibição faz crescer o medo e apreensão. "Se ficarem sabendo que eu faço e tem resultados vêm aqui e me mata", brinca o terapeuta. Porém, essa brincadeira tem um fundo de verdade. Quem faz não quer se identificar. Até mesmo os pacientes não gostam de se identificarem. O farmacêutico se mostrou relutante em conversar. Fica parecendo que estão fazendo algo errado, que faz mal para a população. 

Em todo país surgem manifestações, e os Conselhos Regionais tentam perseguir.Em Rondônia, foi vinculado pela imprensa do Estado, que o Conselho de Medicina entrou com uma ação no Ministério Público contra os profissionais de enfermagem que fazem. Em Recife, um médico, Dr. Marcos Paiva, é um dos poucos do Brasil que tem coragem de assumir a auto-hemoterapia. Sem contar, que o Secretário de Saúde de Olinda, Dr. João Veiga, estuda a possibilidade de colocar o método na rede pública de saúde da cidade. 

Mas o caso mais famoso é do Dr. Luiz Moura. Desde o final da década de 1970 ele estava aplicando a auto-hemoterapia e ajudando muitas pessoas no Estado do Rio de Janeiro. Ao sair o DVD, também passou a ser perseguido. Uma médica "ignorante", nas palavras do próprio médico, o denunciou ao Conselho do Estado no ano passado. Dr. Luiz Moura teve que se defender para uma banca de 38 médicos, mas acabou sendo fácil, pois os argumentos que a médica usou foram ridículos e preconceituosos. Ele afirmou que o médico estava esclerosado, por causa de sua idade, em palavras populares, "estava gaga". Para isso, ela usou o número de seu registro, 41.690, ou seja, já bem antigo, da década de 1940. No fim, Dr. Luiz Moura venceu a disputa por unanimidade, 38 a 0, e hoje está devidamente autorizado a praticar a auto-hemoterapia no Rio de Janeiro. 

.... 

fonte http://www.jornaldaimprensa.com/impressao.php?not_codigo=5865 

 

 

 

 

MEDICINA COMPLEMENTAR 

DICAS PARA SUA SAÚDE INTEGRAL 

DR. ALEX BOTSARIS 

... Mas não é verdade que essa terapêutica não tenha nenhum fundamento, nem que não haja nenhum trabalho publicado sobre ela na literatura mundial ou nacional, como afirma a SBHH. Na base de dados pubmed, do NIH (Instutito Nacional de Saúde americano), considerada a maior base de dados médicos do mundo, existem cerca de 106 estudos científicos publicados sobre auto-hemoterapia, a maioria sendo clínicos. É um numero modesto, mas mostra que alguma pesquisa já foi realizada. Um estudo, inclusive, foi realizado no Brasil. Nele vacas com um tipo de infecção na pele chamada de ectima receberam auto-hemoterapia ou um antisséptico a base de iodo (tratamento convencional) no final de uma semana 26% das vacas que receberam auto-hemoterapia tinham melhorado contra 8% das que receberam tratamento convencional (uma diferença que é significativa do ponto de vista estatístico). Nenhum efeito colateral ou agravamento foi descrito nesse estudo. 

A outra área onde se propõe a auto-hemoterapia é no campo da modulação da imunidade, seja para o tratamento de infecções ou em doenças auto-imunes. No México, por exemplo o médico Jorge Gómez Ramirez, um entusiasta do método tem proposto seu emprego em doenças auto-imunes, e conta com o apoio da Sociedade Mexicana para o Diagnóstico e Tratamento das Doenças Auto-imunes para realizar várias séries clínicas naquele país. Um estudo clinico feito pelo Dr Olwin do Hospital Presbiteriano de St. Luke, reportou uma melhora significativa em portadores de herpes zoster, uma doença que causa seqüelas e ainda não tem tratamento satisfatório. Nesse trabalho os resultados formam extremamente significativos, com 100% de ausência de seqüelas com evolução mais branda nos 20 pacientes do grupo tratado, contra uma incidência regular de dor e evolução arrastada no grupo placebo. 

Por Alex Botsaris - Infectologista. 

É formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especializado em doenças infecciosas pelo Hospital Claude Bernard (Paris) e em acupuntura e medicina chinesa pela Sociedade Internacional de Acupuntura (França), e pela Universidade de Pequim (China). É ex-presidente do Instituto Brasileiro de Plantas Medicinais (IBPM). Autor dos livros: "O Complexo de Atlas", "Sem Anestesia", "As Fórmulas Mágicas das Plantas", "Segredos Orientais da Saúde e do Rejuvenescimento" e "Medicina Complementar" 

Fonte: http://www1.uol.com.br/vyaestelar/medicinacomplementar.htm 

PESQUISADOR COMPARA AHT AOS ENXERTOS DE TECIDOS 

O PROFESSOR E PESQUISADOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE STENIO BARROS FEZ UMA LEITURA DAS INFORMAÇÕES SOBRE AUTO-HEMOTERAPIA E DEFENDEU A REALIZAÇÃO DE PESQUISAS CAPAZES DE DIRIMIR DE UMA VEZ POR TODAS AS DÚVIDAS LEVANTADAS PELOS QUE SÃO CONTRA O USO DA TÉCNICA. O PESQUISADOR POTIGUAR AFIRMA QUE NÃO VÊ NESSE MOMENTO NAS PESQUISAS “QUALQUER COISA CAPAZ DE COMPROMETER SERIAMENTE A SAÚDE DE QUEM DESSA TÉCNICA UTILIZE, APLICADA PELAS PESSOAS CERTAS”.  

DR. STENIO LEMBRA QUE “É SABIDO QUE O AUTO-ENXERTO (PELO QUAL SE TIRA TECIDO DE UMA REGIÃO E APLICA EM OUTRA NA MESMA CRIATURA) É A MELHOR SOLUÇÃO EM ALGUMAS NECESSIDADES TERAPEUTICAS COMO QUEIMADURAS, POR EXEMPLO”. E ASSEVERA: “O QUE SERIA A AUTO-HEMOTERAPIA, SENÃO TIRAR TECIDO (SANGUE) E APLICAR EM OUTRO TECIDO (MÚSCULO) NA MESMA PESSOA?”, OPINANDO: “NÃO ENTENDO COMO ISSO TRARIA ALGUM PROBLEMA PARA O PACIENTE, QUE NÃO FOSSE A REJEIÇÃO”, MAS LEMBRA QUE ”É EXATAMENTE ISSO QUE O PESQUISADOR DESEJA, PARA QUE HAJA QUADRUPLICAÇÃO DOS MACRÓFAGOS E, PORTANTO, AUMENTAR AS DEFESAS DO ORGANISMO”.  

OBSERVANDO NÃO SER ASSUNTO DE SUA ÁREA ESPECÍFICA DA MEDICINA, MAS OPINANDO COMO TODO CIDADÃO TEM DIREITO, DR. STENIO BARROS DIZ QUE VÊ E SUBSCREVE A OPINIÃO DE QUE O BOM SENSO FALA MAIS ALTO, CONCLUINDO QUE “NADA MELHOR QUE PESQUISAR PARA CONFIRMAR UMA DAS ALTERNATIVAS, PELO USO OU NÃO DA AUTO-HEMOTERAPIA, VEZ QUE NA CIÊNCIA MODERNA SÓ A PESQUISA É SOBERANA”. 

TRATA-SE DE MAIS UMA OPINIÃO IMPORTANTE PARA QUE OS ENTES PÚBLICOS ENVOLVIDOS NA ÁREA DA SAÚDE (MINISTÉRIO DA SAÚDE, INSTITUTOS E UNIVERSIDADES, PRINCIPALMENTE) ADOTEM PROVIDÊNCIAS COM VISTAS A PERMITIR O USO DA AUTO-HEMOTERAPIA, AO MESMO TEMPO EM QUE DEVEM ADOTAR PROVIDÊNCIAS PARA QUE OS SEUS EFEITOS SEJAM COMPROVADOS CIENTIFICAMENTE, ATRAVÉS DE PESQUISAS. 

FONTE: 

http://www.rnsites.com.br/auto-hemoterapia-enxertos.htm 

 

AH – O GUIA DEFINITIVO 

JORNAL DA IMPRENSA ON LINE – por Fábio Mendonça - 

A reportagem do Jornal da Imprensa, na edição 654, sobre Auto-Hemoterapia teve um efeito devastador nas estruturas médicas. Um mês depois de ser publicada, ainda há pessoas ligando e vindo à redação do jornal querendo obter informações a respeito do método. Não apenas de Goiânia, mas de várias cidades do Brasil, dizendo que fazem, melhoraram muito e querem divulgar para mais pessoas. No mês de março pipocaram matérias sobre Auto-Hemoterapia pelo Brasil. A maioria se baseando na condenação do Conselho Federal de Medicina. Em uma das ligações recebidas do Rio de Janeiro, um senhor contou que o programa Fantástico, da Rede Globo, estava produzindo uma reportagem a respeito, com as mesmas impressões preconceituosas.Nos próximos dias o Dr. Luiz Moura terá uma nova audiência no Cremerj, por causa do alvoroço, após já ter sido absolvido no ano passado com 38 votos a zero, e estar devidamente autorizado a exercer a auto-hemoterapia. 

Enquanto o Conselho de Goiás divulgou nota na imprensa, no dia 26, falando dos "riscos" que o método oferece, e no dia seguinte o presidente Salomão Rodrigues Filho foi a um programa de televisão para "alertar" a sociedade do "perigo" que corre ao submeter a retirar um pouco de sangue e reinjetar no músculo. A jornalista que o entrevistava conseguiu ser mais preconceituosa e ignorante que todos os médicos que falam besteiras contra a auto-hemoterapia. Ela falou, ao vivo, em horário de almoço, "eu nunca escutei sobre auto-hemoterapia". 

Reza a lenda que todo bom jornalista ao ter um assunto que não domina deve fazer uma ampla pesquisa e conversar com especialistas a respeito. Após isso, comentar sobre o tema. Bastava a jornalista pedir um exemplar do Jornal da Imprensa, com a reportagem. Ou acessar a intenet no site Google e digitar auto-hemoterapia que teria muitas informações e passaria a conhecer.  

DISCURSOS VAZIOS 

Ficar apenas com o que os médicos dizem não forma uma opinião consistente. O Conselho Federal de Medicina e os Conselhos Regionais não trocam o disco de lado, ficam repetindo os mesmos preconceitos, sem conhecimento. "O Conselho Federal não aprova o método terapêutico Auto-Hemoterapia". "Não existe comprovação científica". Mas as melhores de todas: "A retirada e aplicação não obedece as normas de assepsia". "Acarreta riscos, tais como infecção, hematomas e necrose do local da injeção, além de imunossupressão se o sangue for alogênio". Ou seja, os riscos são os mesmo para quem for tomar qualquer injeção, vacina, ou retirada de sangue. 

Esses médicos que desdenham a auto-hemoterapia e falam que não há benefícios, fazem isso porque o Conselho Federal não reconhece. A partir do momento que for reconhecida eles mudarão totalmente o discurso, e também vão aplicar em sues pacientes. 

AUTO-HEMOTERAPIA CONQUISTA O MUNDO 

A comunidade médica brasileira parece não estar em sintonia com a mundial, pois a auto-hemoterapia vem conquistando o mundo. São vários os trabalhos publicados sobre o assunto. Por haver pesquisas nessa área, e não ficar apenas nos preconceitos, o método de auto-hemoterapia varia muito a forma que é aplicado. Em nenhum local é tão simples como faz Dr. Luiz Moura. Uma forma que é muito usada é junto com ozônio, na chamada ozonioterapia. 

Na Rússia, o médico, A. A. Gur´ianov fez diversas pesquisas utilizando o método, alguns usando outras técnicas em conjunto como reflexoterapia e penicilina. Ele publicou alguns no jornal russo de ciências "Voenno-meditsinskiĭ zhurnal". Há os trabalhos: "Tratamento de pacientes com osteocondrose (uma doença nos osso) espinhal com auto-hemoterapia", em agosto de 1974, e "O uso de auto-hemoreflexoterapia em várias doenças", em junho de 1989. 

Nas décadas de 1930, 40 e 50 houve muitos artigos sobre auto-hemoterapia nos Estados Unidos. Cada um especificando o uso em um tipo de doença. Mais recentemente, em 1997, o "Jornal de Medicina Alternativa e Complementar", de Nova York, publicou o artigo dos médicos J. H. Olwin, H.P. Ratajczac e R. V. House, sobre o tratamento de herpes com auto-hemoterapia. "O sucesso do tratamento de infecções de herpes com auto-hemoterapia". 

CONTRIBUIÇÃO MEXICANA 

Porém, quem mais avançou nos estudos sobre auto-hemoterapia foi um cientista mexicano, Dr. Jorge González Ramírez, com três doutorados: Biologia Celular, pela Universidade Nacional do México; Biologia Celular, pela Universidade de Tübigen, na Alemanha; e Fisiologia Celular, pela Universidade de Paris, na França. O caso de Dr. Jorge é parecido com Dr. Luiz Moura.  

Já conhecendo os trabalhos de auto-hemoterapia antigos (em língua espanhola, o trabalho publicado mais antigo é de 1938), como o de Ravaut, mas sem conhecer o sistema imunológico por completo. Na década de 1970, o médico imunologista dinamarquês Niels K. Jerne formulou a Teoria da Rede Imunológica, em que dizia que, por razões desconhecidas, o sistema imunológico poderia se voltar contra o próprio corpo, que deveria proteger, e o passa a ataca. São as doenças auto-imunes. E essas doenças podem ser tratadas estimulando o sistema imunológico e formando anti-anticorpos. Essa teoria deu ao dinamarquês o Prêmio Nobel de Medicina de 1984. 

O sangue não é reinjetado logo após a retirada, como faz Dr. Luiz Moura. Dr. Jorge mistura sangue com uma solução salina inócua e resfria a mistura. A aplicação se dá de forma subcutânea diariamente, com 1ml, por quarenta e cinco dias. E o médico mexicano chamou a técnica de "Auto-hemoterapia para cura de doenças auto-imunes". 

Outro médico mexicano que vem realizando pesquisas, inclusive em outros países, é o Dr. Francisco Moralez Lozano Em 1999, em Badablin, na Alemanha, participou da pesquisa "Auto-hemoterapia e seus efeitos no câncer e em doenças auto-imunes". Em 2000, no México, pesquisou "Diabetes Mellites 2, conversão de auto anticorpos em antígenos. Auto-hemoterapia". 

O GUIA DEFINITIVO 

Um médico que deu uma contribuição muito grande também foi o americano S.H. Shakman, que publicou pela Institute of Sciense, "The Autohemotherapy Reference Manual -- The Definitive Guide to The Literature", em 1997, em que além de explicar o que é, também traça um histórico.  

O americano fala sobre os artigos publicados pelo jornal oficial da Associação Médica Americana, em que naquela época já se comentava que auto-hemoterapia poderia ser usada para outras doenças e sobre as ações benéficas, se atribuía a ação de antígenos no sangue que quando injetados estimulam a produção de anticorpos. 

Mesmo Dr. Luiz Moura não tendo estudado a fundo, seus pareceres, mais empíricos, além de fazerem muito sentido, de acordo com as pesquisas pelo mundo, estavam certos, a aplicação do próprio sangue estimula do sistema imunológico e combate várias doenças.  

fonte:http://209.85.165.104/search?q=cache:LpsEAjD5TvwJ:www.jornaldaimprensa.com/impressao.php%3Fnot_codigo%3D5927+AUTO+HEMOTERAPIA+REPORTAGEM&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=44&gl=br&lr=lang_pt 

AUTO-HEMOTERAPIA, PROBIÓTICOS E OS IMUNOESTIMULADORES. 

*João Veiga Filho – Médico 

Dr. João Veiga, médico cirurgião e secretário da Saúde de Olinda, o qual foi veiculado no Jornal Folha de Pernambuco, edição de 27 de abril de 2007. O Dr. Veiga, explica mais sobre a auto-hemoterapia e deixa registrado seu repúdio à matéria do Fantástico, que também o entrevistou. 

A auto-hemoterapia é um tratamento que já vem sendo usado por médicos desde a década de 20. Nos anos 40 trabalhos científicos foram publicados em revistas médicas no Brasil – Revista Brasil- Cirúrgico em 1940 e internacional – The American Journal of Surgery de 1936, pg.321.  

A colocação de sangue retirado da veia na musculatura funciona como um estímulo de neutrófilos, monócitos e linfócitos que se dirigem para o local com a função de limpeza, remove coágulos, bactérias e tecidos lesionados. Os monócitos evoluem para macrófagos que exercem a fagocitose de qualquer substância, bactéria ou tecido residual. Segrega uma série de substâncias (citoquinas e fatores de crescimento) que estimulam mais ainda os neutrófilos para produzir tecido de regeneração e formação de novos vasos(angiogê nese), como também a produção local de óxido nítrico, substância importante bacteriana. 

Além desta ação local, vamos falar assim, os macrófagos estimulam os linfócitos, que liberam as interleucinas e interferon, que são substancias estimuladoras dos linfócitos T e B, outras células do nosso sistema imunológico, este que nos defende de infecções, câncer e outras agressões ao nosso corpo. Não muito tempo atrás o uso dos Probióticos, ..., não passava de crendices populares. 

Segundo a sabedoria popular o consumo da linhaça e iogurtes, ricos em probióticos, eram fontes de cura de muitas doenças. A comunidade científica desautorizava o uso para para combater doenças e não reconhecia qualquer propriedade curativa nestes alimentos. Hoje, uma revista nacional, GED (volume 26, número 1, janeiro/fevereiro de 2007) – da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva; Federação Brasileira de Gastroenterologia; Sociedade Brasileira de Hepatologia; Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva e Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva, publica trabalho "Probióticos em gastroenterologia e cirurgia". 

No bojo do trabalho, pasmem os senhores, os probióticos, os germisinhos da sementinha da linhaça e do iogurte, servem para: diarréias por bactérias e vírus, incluindo C. difficite, infecção e complicações por H.pylori, doenças inflamatórias intestinais (moléstia de Crohn, pouchitis), câncer gastrintestinal e urinário, constipação intestinal, melhora da imunidade intestinal e sistêmica, combate à alergia alimentar (dermatite atônica, outros quadros 

sistêmicos), prevenção da translocação bacteriana, cardiopatias isquêmicas, infecções genitais e urinárias (cistite, vaginose, vaginite por fungo), prevenção de morbimortalidade em recém-nascidos e prematuros. Esta nova atitude dos "órgãos" da ciência e conhecimento em relação aos probióticos vem, coincidentemente quando a indústria NESTLE coloca nos seus iogurtes e promete que em 12 dias de consumo do seu produto qualquer pessoa fica curada de constipação intestinal, o que é verdade. Não bastou o fato do patriarca judeu Abraão ter sua proverbial saúde e longevidade ao consumo de iogurtes inventado pelos Persas. 

Como médico e fazendo a auto-hemoterapia em pacientes com artropatia não tenho dúvidas da eficácia do método como coadjuvante para tratar artropatias crônicas, estimulando o sistema imunológico dos pacientes, podendo ser eficiente em outras doenças. 

Mantenho a conduta que deve ser praticada ou orientada por médicos e repudio a conduta desrespeitosa e desinformada de algumas autoridades médicas que depuseram no programa Fantástico da Rede Globo de Televisão. 

*Dr. Veiga é cirurgião, pós-graduado em cirurgia gastroenterológica,membro da Comissão de Trauma do Conselho de Medicina de Pernambuco (Cremepe) e Secretário da Saúde do município de Olinda - PE. 

FONTE: FONTE: http://docs.google.com/View?docid=dgmpc7nr_8g4fmgm 

 

Como está proibida a AH – Auto-Hemoterapia, incluí o endereço do Dr. Moura não com o intuito de fazer propaganda de qualquer natureza, mas somente para aqueles que quiserem entrar em contato com ele. Até porque, quem se convencer, pode fazer a AH sem prescrição médica, assim como eu estou fazendo... Deve-se observar, entretanto, todos os procedimentos e critérios de segurança e assepsia, a fim de evitar complicações não advindas da Auto-Hemoterapia (que não existem), mas da falta de técnica e cuidados, fora das normas necessárias para com a extração de sangue e injeção em músculo... Procure assistência profissional para fazer, ou ensinar a fazer a AH. 

Dr. Luiz Moura 

Consultório do Dr. Luiz Moura : Rua: Conde de Bonfin, 377, sala 803, Tijuca, RJ 

(perto do metrô Saenz Peña). Tel: (0xx21) 2572-5902 - (0xx21) 

8817-6012: Janilda (secretária) 

 

OPINIÃO: 

Por Fernando Toscano: 

Em 2004 iniciou-se uma verdadeira "guerra nos bastidores" quando o médico clínico-geral, Dr. Luiz Moura, atualmente com 82 anos, do Rio de Janeiro, resolveu "abrir a boca" e confessar os benefícios desse tratamento alternativo, válido e barato, capaz de ajudar a curar doenças e auxiliar no tratamento de outras, concedendo uma entrevista que foi gravada em vídeo - reportagem de Ana Martinez e Luiz Fernando Sarmento - e hoje está circulando em todo o país. São milhares de relatos favoráveis, pessoas que fazem uso da auto-hemoterapia gerando grandes benefícios à sua saúde. 

Eu mesmo, sou adepto da hemoterapia, desde o início de abril/2007 e me sinto muito bem, mais disposto, pois meu ritmo de vida é alucinante - trabalho 6 dias por semana, em média 14 horas por dia ainda encontro tempo para me divertir e fazer parte de trabalhos sociais junto às comunidades da igreja na qual faço parte. As pessoas me questionam coisas do tipo: "- Fernando, fico admirado (a) como você agüenta um pique desses todos os dias". Outro dia estive a pensar e vi que, realmente, cada vez me canso menos e estou sempre disposto o que não acontecia até o início deste ano (me sentia extremamente cansado e ansioso). 

Uma quantidade enorme de pessoas tem procurado, com sucesso, adotar a prática da auto-hemoterapia e, como não poderia deixar de ser, começaram as pressões contrárias. O Conselho Federal de Medicina (CFM) e a ANVISA foram os primeiros: médicos e farmacêuticos estão proibidos de utilizar a técnica pois, segundo eles, não "existem estudos científicos que comprovem algum benefício ao usuário da auto-hemoterapia e os riscos não foram ainda avaliados". Posteriormente, dia 22 de abril de 2007, a Rede Globo de Televisão, em cadeia nacional, no programa "Fantástico" fez uma série de críticas ao Dr. Luiz Moura e sua técnica, mesmo ouvindo diversas pessoas com opiniões favoráveis à auto-hemoterapia e tendo sido comprovados diversos benefícios desse "tratamento alternativo" (Veja aqui). O que se pode observar é que o Brasil é mesmo um país atrasado, que serve aos interesses dos poderosos - como sempre. A Rede Globo não tem condições técnicas para avaliar ou julgar algo de tamanha importância. Quem esses jornalistas pensam que são afrontando o conhecimento e a experiência de um médico com 64 anos de medicina e usuário da técnica há mais de 30 anos? ANVISA, CFM, CRMs, Rede Globo e laboratórios são poderosos, mas contra o povo, nada são. Na verdade são todos incompetentes nas funções que exercem, ultrapassados e atendem interesses sob a sombra da verdade, que vão de encontro às verdadeiras necessidades da sociedade brasileira. Por esses motivos também entrei nessa guerra e irei até o fim. Me desculpem os termos, mas que se danem os interesses dos laboratórios, que se dane a burocracia pública dessa péssima agência (ANVISA) que tanto mal faz aos interesses do Brasil (são muitos casos conhecidos como o do polímero já divulgado aqui no Portal Brasil e as exigências descabidas aos laboratórios e empresas brasileiras), que se danem o CFM e CRMs que sabem da técnica e nunca se posicionaram, nunca efetuaram estudos adequados e agora vêm ameaçando com sanções aos profissionais de saúde que aplicarem a técnica em seus clientes e que se dane a Rede Globo que sempre atendeu interesses dos poderosos e também procura o marketing próprio num programa que de fantástico nunca teve nada. Resultado: o povo não aceitou, encarou a briga e vamos vencer! Ninguém, repito em letras maiúsculas, NINGUÉM provou que a técnica faz algum mal - mas proibiram... 

(*) Fernando Toscano é editor do Portal Brasil O próprio Conselho Regional de Medicina não conseguiu condenar o Dr. Luiz Moura: Portal Brasil - acórdão CRM/RJ 

 

Quem é o Dr. Luís Moura 

(por Dr. Eugênio Marer, Psicólogo há mais de 30 anos, CRP nº 16.625-05): 

Conheço o Dr. Luiz Moura há mais de 20 anos – sou psicólogo há mais de 30 e presenciei o sucesso de seu trabalho com muitas pessoas, inclusive médicos que fizeram o controle com exames clínicos de seu processo." 

FONTE:http://br.groups.yahoo.com/group/auto-hemoterapia/message/1619. 

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO RIO DE JANEIRO -ACÓRDÃO DA SESSÃO DE JULGAMENTO. PROCESSO ÉTICO/PROFISSIONAL ABERTO CONTRA O DR. LUIZ MOURA, EM FUNÇÃO DA ENTREVISTA DIFUNDINDO A TÉCNICA E POR RECEITAR A AH – AUTO-HEMOTERAPIA, ABSOLVIDO POR UNANIMIDADE DE VOTOS. RIO DE JANEIRO, 11 DE JANEIRO DE 2006 . Para ver o documento disponível na internet: fonte: 

http://img91.imageshack.us/img91/9906/documentoyh7.jpg  

Outro médico praticante daAH: 

 

INSTITUTO BRASILEIRO DE MEDICINA CHINESA E TERAPIAS - IBRAMEC  

DR. PAULO VARANDA: 

 

Segundo os estudos científicos: 

É importante ressaltar que o sangue aplicado no intramuscular não é acrescido de nenhum medicamento ou substância. 

A Auto-hemoterapia é um tratamento descoberto empiricamente em 1.912 por um professor médico da Universidade de Paris. 

Dr. Jêsse Teixeira, em seu trabalho, publicado na revista científica BRASIL-CIRÚRGICO, Órgão oficial da Sociedade Médico-Cirúrgica do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, vol. II, março de 1.940, número 3, páginas 213 – 230. Baseando-se também, em um artigo publicado no “The American Journal of Surgery” (May, 1.936 – pag. 321), intitulado “AUTOHEMOTRANSFUSÃO in Preventing Postoperative Lung Complications” e assinado pelo Dr. MICHAEL W. METTENLEITER (cirurgião, que na época, pós-graduava pelo Hospital de Nova York). 

Comprovaram-se diversos efeitos, que a auto-hemoterapia proporciona, restabelecendo assim a saúde. 

 

ALGUNS EFEITOS COMPROVADOS DA AUTO-HEMOTERAPIA 

 

Potencialização do Sistema Imunológico: através de inúmeras pesquisas comprovou-se a estimulação e liberação de muitas células de defesa do organismo, dentre as quais, os monócitos (no sangue) que nos tecidos por maturação são chamados de macrófagos, aumentando em seu número mais de quatro vezes (de 5% para mais de 22%). Como a elevação dos monócitos/macrófagos, a elevação do índice bactericida dos humores prova a estimulação dos poderes defensivos do organismo através da estimulação do Sistema Retículo Endotelial que também pode ser chamado de Sistema Monócito-Macrófago. 

Funções do macrófago ativado pela auto-hemoterapia: 

- Os macrófagos têm papel importante na remoção de restos de células e de elementos intercelulares alterados que se formam nos processos involutivos fisiológicos, bem como bactérias, vírus, tecido necrosado, células neoplásicas (cancerosas), partículas inertes que penetram no organismo.  

- Maior atividade fagocitaria, maior capacidade de matar e digerir partículas estranhas, produção de lisosomas aumentada, e secretam diversas substâncias que participam do processo defensivo atraindo leucócitos e estimulando a atividade de outras células. 

- Alguns macrófagos secretam diversas substâncias que têm papel importante nos processos imunitários de defesa. Outros, denominados células dendríticas ou células apresentadoras de antígenos, mostram numerosos prolongamentos que aumentam consideravelmente a superfície celular, onde ficam retidas as moléculas estranhas (antígenos), facilitando a resposta imunitária. 

- Quando os macrófagos encontram corpos estranhos de grandes dimensões, os macrófagos fundem-se uns com os outros, constituindo células muito grandes com 100 ou mais núcleos (células gigantes multinucleadas).  

- Com isso, observa-se o tratamento de mioma uterino e cisto ovariano. 

Tratamento de doenças AUTO-IMUNE – Desvia a auto-agressão do corpo: através da auto-hemoterapia, o organismo neutraliza os auto-anticorpos que atacam as diversas células e tecidos do corpo humano, tratando assim as doenças Auto-Imunes tais como: artrite reumatóide, lupus eritematoso sistêmico, miastenia gravis, etc. 

Poder desintoxicante e revitalizante: como a auto-hemoterapia aumenta consideravelmente o número de leucócitos nos órgãos abdominais, e conseqüentemente, a um incremento nas funções orgânicas, particularmente do fígado, acelerando a secreção biliar e os processos de desintoxicação.  

Tratamento de Doenças Alérgicas: (página em construção) 

Prevenção das doenças: partindo do princípio de que, todas as doenças são causadas por uma deficiência do sistema imunológico, obtém-se excelentes resultados contra gripes, resfriados, desgaste físico e mental, usando a auto-hemoterapia de forma preventiva.  

Dr. Paulo Varanda – Médico Acupunturista, homeopata, Professor de farmacologia com especialização em hematologia 

 

BIBLIOGRAFIA 

- BRASIL-CIRÚRGICO, Órgão oficial da Sociedade Médico-Cirúrgica do Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, vol. II, março de 1.940, número 3, páginas 213 – 230. 

- The American Journal of Surgery” (May, 1.936 – pag. 321),  

AUTOHEMOTRANSFUSÃO in Preventing Postoperative Lung Complications, Dr. MICHAEL W. METTENLEITER, Nova York). 

- SHAKMAN, S. H. THE AUTOHEMOTHERAPY REFERENCE  

MANUAL, the definitive guide to the literature, Institute of  

Science, Santa Monica, United States of America, 1998. 

 

- IMUNOTERAPIA: O impacto médico do século. Ricardo Veronesi. MEDICINA DE HOJE – MARÇO DE 1976. 

 

- GUYTON, Tratado de fisiologia médica, 8ª edição, editora  

- Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 1992. 

 

- JUNQUEIRA & CARNEIRO, Histologia básica, 8ª edição, editora  

- Guanabara Koogan, Rio de Janeiro 

ATENÇÃO 

 

Devido a Nota técnica n° 1 de 13/04/07 da GGSTO (Gerência Geral de Sangue, Tecidos e outros Órgãos) da ANVISA, alegando “Não existem evidências científicas, trabalhos indexados, que comprovem a eficácia e segurança deste procedimento” a mesma foi informada em 18/04/07 de que existem estudos científicos publicados sobre a Auto-hemoterapia comprovando o seu mecanismo de ação e segurança. A GGSTO respondeu em 20/04/07 da seguinte forma:  

“Agradecemos suas contribuições que, com certeza, servirão para nossa revisão sobre o tema. 

Estaremos analisando atentamente cada uma delas. 

Ficamos a disposição, 

Atenciosamente,  

Assessoria da GGSTO 

Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos e Órgãos” 

Fonte: 

http://www.ibramec.com.br/index_arquivos/page0004.html 

Depoimento impressionante de uma praticante da técnica:  

 

parte 1 parte 2 parte 3 parte 4 parte 5

Olivares Rocha
44 anos
- RJ

[voltar]

envie este texto a seus amigos

Busca Saúde
Pesquisa personalizada








Atenção: NÃO USE informações aqui divulgadas para substituir uma consulta médica. Seja prudente, consulte um médico, quando entender necessário, para o correto diagnóstico e eventual tratamento".

[ir para a participação que motivou este comentário]
 
  AHT HEMOTERAPIA: Informações & Debate, Depoimentos, Publicações e Vídeos (2007 - 2022)
Fique livre para divulguar informações aqui disponibilizadas.
Agradecemos a citação da fonte.
webmaster@hemoterapia.org